domingo, março 29, 2015

Encontro de Fãs Fantásticos














Hello amados, como estamos?

Cá estou para mais um post quentinho sobre eventos MA-RA-VI-LHO-SOS!!!!

Ontem, 28 de março, aconteceu em Belém, na Livraria Leitura, o nosso 2° encontro de fantasia, em parceria com as lindas editoras Arqueiro e Saída de Emergência. 



Bianne, Fernanda e eu (Anne) fomos mediadoras desse evento e ficamos muito felizes em informar que fomos super bem recebidas pela livraria, e que o evento contou com a presença de vários fãs (apesar da chuva que caiu), que confirmaram presença no Facebook, ou mesmo os fãs  que estavam na loja, viram a nossa muvuca e foram sentando e participando do evento. Fãs de todas as idades fizeram de nossa tarde de ontem uma festa.

 
Um mega obrigada a todos que nos ajudaram a fazer desse evento um sucesso. 

A diva da editora Arqueiro mandou montes de mimos para os participantes, e sorteamos livros, camiseta de Outlander, bottons, marcadores, exemplares da revista Bang.


Algumas pessoas nos perguntaram como conseguir exemplares da revista, ou como ter acesso a ela. Fico feliz em informar que no site da revista eles disponibilizam a edição online tanto a versão portuguesa quanto a brasileira, então para você que curte novidades quentinhas no mundo literário da fantasia, ficção científica e horror, corra até o site e confira a revista que tá uma delicia, com super ilustrações.

Os lançamentos da editora não param de chegar as livrarias em todo o país, e ontem, promovemos alguns lançamentos, assim como surtamos mais um pouco com alguns livros da editora que já estão no mercado há algum tempinho, mas que ainda estão sendo super procurados.

Os livros lançados e sorteados durante o evento, foram: 

- Sangue Mágico;

A Miss fofinha (Fernanda Karen) super estava de olho nesse livro, por tanto de saliva que a Bianne deixou nele, durante a explanação de sinopse. Olha que não discutimos muito por livros, mas, até eu fiquei de olho nele....kkkk..

- Mares de Sangue;

Essas capas dos livros do Locke Lamora, só melhoram, gente! Esse é o segundo volume da saga! Tive a oportunidade, assim como os demais participantes de ver a possível capa do terceiro livro, e me apaixonei, e olha que nem faz muito o meu estilo, mais este é um desses livros a se repensar.

- O Duelo dos Reis;


Lançamento de uma super dica para quem curte livros em que um mundo totalmente novo e fantástico foi construído especialmente pelo autor.

Lógico que a editora, ainda nós presenteou com os livros anteriores a alguns desses, e com a série de livros e tv, queridinha do momento #OUTLANDER.

- As Mentiras de Locke Lamora;

Não disse que as capas dessa saga são lindas? A história taaaaaaaaaambém! E o nosso amigo felizardo também levou para uma edição da Revista Bang, se ela já era louco por livros desse gênero, aposto que agora ele vai ser fã ao cubo!

- O Poder da Espada;

O tanto que nós estávamos pedindo reações mais efusivas dos ganhadores, e esse nosso amigo, nos contagiou total com um belo sorriso largo. E se não me falha a memória, o grupinho dele estava super pé quente no sorteio...rsrsrs... Parabéns!

- Antes da Forca;

Mais uma sortuda gente. Esperamos que vocês tenham curtido o evento e se você não conhecia o livro...opa, você precisa embarcar nessa viagem!

- Outlander - A viajante do tempo;

Mas muitos dos participantes do evento estavam mesmo cobiçando esse livro. E a nossa amadinha aqui voltou para a casa dela com o gatoso do Jamie Fraser. Espero que você ache um jeito de fazer essa viagem no tempo e conte para a gente como foi a experiência.

- Outlander - A Libélula no Âmbar;


Apesar de ser o segundo volume da saga Outlander, particularmente prefiro a capa desse livro, e é bem obvio o motivo, né? kkkkk...Lorena, mais uma vez parabéns! E boa leitura!

Demais prêmios devidamente sorteados, eis alguns aqui:



 Esse é o nosso mobilizador de palmas oficial....kkkk






E se você não achou a sua foto aqui, não se preocupe. Você pode achar elas no grupo do evento no Facebook.


E essa foi a camisa da discórdia, quem foi sorteada primeiro para ganhar essa fofura, fui EU. TT.TT. Mas, como eu já tinha ganhado um no sorteio um calendário e botton, foi feito um novo sorteio e na hora da entrega foi isso aí que aconteceu...kkkk...tadinha, a ganhadora deve ter ficado assustada...kkkk...melhor foto ever.

Então esperamos que vocês tenham gostado do evento, e do post também, logicamente..kkk...beijos e até a próxima.


Um mega abraço pai d'égua!

sexta-feira, março 27, 2015

Eu Li: Fingindo - Perdendo-me #2 - Cora Carmack


Título:
Fingindo
Autora:
Cora Carmack
Editora:
Novo Conceito
Onde Comprar:
Submarino | Saraiva | FNAC

Meu nome é Cade Winston. Aluno de mestrado em belas-artes, voluntário, abraçador de mães e seu namorado pelas próximas vinte e quatro horas. Prazer em conhecê-la.
Com seus cabelos cloridos, tatuagens e um namorado que combina com tudo isso, Max tem exatamente o estilo que seus pais mais desprezam... E eles nem sonham que a filha vive assim.
Ela fica em apuros quando seus pais a visitam na faculdade e exigem conhecer o futuro genro. A solução que Max encontra para não ser desmascarada é pedir para um desconhecido se passar por seu namorado.
Para Cade, a proposta veio em boa hora: é a chance que ele esperava para acabar com a sua fama de bom moço, que até hoje só serviu para atrapalhar sua vida.
Um faz de conta com data marcada para terminar... E um casal por quem a gente vai adorar torcer. Fingindo vai seduzir você.

Preciso começar constando que me surpreendi por gostar TANTO desse livro. “Perdendo-me” foi fofo, então estava esperando aqui algo também fofo e leve, mas Cora Camarck deu uma intensidade tão boa nesse livro 2, que fiquei encantada.

“Fingindo” não é exatamente a continuação de “Perdendo-me”. Esse livro está mais para spin-off e o ultimo spin off com personagem rejeitado que li se tornou a minha série favorita (oi, Bloodlines). Este é um dos lançamentos da Editora Novo Conceito deste mês e, acreditem: que maravilha de livro!

Conhecemos Cade Winston em “Perdendo-me”. Ele é o melhor amigo de Bliss e era apaixonado por ela, porém não havia competição. O coração de Bliss estava completamente envolvido com Garrick e Cade teve que aceitar que esse amor não era para ser.

Obviamente que não é fácil.

Sendo assim, Cade decide se afastar. Cuidar de sua carreira como ator enquanto faz o mestrado em Belas Artes é uma prioridade... até que o destino se interpõe.

Max é uma mulher que exala intensidade. Com seus cabelos coloridos, suas tatuagens e sua postura, ela passa uma confiança incrível... quando o assunto não são os seus pais. Ela trabalha em um estúdio de tatuagem e é dançarina em uma casa noturna e seus pais nem sonham com isso, e Max vai fazer de tudo para mantê-los na ignorância.

Então quando eles a avisam de surpresa que estão na cidade e que vão vê-la em 5 minutos, ela dá um jeito de se livrar de seu namorado com aparência de bad boy e precisa conseguir um pretendente com cara de adorável para impressionar seus pais. E quem melhor do que um ator para interpretar esse papel?

Cade e Max se provocam, flertam, se estressam, no entanto algo definitivamente os tiram de seus comodismos. A atração é inegável, mas eles são um casal improvável. Eles não combinam, sabe. Mas o amor não se importa com rótulos ou estereótipos e a história desses dois vai tocar vários corações. (O meu já foi.)

O enredo é bem simples se visto superficialmente, mas a bagagem desses personagens deixa essa história intensa de uma forma deliciosa. Cade está com o coração partido e Max tem vários conflitos sérios que precisam ser resolvidos e, meio que indiretamente e sem querer, eles vão ajudar um ao outro a superar seus medos.

“Vou lembrá-la todos os dias de como é bom ter seu corpo no meu. Vou lembrá-la todos os dias dos bons tempos e vou ajudá-la a esquecer o que foi ruim. Vou lembrá-la de quem você é quando a vida colocá-la pra baixo e fazê-la duvidar. Vou aparecer na sua porta no meio da noite e beijá-la até que você se lembre de que seus medos são apenas medos e que eles não vão controlar você. Vou apostar contra o seu coração inconstante se ele for meu.”
A narrativa é em primeira pessoa e alternada entre a perspectiva de Cade e Max. É lindo ver como um enxerga o outro, mas o que se expressa é: Ele, o garoto de ouro. Ela, a menina furiosa.

Suas personalidades são tão marcantes e é muito legal vê-los sendo destrinchados no decorrer da história. Os diálogos são adoráveis e engraçados, sim, mas no avançar do livro percebemos a carga que ambos carregam e os vemos com olhos mais compreensíveis, mesmo que o envolvimento entre eles tenha sido rápido demais. Cada um tem algo que o outro nunca procurou, mas agora que foi encontrado faria parte deles e seria terrível se fosse arrancado.

“Fingindo” é um livro fabuloso que oferece algo mais que um romance leve e divertido. Ele dá ao leitor um sentimento agridoce de perda e coração partido, mas também esperança no amor. (Ain, fui tão viadhênha mas foi o que senti! Juro!)

A Editora Novo Conceito ainda vai lançar um outro spin off no universo de “Perdendo-me” e se o terceiro livro for tão bom quanto “Fingindo”, podem lançar amanhã que já quero!

Fernanda Karen Estudante de Serviço Social com o coração no curso de Letras. Apaixonada por séries, dramas e café. Bookaholic  irrecuperável e promíscua literária. Eventualmente estou trocando um de meus rins por livros muito desejados. (Qualquer coisa é só entrar em contato). Amo YA, ficção-fantasia, clássicos (brasileiros, portugueses, ingleses, latinos etc), chick-lits... Perceberam que meu preconceito literário é zero? Ops, quase zero; não leio auto-ajuda.

Eu Li: Perdendo-me - Cora Carmack


Título:
Perdendo-me
Autora:
Cora Carmack
Editora:
Novo Conceito
Onde Comprar:
Submarino | Saraiva | FNAC

VIRGINDADE. Bliss Edwards vai se formar na faculdade e ainda tem a sua. Chateada por ser a única virgem da turma, ela decide que o único jeito de lidar com o problema é perdê-lo da maneira mais rápida e simples possível com uma noite de sexo casual.
Tudo se complica quando, usando a mais esfarrapada das desculpas, ela abandona um cara charmosíssimo em sua própria cama. Como se isso não fosse suficientemente embaraçoso, Bliss chega à faculdade para a primeira aula do último semestre e... adivinhe quem ela encontra?

“Perdendo-me” é um daqueles livros gostosos e rápidos de se ler que nos deixa meio HEHEHEHEHE. E todos nós sabemos que os sentimentos HEHEHEHEHE precisam ser devidamente respeitados! Cora Carmack tem uma narrativa leve e fácil que encanta e o enredo é no mínimo... curioso.

Bliss é uma garota centrada que está prestes a se formar na faculdade de teatro. Sua vida segue uma rotina normal e segura, mas há algo que a tira de sua zona de conforto: sua virgindade. Não que isso seja de fato um problema, claro, mas Bliss quer expandir seus horizontes e sexo é um dos pontos que ela quer desvendar.

Acontece que Bliss tem medo. Ela queria simplesmente acordar um dia sem ser virgem mas sem precisar fazer sexo. (Sério, ela cita isso.) Seus fluxos de consciência são OS MELHORES EVER! Ela parece tão normal em sua loucura interna (todos nós somos, confessem) que isso a faz mais real e gosto muito disso.

Enfim, voltando ao ponto. Sua amiga, Kelsey, convence Bliss a ir em uma balada para tentar “resolver o problema” e lá ela conhece um cara lindo, lendo um livro de Shakespeare (isso mesmo, em uma balada) e, como se não bastasse o absurdo da maravilha, o homi tem sotaque britânico.

Óh God, os céus dos livros tem as melhores soluções para romances.

Bem, o fato é que, mesmo com os amassos calientes, Bliss arregou. Isso mesmo, queridos amigos, a mulher não liberou. Motivações existiam aos montes, claro. A primeira é que o cara, por mais lindo que fosse, era um estranho. Segundo: ela não estava realmente preparada e não se forçou a isso. Ponto. Com a desculpa mais ridícula do universo, ela saiu correndo e deixou o supracitado britânico-delícia na mão. (Se foi literal, a autora não expôs, mas enfim.)

Com qual surpresa maravilhosa é que Bliss descobre, no dia seguinte, que o britânico-tesudo é o seu novo professor do semestre. E quão estranho e constrangedor é que ela se vê enredada em um amor proibido com seu mestre.

Gente, essa história é muito fofa e engraçada!

Garrick não é tão mais velho do que Bliss então, teoricamente, esse envolvimento só seria eticamente errado e, grazaDeus, não juridicamente.

O livro é narrado em primeira pessoa, da perspectiva de Bliss que é uma personagem de personalidade leve que cresce na história a medida que suas inseguranças vão sendo superadas. E isso nada tem a ver com sua virgindade. Garrick desperta sentimentos que ela não conhecia e isso a faz se exibir de forma diferente para o mundo. É interessante como essa paixão reflete em sua atuação e lhe dá segurança. Garrick é maravilhoso, como todo o cara de romance tem que ser. Ele beira a perfeição e isso é bom e ruim porque dá a ele uma leveza irreal.

Existem outros personagens importantíssimos e adoráveis que serão abordados de forma mais complexa, como Cade; o melhor amigo apaixonado e rejeitado e Kelsey, a amiga livre, firme e louca. Suas histórias serão contadas em livros específicos e já adianto que “Fingindo”, o livro de Cade, é MARAVILHOSO! (Resenha muito em breve.)

“Perdendo-me” é um livro que, talvez, passe uma impressão errada pelo seu título e pela sua proposta mas, acreditem, não tem nada de pesado ou imoral. É um livro levíssimo e muito amorzinho que alegraria a vida de qualquer leitor que curte romance. É um clichê tão bom, sabe.

Leiam logo e dividam suas opiniões comigo nos comentários.

HEHEHE

Fernanda Karen Estudante de Serviço Social com o coração no curso de Letras. Apaixonada por séries, dramas e café. Bookaholic  irrecuperável e promíscua literária. Eventualmente estou trocando um de meus rins por livros muito desejados. (Qualquer coisa é só entrar em contato). Amo YA, ficção-fantasia, clássicos (brasileiros, portugueses, ingleses, latinos etc), chick-lits... Perceberam que meu preconceito literário é zero? Ops, quase zero; não leio auto-ajuda.

quinta-feira, março 26, 2015

Eu Li: Amante Finalmente - J R Ward



 Título:
Amante Finalmente
Autora:
J R Ward
Editora:
 Universo dos Livros
Onde Comprar:
Submarino | Fnac | Saraiva

 Qhuinn está acostumado à solidão. Repudiado por sua linhagem e evitado pela aristocracia, ele finalmente encontrou uma identidade como um dos lutadores mais brutais na guerra contra a Sociedade Redutora. Mas sua vida não está completa. Mesmo que a perspectiva de ter uma família esteja ao seu alcance, ele está vazio por dentro, com o coração entregue a outra pessoa....

Blay, depois de anos de amor não correspondido, acredita já ter superado Qhuinn. E já era hora: o homem parece ter encontrado o seu par ideal em uma fêmea Escolhida, e eles terão um filho, exatamente como Qhuinn sempre quis. O destino parece ter levado a vida desses vampiros soldados em direções diferentes...

Mas a batalha pela liderança da raça se intensifica, e os novos jogadores na cena de Caldwell estão criando um perigo mortal para a Irmandade. Qhuinn finalmente descobre a verdadeira defini-ção de coragem, e os dois corações que estão destinados a ficar juntos... finalmente se tornam um.



Hello amados!

Mega alerta inicial: preparem-se para spoilers porque esse livro faz parte de uma série de livros, e esse é o penúltimo livro lançado. Depois não digam que não avisei!

Leitores vorazes também vos alerto para o drama, as novas abordagens, o desapego a personagens, e um novo fundo para a história que estou para resenhar. Isso também é um alerta!

O livro de hoje conta FINALMENTE o desenrolar dos personagens Quinn e Blaylock. Os dois são novatos na irmandade da adaga negra, pois para se tornar um Irmão da Adaga Negra, você precisa ser filho de um, ou ser filho de uma escolhida, e apesar de eles atualmente serem poucos: Wrath (que também é o rei deles), Rhage, Zsadist, Phury, Vishous, Butch e o Thor, há aqueles que dão suporte a eles, mas não possuem o título, tais como: Rhev (que é um apanhador de pecados e o rei deles), A Xhex (que é a shellan do Jhon Mattew e eu não lembro se ele é um irmão da adaga agora, pois ele é meio irmão da rainha Beth, e filho do Dharius, um irmão que morreu que é o pai da rainha), a Payne (que é a irmã gêmea de Vishous), Ian um vampi sombra (que é tipo uma outra tribo de vampis) e o irmão dele Trez. Fora esses guerreiros, também temos a presença marcante do amante de Blaylock, o primo de Quinn chamado Saxton.

Ok, um parágrafo enorme para elencar todos os personagens que aparecem nesse livro. E esses são só os mocinhos. E nem citei as Shellans e os Hell de ninguém para não embolar as informações aí na sua linda cabecinha.

Ainda tem os personagens em cima do muro, tipo do nada surgiu o Assail e a Sola, um vampiro traficante que comanda Caldwell após a morte forjada de Revh, e uma super ladra humana. No início fiquei me perguntando WHAT THE HELL? Tipo, o que eles estão fazendo na história? Cairam de paraquedas no meio do drama, mas até o final do livro já estava torcendo por eles. 

E os BAD GUYS dessa vez não são a sociedade redutora, humanos LITERALMENTE sem corações, e sim o Bando de Bastardos, liderados por Xcor, um cara cheio de traumas, e com muitos motivos para esses traumas, que está ensandecido para pegar o trono de Wrath para si, após ter chegado do velho mundo (que a autora nunca diz onde é!) junto com seus 4 ou 5 comparsas. E como se as coisas na cidade já não estivessem bem tensas, ainda temos os dramas dentro do quartel-general.

Devo dizer que por certo me surpreendi com a quantidade de dramas e desentendimentos entre o Quinn e o Blay, pensei que por ser um casal de lindos, sexys, e guerreiros eles fossem ser menos dramáticos para ficar juntos. 

Mais objetivos sobre eles se quererem e tals...mais errada eu não poderia estar. TT.TT Como disse, o Blay está em um relacionamento sério com o Saxton, por mais de um ano, quando o primeiro cansou de ser esnobado pelo Quinn.

A vida de Quinn só poderia ser descrita como digna de um roteiro de novela mexicana, ele quer ser pai, não admite ser bissexual, se morde todo ao ver o Blay, fica vira e mexe salvando os irmãos de umas encrencas bem feias, e ainda tem que lembrar de respirar e as notícias para ele não param por aí... lógico que não posso contar o que mais acontece pois é spoiler bafão, mais acho que vocês entenderam o X da questão.

O Blay fica só assistindo pelos cantos os altos e baixos de Quinn, e ainda por cima, ele leva um pé na bunda. #TADINHO. A sorte dele é que ele tem pais incríveis, e quando os mesmos descobriram que o mesmo era gay, ele não foi recriminado, e recebeu todo o carinho e amor de seus pais.

O livro no todo tem muitos altos e baixos, e você vai se apaixonando, opss...quiz dizer conhecendo os outros personagens adjacentes da história também. O Blay é um Lord, um cavalheiro nato. E o Quinn é um palito de fósforo que perde rápido a cabeça, e herói no cavalo-branco nas horas vagas. Então quem você acha que vai salvar quem nesse romance? kkkk...

Os dois fingindo que não tava rolando nada no livro todo para os outros irmãos foi hilário, como se eles todos já não soubessem.

O que posso dizer sobre o romance dos dois é que quando eles deixam de pensar no porque de não ficarem juntos eles podem em um momento de ´´carinho`` destruir uma sala. O romance deles é como uma montanha-russa, pegando fogo nos trilhos, e devo admitir que quando o Quinn decide uma coisa ele faz em grande estilo. Eu super me surpreendi com um mega sorriso no final do livro.

Como disse a um amigo certa vez, este é o primeiro romance que leio que o casal em questão é formado por dois caras tão HOOOOOOOOOOOOT e só tenho a relatar que o livro é muito bom, e que esses dois ainda vão dar trabalho...kkkkkkkkkkk...

Fica a dica, e um mega abraço de urso!



quarta-feira, março 25, 2015

Eu Li: A Rainha Normanda - Patricia Bracewll


Título:
A Rainha Normanda
Autora:
Patricia Bracewell
Editora:
Arqueiro
Onde Comprar:
Submarino | Saraiva | FNAC

Em 1002, Emma da Normandia, uma nobre de apenas 15 anos, atravessa o Mar Estreito para se casar. O homem destinado a ser seu marido é o poderoso rei da Inglaterra, Æthelred II, muito mais velho que ela e já pai de vários filhos. A primeira vez que ela o vê é à porta da catedral, no dia da cerimônia.
Assim, de uma hora para outra, Emma se torna parte de uma corte traiçoeira, presa a um marido temperamental e bruto, que não confia nela. Além disso, está cercada de enteados que se ressentem de sua presença e é obrigada a lidar com uma rival muito envolvente que cobiça tanto seu marido quanto sua coroa.
Determinada a vencer seus adversários, Emma forja alianças com pessoas influentes na corte e conquista a afeição do povo inglês. Mas o despertar de seu amor por um homem que não é seu marido e a iminente ameaça de uma invasão viking colocam em perigo sua posição como rainha e sua própria vida.
Baseado em acontecimentos reais registrados na Crônica Anglo-saxã, A rainha normanda conduz o leitor por um período histórico fascinante e esquecido, no qual fantasmas vigiam os salões do poder, a mão de Deus está presente em cada ação e a morte é uma ameaça sempre à espreita.
Governando na época compreendida entre o rei Artur e a rainha Elisabeth I, a rainha Emma é uma heroína inesquecível cuja luta para encontrar seu lugar no mundo continua fascinante até hoje.


“A Rainha Normanda” é interessante por vários motivos. Primeiro: a história é baseada em fatos históricos. Claro que há muito de ficção no enredo, mas a rainha Emma da Normanda de fato existiu e foi grande em seu tempo. Segundo: a história tem fragmentos diretos de crônicas Anglo-Saxãs. Ou seja, tem mais que teor histórico; tem crenças intrínsecas à história que podem não ser exatamente verdade, mas ainda assim dá uma veracidade que me entusiasma muito.

O romance histórico vai tratar da vida de Emma, que era irmã de um duque Normando que foi enviada para casar com o rei da Inglaterra em 1002 d.C. Como vocês podem imaginar, caros leitores, naquela época tudo era feito através de tratos políticos e Emma foi uma peça importante para o jogo de seu irmão e de Ethelred, o rei da Inglaterra. No entanto, Emma recusou-se a ser uma peça a ser manejada de forma submissa. Ela era sagaz e inteligente demais para isso.

Observando tudo ao seu redor, Emma tratou de conseguir aliados, de conquistar o povo e de se manter, de alguma forma, a par do que se passava de relevante ao seu redor. Não eram apenas as intrigas políticas que a envolviam em seu novo papel de rainha. Também havia a iminente ameaça dinamarquesa; um povo selvagem que pilhava e matava a quem alcançasse. E a Inglaterra estava sob constante ataque de tal perigo.

O casamento de Emma teve um papel imprescindível para tentar afastar os dinamarqueses da Inglaterra, mas o rei Ethelred era um homem atormentado por fantasmas que vivia com medo de ser apunhalado. E o medo, amigos, ele é um ótimo estimulo para se fazer besteira. Sua crueldade com Emma é digna de nota, mesmo que seja por motivações de tormentos internos.

Paralelo a todos esses conflitos, Emma se vê encantada pelo filho mais velho do rei, Athelstan. Historicamente, não há nada que indique que existiu uma relação entre eles, mas o herdeiro do rei teria uma idade próxima de Emma e, aparentemente, foi tentador demais para a autora não abordar um romance impossível (obg, Deus!).

O livro é narrado em 3ª pessoa e existem várias perspectivas de personagens importantes na trama. Gostei muito da forma que a autora narra a história, dando ao leitor uma percepção mais ampla sobre as contentas que, acreditem, são muitas. No entanto, acredito que muitos dos conflitos, principalmente políticos, ficaram de fora desse livro.

Serão três livros contanto a história de Emma da Normanda e esse primeiro teve um tom bem introdutório. Por ser um livro histórico, a violência era bem mais expressiva naquela época e a autora não poupa o leitor, o que é ótimo para dar consistência à história, mas não deixa de ser triste para mim (veadhênha feelings).

Para quem gosta de romance histórico, “A Rainha Normanda” é uma opção incrível de leitura. Leio poucos romances históricos, mas depois de pegar uma história dessas, penso em rever seriamente meus conceitos.

A Editora Arqueiro trouxe uma edição bonita e alterou bastante na tradução. Particularmente, acho o título original (Shadow on the Crown) bem mais atraente (ficaria algo como Coroa de Sombras e wow, seria TÃO propício!). O segundo livro já saiu na gringa e chama “The Prince of Blood”. Percebem? Tem príncipe e sangue! Tudo indica que será imperdível! (Vamos ver o que os nossos tradutores farão com o titulo nacional. Espero que não me decepcionem.)

Estou muito ansiosa para saber mais da vida de Emma da Normandia e em breve voltaremos falar sobre ela.

E vocês, conhecem? Querem conhecer? Comentem!

Leiam!
Fernanda Karen Estudante de Serviço Social com o coração no curso de Letras. Apaixonada por séries, dramas e café. Bookaholic  irrecuperável e promíscua literária. Eventualmente estou trocando um de meus rins por livros muito desejados. (Qualquer coisa é só entrar em contato). Amo YA, ficção-fantasia, clássicos (brasileiros, portugueses, ingleses, latinos etc), chick-lits... Perceberam que meu preconceito literário é zero? Ops, quase zero; não leio auto-ajuda

sábado, março 21, 2015

Eu Li: Para Sir. Phillip, Com Amor - Julia Quinn


Título:
Para Sir. Phillip, Com Amor.
Autora:
Julia Quinn
Editora:
Arqueiro
Onde Comprar:
Submarino | Fnac | Saraiva

Eloise Bridgerton é uma jovem simpática e extrovertida, cuja forma preferida de comunicação sempre foram as cartas, nas quais sua personalidade se torna ainda mais cativante.
Quando uma prima distante morre, ela decide escrever para o viúvo e oferecer as condolências. Ao ser surpreendido por um gesto tão amável vindo de uma desconhecida, Sir Phillip resolve retribuir a atenção e responder.
Assim, os dois começam uma instigante troca de correspondências. Ele logo descobre que Eloise, além de uma solteirona que nunca encontrou o par perfeito, é uma confidente de rara inteligência. E ela fica sabendo que Sir Phillip é um cavalheiro honrado que quer encontrar uma esposa para ajudá-lo na criação de seus dois filhos órfãos.
Após alguns meses, uma das cartas traz uma proposta peculiar: o que Eloise acharia de passar uma temporada com Sir Phillip para os dois se conhecerem melhor e, caso se deem bem, pensarem em se casar? Ela aceita o convite, mas em pouco tempo eles se dão conta de que, ao vivo, não são bem como imaginaram. Ela é voluntariosa e não para de falar, e ele é temperamental e rude, com um comportamento bem diferente dos homens da alta sociedade londrina.
Apesar disso, nos raros momentos em que Eloise fecha a boca, Phillip só pensa em beijá-la. E cada vez que ele sorri, o resto do mundo desaparece e ela só quer se jogar em seus braços. Agora os dois precisam descobrir se, mesmo com todas as suas imperfeições, foram feitos um para o outro.


Hello amados!

Que livros vos rodeiam ultimamente? Espero que algo bem intrigante! Para despertar ainda mais essas mentes bookaholics insaciáveis.

Bem, o livro que anda atiçando os meus nervos ultimamente (ou pelo menos nas últimas 24 horas, que foi o tempo em que ele foi lido) é um desses meus amados romances de época! Recentemente escrevi uma resenha me despedindo de um dos clãs que tomam espaço na minha prateleira de romances do gênero. Sim, sou dessas que tem uma prateleira por gênero.

No entanto, hoje vim falar de mais um desses lançamentos da Arqueiro de tirar o fôlego. Sim, queridos iremos mergulhar mais uma vez nas aventuras e desventuras em séries do nosso querido clã Brigdgerton, só que dessa vez vamos embarcar na história da incalculada (por vezes, chata) e impulsiva Eloise Brigdgerton.

Na minha última resenha dessa série, onde contei a história linda de Penélope e Colin, acredito ter contado para vocês o meu descontentamento para com a descoberta de que a Francesca já está casada há anos no livro. No mínimo esperava que esse livro "Para Sir. Phillip, com amor" fosse o livro que me revelasse o que aconteceu com a Francesca, mas a diva Julia Quinn ainda procrastinou a história de novo. Mas o próximo livro mata essa charada!

Já disse a vocês o quanto eu adoro (coloque aqui um tom bem  incisivo de ironia!!) quando os autores pulam uma das histórias que deveriam ser sequenciadas? Pow, se é uma pessoa com T.O.C (ou bem sistemáticas, como eu!) que está lendo essa série, no mínimo ela teria uma crise leve, devido a quebra da sistemática!

Devo dizer que não fui com a cara da personagem principal, a Eloisa, porque achei ela impulsiva ao extremo! E isso às vezes pode fazer a gente se meter em confusão. Que foi o caso dela. Uma mega confusão, com direito a fuga, mistérios, brigas, surpresas, quatro irmãos irados e um balde de trigo na cabeça, e de quebra ainda um galo!

Eloisa é uma daquelas pessoas que um dia já esbarramos ou mesmo conhecemos, que adora estar certa de tudo, ganhar altas discussões, que se te dá um conselho, que você não segue, ainda vai bem na sua cara e fala um belo, irritante e sonoro: "eu te avisei!". Argh, ela é irritante! Ela odeia o silêncio...não consegue ficar sem falar, e ainda fala rápido.

Mas como em tudo na vida, ela não tem SÓ defeitos. Ela também possui qualidades, como a alta tolerância de algumas coisas e pessoas. Ela definitivamente tem pulso com crianças, mas, depois de passar tanto tempo com seus sobrinhos, ela tinha que ter pulso mesmo. Ela gosta de ler e escrever bastante. E ela não tem o habito de julgar as pessoas. Apesar de ela ser constantemente julgada, ela é destemida.

A história dela começa quando ela foi destemida a ponto de mandar condolências a um estranho. Bem, ele é o viúvo de sua prima, mas tendo em vista que eles nunca se viram isso torna ele um estranho. E durante um ano eles vem se correspondendo arduamente, e de repente ela recebe a noticia bombástica de que sua fiel escudeira e parceira de solteirice Penélope, se casou, nada mais nada menos que com seu irmão Colin.

E  ela começa a entrar em pânico quando começa a rever seus planos e se descobre com 28 anos e correndo o risco de se tornar uma solteirona sozinha. E por causa desse pânico ela resolve pessoalmente ir responder a carta se Sir Phillip, onde ele propõe que se conheçam e descubram se podem considerar um ao outro como um parceiro matrimonial. Só acho que para responder a ele, ela não precisava FUGIR de casa no meio do baile da irmã, sem deixar nenhum bilhete explicando a situação.

O Sir Phillip coitado, vivendo a vida vampiresca dele, sim, numa casa obscura, onde ninguém vai visitar e ele passa a ser visto como taciturno e insociável, escondendo um grande segredo de todos sobre a morte de Marina, sua falecida esposa e prima de Eloisa. Se encontra em um dia daqueles, surpreendido com a ilustre visita de uma completa, encantadora e atraente estranha, que alega ter sido convidada.

Eloisa se depara com um homem que nada tinha a ver com as cartas que ela recebia. Um homem que apesar do título, tinha o campo em todos os seus traços robustos, e de alguma forma misteriosa fazia a combinação se tornar muito sexy. E ainda por cima ele era botânico.

Só o fato dela ter fugido de casa, já era automaticamente, e querendo ela ou não, a resposta a proposta de Sir Phillip. Para a época ela ficaria com sua reputação marcada por isso. Então em uma bela manhã de sábado ela se viu casada, com um homem que lhe dava muitas dúvidas, e que ainda tinha duas pequenas incumbências para ela. Ser sua mulher e tomar conta de tudo, e ser mãe para os filhos GÊMEOS dele que são altamente intratáveis.

A história deles mostra como o amor pode ser construído praticamente do nada. Juntamente com a confiança.

No todo eu achei a história legal, mas acho que eu esperava mais, ou a Eloisa me chateou demais.

Então, um mega abraço de urso, e fica a dica!

sexta-feira, março 20, 2015

[Resultado] Top Comentarista Jan/Fev + Eu Fico Loko e Diário de Um Adolescente Apaixonado

FINALMENTE! OS ANJOS GRITAM AMÉM!

Nem vou pedir desculpas..okay, vou pedir sim:mil desculpas! Nem vou lembrá-los o quanto a vida é corrida e o quanto as vezes ela me derrota, mas okay, vamos ao que interessa.


~> Top Comentarista Janeiro/Fevereiro



Parabéns Aymée! Você ganhou um exemplar de Cidade do Fogo Celestial e um exemplar autografado de Princesa Adormecida! Envie seus dados até sábado para o e-mail garotapaidegua@hotmail.com :)


~> Exemplares autografados de Eu Fico Loko e Diário de Um Adolescente Apaixonado


Parabéns Vanessa! Nós autografaremos os livros para você :) Envie seus dados para o e-mail garotapaidegua@hotmail.com até  sábado, sem falta! 


Em breve mais promoções! Até! 

segunda-feira, março 16, 2015

Eu Li: Nua - O caso Blackstone #1 - Raine Miller


Título:
Nua
Autora:
Raine Miller
Editora:
Suma de letras
Onde comprar:
Submarino | Fanc | Saraiva

Quando o bem-sucedido empresário Ethan Blackstone compra um retrato de Brynne Bennett, ele quer possuir mais do que uma imagem emoldurada: ele a quer nua em sua cama. Depois de uma experiência traumática, a modelo americana deixou tudo pra trás em busca de um recomeço. Está fazendo pós-graduação na Universidade de Londres e, para se sustentar, faz ensaios fotográficos de nus artísticos. Bem longe de casa, tenta colocar a vida nos eixos, mas a aproximação de Blackstone vai abalar o equilíbrio recém-conquistado. Aos poucos a jovem vai se deixando seduzir, até que não consegue mais resistir ao charme do inglês. No início, é a natureza dominadora de Ethan que a atrai. O que ela não sabe é se o desejo que sentem irá despertar ou dissipar os demônios que carrega dentro de si. Ethan poderá apagar as cicatrizes de Brynne para que ela possa se entregar verdadeiramente a ele? Ou será que as sombras do passado de Ethan vão destruir a chance de serem felizes?

Hello amados. Como estamos? 

Chutei a procrastinação na bunda e dei um caldo verde para a minha ressaca literária, e cá estamos nós com mais uma resenha quentinha. Um dia desses estava traçando planos e novidades com a chefinha do blog e no meio do bate papo, acabei revelando a ela, e agora a vocês um dos meus planos para a bienal internacional do livro deste ano.

Se eu tiver suporte para a cobertura do blog este ano no evento, pretendo fazer um tour especial no estande das editoras não tão em evidência assim. Adoro descobrir novos escritores e livros por aí...e ultimamente venho me surpreendendo com algumas descobertas. Que é o caso de hoje!

Em um dos meus surtos consumistas no site da amazon.com precisava fechar uma cota para não pagar o frete (geralmente absurdo, para enviarem à Belém) dos livros. E sobre essa pressão descobri o livro: Nua.

Quando li a sinopse do livro, absolutamente, duas coisas me fizeram compra-lo: o personagem masculino principal é um Britânico (gente, não sei vocês, mas para mim tudo neles é charmoso) e o ambiente que se passa a história do livro é MESMO a terra da rainha, com direito a clima pesado e arquitetura rebuscada.

É um romance rápido, sinto informar para alguns leitores que ele é SIM uma série, ou um trio, já que até agora só achei três dos livros descritos como "O caso Blackstone". A capa do livro me fez julgar meio que indevidamente o livro, pensei que fosse mais um desses romances 50 vezes mais batidos do que outra coisa. Se é que você me entende! 

A surpresa da história também está presente em como ela nasceu. A autora Raine escreve uma carta de agradecimento no final do livro, contando que ela, certa vez,  estava procurando fotos para a capa de outro livro e achou a foto da capa desse, ela ficou tão encantada pela foto, sensualizada mais não vulgar, que na hora ela teve a ideia para a história desse livro. Dá para imaginar? Eu fiquei chocada!


É um romance escrito sobre uma trama de suspense, mentiras políticas e mistérios. Nesse primeiro livro, pequenas picadas de abelha revelam muito pouco sobre o que aconteceu a 5 anos atrás para impactar tanto na vida de alguns personagens.

Então, temos a personagem feminina principal, chamada Brynne, que me fez rir horrores por causa do nome dela, que constantemente eu inconscientemente trocava no meio da leitura para Bianne (que é o nome da minha chefa no blog) kkk...aí ficava pensando, cara elas não tem nada haver, mas fica bem mais fácil a pronuncia Bianne do que Brynne. A dita Bry, é uma americana que vive a sua vida segundo a sua cabeça, ela vive na Inglaterra por causa do seu curso de história da arte, com especialização em restauração de peças e quadros. Achei muito legal a linha de estudo que a autora escolheu, combina bem com o ambiente.

A Bry às vezes faz uns bicos possando como modelo para alguns fotógrafos, para ajudar a pagar as contas. Um desses trabalhos é a capa do livro...rsrsrs..e a nossa história começa durante a exposição fotográfica onde ela, e o fotografo ficam babando por um alto, moreno, imponente, de olhos prateados e de cavanhaque. Eeeeeee inglês!!!!

Entre comentários hilários sobre a vida quase celibatária de Bry e o os estragos (mais que bem vindos) que aquele cavanhaque poderia fazer a uma pele. Bry, se vê desejando o misterioso homem, e contrariando totalmente os conselhos do fotografo, sai da galeria em rumo a sua casa. Fora da galeria cogitando entre andar de solto agulha até o metrô ou pegar um taxi, ela é abordada por pelo charmoso de cavanhaque da galeria, que lhe oferece carona. Detalhe: ele já sabia o nome dela.

Particularmente não teria entrado no carro alheio sem conhecer BEM a pessoa. E apesar de lindo, eu suponho que acharia um tanto inquietante ele já saber o meu nome. Mas se assim o fosse, e a Bry, desse uma de Anne, não teríamos história. Ponto para a autora!

Ethan Blackstone é o bem sucedido dono de uma empresa multinacional de segurança, ex- forças especiais britânicas, o cara bem que poderia ser considerado um 007, tem clientes políticos muito influentes e está com a agenda lotada devido a aproximação das olimpíadas, e em meio a um serviço, ele acaba conhecendo Bryanne, que passa a ser a prioridade numero um de sua enrolada vida de negócios. 

Vou logo avisando que além de charmoso, o cara é muito intenso e predominantemente possessivo. Como ele trabalha com esse questão de segurança ele sempre está no pé da Bry com relação a isso.

E assim eles vão levando o relacionamento deles, ele conhecendo ainda mais a Bry e ela fazendo concessões e intercedendo junto a ele com coisas que ele faz e ela não concorda. Os dois personagens tem personalidades dominantes e gostam do que fazem na vida, e ainda mais o que podem fazer juntos, se é que me entende.

Aos poucos Ethan vai percebendo que a Bry tem limites emocionais, aparentemente criados por algo que aconteceu em seu passado. E tenta aprender a lidar com eles, para ficar com a Bry.

A Bry vai descobrindo o que é viver um relacionamento com um mega empresário de 30 anos (ela, se me lembro deve ter uns 22 ou 23 anos) possessivo e louco por ela abertamente! E tudo vai bem,até ela descobrir em que ele anda trabalhando...e que eu não posso contar que é um PUTA spoiller.

Lógico que o livro tem coisas que eu fiquei...SÓ EM LIVRO ISSO ACONTECE MESMO... como por exemplo o fato do pai dela, nos E.U.A saber que ela faz bicos posando nua para fotógrafos ingleses, e achar tudo lindo e maravilhoso. Ou o fato do Ethan ir buscar a Bry na terapeuta e ele achar normal, não questionar e nem ficar curioso do porquê ela ir a terapeuta.

Mas não há livro perfeito, por mais que a gente AME o livro, sempre tem coisas que não gostamos, concordamos ou que só acontece em livros mesmo!

Mas enfim, espero que vocês tenham gostado da resenha, vou atrás do outro livro para saber qual é o mistério da Bry. 

Fica a dica, e até a próxima!



quinta-feira, março 12, 2015

Eu Li: Amante Renascido - J R Ward


Título:
Amante Renascido
Autora:
J R Ward
Editora:
Universo dos Livros
Onde Comprar:
Submarino | Fnac | Saraiva

Ao descobrir que sua amada está na verdade presa em um submundo frio e isolado, Tohr procura o anjo Lassiter na esperança de salvá-la. No entanto, quando Lassiter lhe diz que ele precisa aprender a amar outra fêmea para libertar sua antiga parceira, Tohr percebe que eles estão condenados para sempre.
Mas ele não esperava que uma mulher intrigante e sexy começasse a mexer com seus instintos adormecidos. Em meio a uma guerra violenta contra os redutores e um novo clã de vampiros competindo pelo trono do Rei Cego, Tohr divide-se entre o amor antigo e um futuro arrebatador. Será que ele se entregará a essa nova paixão e conseguirá libertar a todos?

Hello amados. Como estamos?

A resenha de hoje vai falar um pouco de uma história que tem vários elementos constituintes que particularmente adoro, tais como: Vampiros, romance, uma causa antiga de desavença, corpos sarados onde dá para lavar uma colcha de cama, no tanquinho dos vamps, perigo, suspense, eu já disse vampiros? e cenas hots!

Para quem não conhece, seja bem vindo ao mundo construido pela diva J. R. Ward, a cidade de Cadlwell onde de manhã a vida corre na mesma santa rotina, entre seres humanos normais como nós. Porém a noite, os humanos tem que ficar esperto porque eles não são os únicos que vagam pelas ruas escuras e imprevissíveis da cidade.

Nessas noites humanos, compartilham inconscientemente a cidade com seres milenares, dotados de uma força e charmes naturais dos seres miticos que eles são, Vampiros, mas não vampiros qualquer, uma força tarefa com uma missão sangrenta, proteger a sociedade vampira no país, e acabar com o projeto de vida dos redutores, estaremos falando hoje de um dos livros componentes da Irmandade Da Adaga Negra, ou IAN para os mais chegados a série.

Aviso aos navegantes: como essa resenha não se trata do primeiro livro da série, prepare-se, pois pode/vai conter spoillers. Segundo, é um romance hot, então se você não gosta do gênero, não diga que eu não avisei! 

Então, atualmente a série tem 13 livros, isso mesmo, nada mais, nada menos, que tudo isso e a lista só cresce, porque ela já fechou o arco de cada personagem, mas alguns personagens "APARENTEMENTE" ganharam um segundo livro, como os reis Revh e Wrath.

Recentemente, completei minha coleção de livros, e dei um pé na bunda da procrastinação, enfim começando a ler o livro a ser resenhado hoje. Recapitulando que nos livros anteriores o Thorment foi para uma caçada a redutores e no meio da caça os redutores mataram a "shellan" (leia aqui: femêa) que estava grávida de seu filho biologico. Nem preciso descrever a profundidade da dor dele, o tadinho virou um 'bicho vareta' de tão magro que ele ficou.

E quem andou lendo os anteriores TAMBEM sabe, ou vai lembrar agora, que ele não volta sozinho para o quartel general da irmandade, ele conta com a ajuda do sexy, lingua afiada, e despropositado anjo Lasher. Esse personagem caiu de paraquedas, ou de asas na história, e de inicio eu não entendi onde a autora queria chegar com esse cara viciado em tv e novelas mexicanas. Mas, nesse livro a gente descobre.

Em "Amante Renascido" Thor, descobre que a vida tem que continuar, e por mais que ele queira ser enterado com sua mulher, ele não pode. Só que aceitar a morte de entes queridos e continuar vivendo pode ser muito difícil. E Lasher dá uma intimação para Thor, sobre o futuro do espírito de sua shellan que o Irmão da Adaga não vai poder evitar, apesar de ficar enrolando para aceitar.

Basicamente o Lasher diz que ou ele volta a viver normalmente ou a alma de sua mulher não irá para o Fade (um termo que a autora usa para descrever o paraiso para os vamps) e que ela irá desaparecer no limbo, se ele não parar de prender ela a terra. 

Para quem já leu algum livro, sabe que a autora não fecha a história em um único foco. Em contrapartida a esse dilema que o Thor está, temos o dilema do John Mathews, que não sabe aceitar muito bem que se casou com uma mulher que luta guerra a fora tanto quanto ele. 

Xhex, a shellan de John, é uma mulher crecidinha e virada que não esta acostumada a ter que contar com o apoio tático ou emocional de ninguém. E ela vai descobrindo o quanto ela precisa do Hellren (a breviação é hell, que é o termo usado para companheiro, ou esposo!).

E como se já não fosse o bastante a mãe dela, aparece do nada para tentar uma aproximação, depois de ter abandonado ela (porque ela tinha BONS motivos)  logo após o nascimento. Essa mãe, N'one (que traduzindo séria uma palavra coloquial para ninguêm) apesar de ter nascido na aristocracia vampirica, se tornou subserviente e renegou tudo e a todos, seu nome, família, origem e sua imagem, ela praticamente usa uma burca.

O que a maioria das pessoas do quartel general não sabe é que Thor e N'one já se esbarraram por ai, e que vão ter que acertar algumas contas um com o outro. Então Tcharammmmm...eis que surge o casal primario do livro. Acompanhou? Não! Vamos lá: O Thor é pai adotivo do John que é casado com a Xhex que é filha da N'one que depois vai ser re-nomeada pelo Thor com o nome de Autumm, a estação favorita dele. #FECHOU ?

Admito que como o Thor não chamou a minha atenção nos livros anteriores, particularmente fiquei procrastinando para ler esse livro e então tive de parar a série, pois não gosto de pular livros. E depois que li esse livro, percebi que nem poderia entender o livro seguinte (AMANTE FINALMENTE) porque até o livro anterior os vilões da história eram os Redutores (humanos LITERALMENTE sem corações) e apartir do livro do Thor o "babado" é diferente!!! Eis que surgem os bastardos, um grupo MUITO pequeno de vampiros sem escrupulos que querem destronar o rei. Nesse caso o Wrat. Mas o Revh é praticamente um IAN, então tabém está na luta.

Então, no todo, gostei do livro. Teve um final aceitável, e uma história bem construida, digna de J R Ward. E passei a ver o Thor com outros olhos e a gostar do Lasher.

Fica a dica, espero que vocês tenham gostado, até a próxima resenha.

Um mega abraço de urso!

quarta-feira, março 11, 2015

Eu Li: Como Salvar Um Vampiro Apaixonado - Beth Fantaskey


Título:
Como Salvar Um Vampiro Apaixonado
Autora:
Beth Fantaskey
Editora:
Arqueiro
Onde Comprar:
Submarino | Fanc | Saraiva

Quando Jessica Packwood descobriu que era uma princesa vampira romena, sua pacata vida adolescente virou de pernas para o ar. Ela precisou fazer as pazes com seu passado e vencer muitos obstáculos para ficar com seu belo príncipe, Lucius Vladescu.

Depois de se casarem na Romênia, agora Jessica e Lucius devem unir os clãs mais poderosos dos vampiros e estabelecer a paz de uma vez por todas. Mas primeiro ela vai ter que convencer uma nação inteira de vampiros ardilosos de que tem plenas condições de se tornar rainha. O problema é que Jessica nem mesmo consegue pedir uma refeição decente aos empregados de seu castelo, quanto mais lidar com súditos mortos-vivos malignos que adorariam vê-la fracassar.

hello amadinhos! Uma mega dica que resolvi dar logo antes de você ler a resenha. SE você ainda não leu o primeiro livro, e pretende, essa resenha em si já é um spoiler bafão! Então, não diga que eu não avisei.

Cá estamos com mais uma das nossas inspiradoras resenhas, para acalantar nossos coraçõeszinhos sobre aquele livro para parar com o drama neoshakesperiano: ´´Ler ou não ler, eis a questão``.  

A pedida de hoje nada mais é do que a continuação enervante e cativante do livro: Como se livrar de um vampiro apaixonado``. Simmmmmmmmm, para quem não sabia ele tem uma continuação, assim como um daqueles livros que a gente chama de meio termo. O 1.1, que conta como foi o casamento dos personagens em questão, apesar de ter lido esse também, EU particularmente não tenho o habito de considerar ele como uma leitura obrigatória sobre a história. Mas o livro de hoje, considero uma continuação digna.

Para quem não conhece nada sobre a saga desses livros, lá vamos nós! 

Conta a história das aventuras e desventuras da Jessica Packwood, que na verdade é uma princesa vampira chamada Antanasia (é, esse nome é muito escro@#) e ela descobre esse mundo com a noticia mais bombástica possível. O noivo vampiro e sanguinário dela, vai atrás dela, para eles selarem o acordo a muito estipulado pelos seus pais, para enfim acabar com a guerra entre os clãs.

Então, nesse livro eles já estão casados, e a Jessi tem que aprender muitas coisas de sua nova pátria (e o piro de tudo é a língua), a Romênia, para conseguir driblar o conselho vampiresco que quer mais é que ela se lasque, e ainda querem matar o marido dela, o Lucius (lindo todo...arffffando!) Vladescu.

Nesse livro rola muita intriga, com direto a vampiros poderosos da oposição empalados e tudo. E um assassino morto de cretino que você pode odiar com gosto. 

Os capitulos (neste livro) são intercalados entre muitos personagens, quatro para ser exatos, Antanasia, Lúcius, Mindy e o surfista vampiro italiano matador geral (kkkk) e primo de lúcius, Ranieri.

Apesar de ser meio tensinho o enredo do livro, eu mais shipei o casal secundário do que outra coisa, pois teve uma hora que a jessi encheu o saco, duplamente. Eu até aceito que ela passe um tempo em negação e tal, quem não passaria ao saber que possivelmente o amor da sua eternidade pode morre, e tals, mais metade do livro, eu não aceito. Argh...tudo tem limite, até a paciência de um leitor.

Esse foi um dos motivos que me fez esperar ansiosamente os capítulos da Mindy ou do Ranieri. Eles além de mais divertidos, eram mais cheios de atitude e personalidade. E enquanto isso a jessi continuava em negação...kkk

A meta deles era manter o Lúcios vivo. Só isso! Não é uma tarefa tão difícil assim, você só precisa achar as provas, o assassino, o motivo e por e não antes que o Lúcios morre por falta de sangue. É pedir demais que a Jessi mantenha o foco? #SOQUENÂO

Um dos pontos forte do livro, foram as cartas trocadas entre os primos, uma mais hilária que a outra.

Então temos, dois casais, um real, e o outro coadjuvante, com seus dramas particulares, em meio a uma guerra vampiresca em que o mais político e guerreiro deles esta preso, incomunicável e quase em coma por ausência de sangue.

No todo eu adorei o livro, e espero sinceramente que a autora escreva um livro só para a Mindy como letal Ranieri.

Fica a dica.



terça-feira, março 10, 2015

Eu Li: Paixão Ao Entardecer - Os Hathaways #5 - Lisa Kleypas


Título:
Paixão ao Entardecer
Autora:
Lisa Kleypas
Editora:
Arqueiro
Onde Comprar:
Submarino | Saraiva | FNAC
 Submarino | Fnac | Saraiva

Mesmo sendo uma família nada tradicional, quase todos os irmãos Hathaways se casaram, até mesmo Leo, que era o mais avesso a essa ideia. Mas para a caçula Beatrix, parece não haver mais esperança.

Dona de um espírito livre, apaixonada por animais e pela natureza, Beatrix se sente muito mais à vontade ao ar livre do que em salões de baile. E, embora já tenha frequentado as temporadas londrinas e até feito algum sucesso entre os rapazes, nunca foi seriamente cortejada, tampouco se encantou por nenhum deles.

De volta como um aclamado herói de guerra, Phelan está determinado a se casar com a mulher que ama. Mas antes disso vai ter que descobrir quem ela é.
Hello pessoas adoradas. O que andamos lendo ultimamente? Alguma leitura para me indicar? Vocês já sabem os estilos de livros que estou acostumada a resenhar, então fiquem a vontade para indicar!

Bom, estou terminando com essa resenha mais uma de minhas séries de livros favoritas. Altamente chorosa estou com essa noticia. Simmmmm...Titia Kleypas está (aparentemente) fechando com chave de esmeralda a série inspirada nas paixões arrebatadoras dos nossos amados irmãos Hathaways. Depois de tantas emoções com cada maneira louca de se apaixonar mais um pouquinho, enfim chegamos ao livro de Bea!

Imaginei que o livro final, depois de tantas paixões e amores, séria o mais doce de todos os livros. Mais enganada não poderia estar, afinal para quem conhece a série sabe que a Beatrix é a mais diferente de todos os membros do clã. Ela prefere passar o seu tempo entre os animais do que entre os humanos, calma gente que não estamos aqui para falar de uma versão feminina do Tarzan.

Apesar de ter uma casa muito pitoresca e acolhedora na arvore, ela não vive lá, e os animais com que ela passa seu tempo, são animais que ela resgatou nas piores condições possíveis.  Para uma dama respeitável e em período de se casar no século 19 estes não são comportamentos muito habituais, para uma jovem lady.

Mas me diga o que essa família tem de habitual? Pois é!

Então a nossa heroína da vez, tem uma personalidade muito forte, dificilmente ela faz alguma coisa que não concorde. Ela é muito racional, mas muito da racionalidade de que ela é portadora, ela adquiriu nos livros de biologia e observando o comportamento dos animais, que na concepção dela, também pode ser empregado a certos comportamentos humanos.

Você pode pensar que se trata de um livro com um enredo muito clichê, eu também me enganei. A Bea, não vai se transformar em uma lady recatada até o fim do livro. Mas ela vai deixar aflorar um lado mais sensível dela, o lado meio mulher assim digamos.

Quando se encontra muito inclinada a responder uma carta que não é dela, para tentar salvar a vida e a mente de um certo soldado durante um guerra, ela acaba se encontrando entre uma troca de cartas frequentes que duram muito mais que um ano. Até que a mentira de ter que assinar o nome de outra pessoa se torna demais para ela.

Com o fim das cartas, o que mais poderia ter acontecido? Claro que nosso então condecorado e heroico capitão Phelan, retorna para a sua casa e sai a caça de sua futura noiva. Pois ele acredita só ter sobrevivido a guerra e aos seus temores noturnos pós guerra, por causa de uma jovem, linda e sensível lady a quem por correspondências entregou o seu coração.

Então esse livro vai mostrar como um mega herói de guerra e o menino dos olhos do país vai se tornar o louco perante a sociedade, de se casar com a mais bela e louca moça.

Particularmente achei o livro diferente dos demais, pois os outros irmãos tem uma tendência para a procrastinação e o drama, que a Bea não tem. Achei super hilária a forma incisiva que ela tem de se manter firme em suas decisões e jamais deixar para trás um animal/homem ferido física ou emocionalmente.

E diferentemente dos demais livros, esse é deverás mais feminista. Por que? Adivinha quem vai pedir a mão de quem nesse livro...kkkkkkkkkkkkk...rindo até agora dos argumentos usados nessa cena.

Então fica a dica...e um mega abraço de urso!


Submarino | Saraiva | FNAC
Submarino | Saraiva | FNAC
Submarino | Saraiva | FNAC
Submarino | Saraiva | FNAC
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
© Garota Pai D'égua - Todos os direitos reservados.
Criado por: Bianne Souza.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo