quarta-feira, novembro 22, 2017

Eu li: Mulher-Maravilha - Sementes da Guerra - Lendas da DC #1 - Leigh Bardugo



Mulher-Maravilha: Sementes da Guerra
Título: 
Mulher-Maravilha: Sementes da Guerra
Autora
Leigh Bardugo
Série: 
Lendas da DC
Editora: 
Arqueiro


Antes de se tornar a Mulher-Maravilha, ela era apenas Diana.
Filha da deusa Hipólita, Diana deseja apenas se provar entre suas irmãs guerreiras. Mas quando a oportunidade finalmente chega, ela joga fora sua chance de glória ao quebrar uma lei das amazonas e salvar Alia Keralis, uma simples mortal.
No entanto, Alia está longe de ser uma garota comum. Ela é uma semente da guerra, descendente da infame Helena de Troia, destinada a trazer uma era de derramamento de sangue e miséria. Agora cabe a Diana salvar todos e dar seu primeiro passo como a maior heroína que o mundo já conheceu.

Resultado de imagem para wonder woman gif
Diva é diva né queridos? 

Com o lançamento do filme da liga da justiça semana passada, esse momento é muito oportuno para falar do livro Mulher-Maravilha: Sementes de guerra, da maravilhosa Leigh Bardugo (a autora da trilogia Grisha). 

Esse é o primeiro livro de uma saga chamada Lendas da DC, que vai recontar a história de alguns heróis pelo olhar de autores maravilhosos. 

O livro conta uma história muito diferente do filme e com uma narrativa bem típica da Leigh Bardugo, ou seja, cheia de humor, entusiasmo, empoderamento feminino e ação. 

Tudo começa quando Diana, princesa de Temiscira, avista destroços de um barco perto da ilha e resolve nadar até o local para ver se tem sobreviventes. Ela acaba resgatando Alia, uma humana com descendência grega/africana que possui em sua linhagem um segrego que põe em risco toda Temiscira e as Amazonas. 

Alia é uma Semente de Guerra, pessoas com o poder de trazer a discórdia e o caos ao mundo. Determinada a salvar Alia e suas irmãs, Diana parte em busca louca para terminar uma linhagem que vem desde de Helena de Troia e só pode acabar no lugar de descanso da mesma.

Com aliados como o irmão de Alia, Jason e dois amigos, Theo e Nim, eles lutam contra exércitos humanos e não-humanos, viajando de Temiscira, para Nova Iorque e Grécia. 

Eu adorei o fato do livro ser divertido, Diana tem um senso de humor ótimo e espontâneo, tanto que sua amizade com Nim (a personagem mais cheia de personalidade do livro) é fácil e verdadeira. 

Acredito que se eu resumir um ponto forte de tudo é o fato da amizade feminina ser tão sincera e claramente Bardugo queria alcançar o nível em que as garotas defendem umas às outras e criam um laço muito poderoso. 

Resultado de imagem para wonder woman gif
:D
Alia e Diana são duas personagens fortes, com mentes próprias, divergências e problemas que acabam sendo bem similares e as duas criam uma amizade e companheirismo memorável. 

A autora conseguiu unir todos os personagens lindamente. Diana seria supostamente a “heroína” da história, mas todos tiveram seu momento de glória, todos bem construídos e em perfeita harmonia, mostrando que é possível criar personagens importantes, com emoção, interessantes e para quem a gente possa torcer igualmente. 

Mulher-maravilha é um livro de amizade, sem individualismo, com ação, romance, dinâmicas engraçadas e tocantes e super-heróis da vida real. 





terça-feira, novembro 21, 2017

Nerdice Pai D'égua #21: Fugitivos

Hoje estreia no Hulu (um concorrente do Netflix nas gringa) mais uma série do universo Marvel, os Runaways, Fugitivos em português. EU TO MORRENDO DE EMPOLGAÇÃO.

cada dia uma Britney diferente me representando
 Vamos começar com a minha saga. Há mais de dez anos atrás (sério mesmo, 10 fucking anos), eu era uma jovem inocente que pegou um quadrinho na banca porque a revista tinha um formato estranho: era do tamanho de um mangá; me prometia X-Mens e estava repleta de adolescentes. Foi uma felicidade e uma frustração. Eu consegui comprar o número 1 da revista que era excelente, mas nunca consegui o número seguinte. Depois, por sempre ir em bancas de revistas, consegui comprar outras histórias da mesma galerinha. E mesmo fora de ordem, sem as vezes entender porque teve gente que sumiu e outras pessoas estavam lá do nada. Enfim, felicidades porque aquelas histórias eram MUITO boas e frustração porque demorou anos para eu enfim ir na internet e ler tudo on-line. Essa saga (rs, eu tentei me controlar) demorou anos até chegarmos em 2017.

Esse ano Fugitivos voltou a me assombrar por duas razões: primeiro ia virar série, e dois a revista ia voltar nas mãos de ninguém mais do que a minha musa Rainbow Rowell. Foi um sinal. Finalmente eu ia ler essa história direito para acompanhar tanto a série quantos os quadrinhos novos. Mas vamos ao que interessa, afinal essa série tem anos e muita coisa e aqui está o que vale a pena ler.
Vamos ao que interessa, juro que vou parar de narrar as minhas tristezas
Para quem se interessa nessa dor de cabeça, aqui está a lista de lançamentos desa série no Brasil. E para as pessoas que são virginianas como eu aqui está a ordem completa de leitura. Nos últimos meses eu segui essa ordem e aqui está as melhores coisas com as minhas crianças:

A história que vai virar série se foca nos primeiros volumes de Runaways, escrito pelo Brian K. Vaughan, escritor ganhador de vários prêmios Eisner, o Oscar dos quadrinhos, inclusive por esse quadrinho. 
"Era para ser apensa mais uma das entediantes reuniões anuais promovidas pelos pais de Alex, Nico, Gert, Karolina, Chase e Molly. O que os adolescentes não sabiam é que seus familiares escondem um terrível segredo: eles são supervilões, membros de uma sociedade secreta conhecida apenas como 'O Orgulho', que domina totalmente o submundo de Los Angeles. Agora, os seis precisam fazer algo para impedir os planos malignos de seus pais, fugir da perseguição da polícia e sobreviver nas ruas como... Fugitivos." - Coleção Pocket Panini vol. 3 - Fugitivos

A premissa da série é genial, todos esses adolescentes se reúnem pois os seus pais são amigos e fazem parte de um grupo de filantropos. Acontece que em uma dessas reuniões eles resolvem pela primeira vez espionar nos pais, o que os leva a descobrir que eles são supervilões. Superviolões em Los Angeles, longe da Nova Yorque populada de super-heróis e os Vingadores. Então os garotos se únem não só para fugir, mas para embarcar na missão de acabar com os seus pais. E cada um deles possui uma habilidade única.

Corre atrás de Avengers Arena, é fenomenal 10/10
As nossas crianças são: Alex, o estrategista e líder do grupo. Gert, filha de viajantes do tempo que conta com a conexão mental com um dinossauro chamado de Old Lace (uma princesa maravilhosa, por sinal). Chase, filhos de gênios do mal, mas que não passa de uma atleta meio sem cabeça com um bom desconfiômetro e excelente em fugas. Karolina, que descobre ser filha de alienígenas. Nico, filha de feiticeiros e dona do Cajado do Absoluto. E por último, e não menos importante, a nossa caçulinha Molly, que descobre ser mutante. 

olha como essa capa é linda!! *-*
gente eu não tenho emocional
pra Rainbow escrever Runaways.
Os primeiros dois volumes da série escritos pelo Brian K. Vaughan e depois pelo Joss Whedon são nada mais do que brilhantes. Personagens vão e novos chegam, mas os garotos continuam juntos. Até que as histórias da Marvel os separam.
Nico e Chase estrelam a série Avengers Arena, a Arena Vingadoes. Uma história fenomenal a estilo Jogos Vorazes com vários jovens heróis do universo Marvel. Mesmo que me doa ver as minhas crianças separadas, essa história foi fenomenal. Outra aparição memorável foi a Nico sendo uma das estrelas da revista A Force, uma equipe composta somente por super-heroínas no meio do Battleworld (alguma cagada do universo Marvel que deu preguiça descobrir qual era o papo). A Force teve dois volumes e além da Nico, tivemos a She-Hulk, Captã Marvel, Dazzler e Medusa. 

E agora desde 2009 (sinta essa dor), Runways não só voltou mas como voltou com todo o elenco original. E para quem é fã da Rainbow e não quer ler tudo que eu indiquei antes, dá pra começar pela história da Rainbow sim. Mas é claro vai pegar uns spoilers do que se passou.
O nosso anjo chamdo Rainbow Rowell não só reuniu a banda mas como trouxe de volta gente dos mortos. Um anjo. Uma princesa. Não sei o que o mundo fez para merecer ela. (fangirl, quem eu?!).

Hoje a série estréia no Hulu lá nos EUA, já no Brasil vai sair pelo canal pago Sony mas ainda sem previsão. Os produtores são a dupla Josh Schwartz e Stephanie Savage, os criadores de que nada mais, nada menos, que Gossip Girl. O que significa que essa dupla é mais do que especialista em fazer séries de drama adolescente (adoro!).  E enquanto não estréia no Brasil, confiram o trailer:


segunda-feira, novembro 20, 2017

Eu Li: Casada até quarta - Catherine Bybee

Título:
Casada até quarta
Autora:
Catherine Bybee
Editora:
Verus
Série:
Noivas da semana #1
Ano:
2017

Adicione ao Skoob


O contrato de casamento deles previa tudo.. menos se apaixonar.
O primeiro livro da série Noivas da Semana.
Blake Harrison: rico, nobre, charmoso... e precisando de uma esposa até quarta-feira. Para isso, Blake recorre a Sam Elliot, que não é o homem de negócios que ele esperava. Em vez disso, ele encontra Samantha Elliot, linda e exuberante, com a voz mais sexy que ele já ouviu.
Samantha Elliot: dona da agência de casamentos Alliance, ela não está no menu de pretendentes... até Blake lhe oferecer milhões de dólares por um contrato de um ano. Não há nada de indecente na proposta dele, e além disso o dinheiro vai ser muito útil para quitar as contas médicas da família dela. Samantha só precisa disfarçar a atração que sente por seu novo marido e evitar a todo custo a cama dele. 
Mas os beijos ardentes de Blake e seu charme inegável se provam muito difíceis de resistir. Era um contrato de casamento que previa tudo... menos se apaixonar. Agora só resta a Samantha proteger seu coração até que o contrato chegue ao fim.
Editora Verus, minha querida... você já pode continuar publicando séries assim, leves e descontraídas, para acalmar a tempestade do meu coração e mente bookaholic! Esse livro eu li em setembro em questão de 5 horas... e só levou tudo isso porque eu estava em meio a uma viagem para Gramado e a galera que estava comigo queria passear e não me deixavam muito tempo para ler livros... então eu lia de noite!

Ok, vamos a resenha...

O que um jovem rico pode querer ainda mais? Mais dinheiro, poder e de quebra um título! Sim, Blake Harrison, já possuía um pedaço do mundo em suas mãos... Pois gerencia uma das maiores esquadras de navios do pais.  Ele mora nos Estados Unidos mais é nascido na Inglaterra eis porque ele teria herdado o espaço a câmara dos lordes. As pessoas que o conheciam sabiam que ele detinha muito poder... mas imaginar que ele poderia herdar um título na câmara dos lordes? Quem poderia imaginar... e anda por cima poderia contrariar as vontades do pai, mesmo depois de morto... porque não?

A verdade  é que o pai dele era o detentor do título... mas eles não se davam bem. O falecido lorde era um homem horrível e sem vínculos afetivos com os filhos. Então quando Blake ficou sabendo que para receber o título, posses e o dinheiro o pai mesmo depois de morto queria ferrar a sua vida, não surpreendeu Black! O pai de deixou no testamento que para Blake receber o título, este teria que se casar... até aí de boas... não fosse o prazo apertadíssimo de tempo que restava a Black para executar a vontade do pai!

Procurar uma esposa poderia ser um atarefa até fácil... só que Black não está disposto a empregar nenhum mínimo esforço nisso. E precisa de uma mulher que não vá dar de toda melosa para o lado dele e tals... ele está precisando de uma parceira que entenda sua vida e consiga transitar naturalmente por ela. E pensando nisso ele resolver contratar uma agência especializada nisso: Alliance.

Ele já tinha em mente fixamente o que queria, mas tudo foi por água abaixo quando ele, que estava esperando um homem para sua reunião, acaba se deparando com a linda e deslumbrante ruiva Samantha Elliot. O que fez a mente dele entrar em "blackout"!

Samantha foi preparadíssima para sua reunião, como sempre! Ela sabia tudo sobre Black... e até mesmo o tipo de mulher que ele estava procurando. A reunião com ele se trata apenas de formalidades e ter certeza que ele não vai fazer nenhum mal a suas clientes. Por que a satisfação dos negócios estão em duas vias neste ramo. E o fato dele ser descaradamente lindo nas fotos... não preparou Samantha para o impacto de ver ele pessoalmente. Ainda assim, ela conseguiu manter a cabeça nos negócios!

Black não precisou de uma terceira reunião para resolver seu problema de casamento às pressas... bastou ele ouvir Samantha falar para saber que ela seria a parceira ideal para os seus planos. Pois ela sabe como esse tipo de situação acontece... e ele ficou impressionado em como ela conseguiu cavar sua vida pessoal como uma detetive profissional!

Samantha estava preparada para tudo, menos para receber uma proposta de casamento/negócios em sua segunda reunião com Black. Ele consegue atingir o ponto fraco de Sam... Elliot, sua irmã com uma triste história e que se encontra internada em uma clínica super cara que leva todo o dinheiro da Sam embora todos os meses. Então pensando em sua irmã ela traça um plano com Black e eles se casam...isso não é spoiler!

Spoiler é eu dizer como transcorre a vida deles de casados!

E bomba mesmo é quando Black descobre que seu pai colocou uma observação pequenina em seu testamento que ele deve cumprir também antes de conseguir o título!

As desventuras e interações de Black e Sam são divertidíssimas... é uma ótima dica de leitura para viagens que exigem de você poucas horas dentro de um avião ou mesmo de um ônibus! Nem preciso dizer que depois saí desesperada atrás do segundo livro... que me surpreendeu ainda mais com uma trama de filme de ação... mas isso já é papo para outra resenha!

Enfim... espero que tenham gostado... e até o próximo post!


quarta-feira, novembro 15, 2017

Eu Li: Jogo de Sedução - Nora Roberts

Título:
Jogo de Sedução
Autora:
Nora Roberts
Editora:
Harlequin
Série:
MacGregors #1
Ano:
2017

Adicione ao Skoob

Uma mulher forte, inteligente e audaciosa. Um homem cínico, intenso e cativante. Esta é receita ideal para um romance explosivo e inesquecível. Justin Blade sabia exatamente o que queria quando sentou na mesa de blackjack comandada por Serena MacGregor… e não era vencer o jogo. Dona de olhos hipnotizantes, ela penetrou sua mente como nenhuma outra mulher já havia conseguido. Mas será que esse relacionamento irá resistir quando todas as cartas forem colocadas na mesa?

Normalmente prefiro reservar minha humilde opinião sobre os livros para ao final da resenha, porém este livro aqui merece uma resenha diferenciada, então comecemos pela minha impressão! Ele é sem dúvida um dos livros que entrou para o meu top #10 de melhores livros deste ano... e que vale muito a pena recomendar. Poxa... são só 191 páginas. Isso é uma tarde em que nos encontramos entediados na vida ou no ônibus... e ainda por cima é escrito pela máquina de best sellers Nora Roberts!

Mas você deve estar se perguntando: Por que a Anne está tão empenhada em fazer a gente ler este livro? A resposta é bem simples e se resume em três pontos bem distintos: O mocinho é um latino que subiu na vida depois de levar muita porrada da vida; há varias inversões de papeis clichês nos romances e por fim mais não menos importante: foi o livro com o final mais divertidamente desconcertante que eu já vi esse ano!

Mas... ainda assim, eis aqui a resenha para você ver como estou sendo bem sincera!

O livro conta a história de Serena MacGregor uma linda jovem adulta que após passar anos e anos estudando para graduações, mestrados e doutorados resolveu tirar um ano como "licença sabática" assim digamos, e ela pegou a mochila dela e zarpou a bordo de um navio de luxo para cruzeiros. Mas calma aí que, apesar dela ter um nome forte e uma família super rica... ela foi com outro proposito! Ela foi como a mais nova crupie do casino do navio. E tudo ia bem... ela era a melhor no que fazia, pois aprendeu como ler as pessoas e consequentemente a como trabalhar com todas elas. 

Um belo dia, em sua última viagem como parte da equipe do cruzeiro, um homem taciturno e de olhar cativante sentou em sua mesa de trabalho para uma rodada de cartas. Até aí tudo bem... não fosse o caso de ela não conseguir ler ele! E ele está ganhando todos as rodadas... seria ele um contator de cartas?

A última coisa que Justin queria era problemas, ainda mais do tipo loira, linda, inteligente e magnetizante como a crupie da mesa. Mas foi mais forte que ele, e ele sempre segue seus instintos, afinal ele conseguiu o que conseguiu devido a eles. Mas o olhar inteligente dela é muito desafiador... e como ele está acostumado a conseguir o que quer e também como foi meio que obrigado a estar neste cruzeiro estupido ele tinha que arrumar algo para se distrair, então porque não? Ela parecia ser um desafio ótimo.

Se Justin tivesse se mantido somente presente na vida de Selena nos momentos em que ela é uma crupie, tudo estaria bem... mas quando ele começa a invadir seus momentos de folga... ela precisa colocar ele para correr! E é o que faz, mas ele consegue se mostrar sendo um mistério que instiga a mente astuta dela... então porque não? Se ambos querem algo informal... que seja.

E tudo ia bem quando eles alinharam o que queriam um do outro... só que algo sempre acontecia quando as coisas ficavam mais quentes... então o que você deve estar imaginando agora... sinto em te informar que durante o período deles no navio não aconteceu nada... eles só foram se conhecendo. E tudo ia bem até o fim da viagem onde algo chocante acontece...

O relacionamento deles desmorona quando eles respondem duas perguntas básicas:
1 - Qual é o sobrenome dela?
2 - Quem obrigou Justin a ir no cruzeiro?
E um tempo passa... quando eles têm suas vidas atadas novamente as cartas do jogo são outras!

Será que eles vão querer apostar alto?

Selena é a heroína que eu estava esperando encontrar em alguns livros... e o final dela foi perfeito!

Espero que tenham gostado da resenha... e espero que vocês também desfrutem de Selena e Justin como eu desfrutei... Mais uma vez obrigada Harlequin por ter me enviado esse livro lindo!


terça-feira, novembro 14, 2017

Eu li: Flores partidas - Karin Slaughter

Título:
Flores partidas

Autora: 
Karin Slaughter

Editora:
Harper Collins

Ano: 
2017

Adicione ao Skoob

Irmãs. Estranhas. Sobreviventes. 

Quando Lydia contou para a irmã que o cunhado havia tentado estuprá-la, Claire não acreditou. Dezoito anos depois, porém, tudo o que Claire achava saber sobre o marido se prova uma mentira. Quando vídeos escondidos no computador de Paul mostram uma face terrível do homem que ela julgava conhecer, Claire percebe que o drama de sua família tem muitas camadas, que precisarão ser descobertas antes que a assustadora verdade por fim venha à tona.


Quando eu penso que já li de tudo, vem a Karin Slaughter e diz: nananinanão!  Flores Partidas acabou com as minhas estruturas e por dias eu só vivi pra ele, pra tentar desvendar todo o mistério e tragédia que envolve essa família. 

Sam e Helen eram os pais apaixonados de três filhas: Julia, Lydia e Claire. Julia, a mais velha, estava na faculdade e era super envolvida com o movimento estudantil. Lydia, a do meio, era a rebelde que adorava uma farra e começava a ter seus primeiros problemas com drogas. Claire, a mais nova, era uma adolescente muito observadora, mas nunca gostava de chamar a atenção pra si. E esse é o perfil da família Delgado. Todos muito diferentes um do outro, mas se amavam e se apoiavam incondicionalmente, até que o pior pesadelo deles começou.

O livro começa com uma carta de Sam à sua filha desaparecida Julia. As cartas do pai eram uma tentativa de se convencer que a filha voltaria, mesmo que já tivesse se passado anos de seu desaparecimento. Um caso que nunca foi solucionado, até então. Muitos especulavam que a garota, na época com 19 anos, tinha ido morar com alguma comunidade hippie. Outros especulavam que tinha fugido com algum namorado da faculdade. Mas nada de concreto.  


Quando Julia desapareceu, todo mundo dizia que era muito trágico algo tão ruim acontecer com uma garota tão bacana. Então, quando o delegado revelou a teoria de que ela havia fugido de casa - para se reunir a uma comunidade hippie ou ficar com um rapaz -, o tom mudou, passando de simpatia para acusação.

Era março de 1991. A paz que pairava nesse lar mudou. Julia desapareceu. Lydia sucumbiu às drogas. Claire não entendia por que os pais se concentravam em procurar uma filha que talvez nunca voltaria, ao invés de olhar pra ela. Anos depois Sam e Helen se separaram e o pai não aguentou  a dor de viver os dias sem sua filha mais velha, e se matou. A família se dividiu mais ainda quando Lydia acusou o namorado de Claire de ter tentado estuprá-la, mas a irmã não acreditou. 

Claire abandonou a irmã e levou consigo sua mãe, o então namorado Paul, e um futuro brilhante que ele lhe proporcionaria. Já Lydia... Bem, em algum momento da vida ela largou as drogas e conseguiu encontrar motivação suficiente na vida para não acabar em um beco escuro morta por overdose. 

Paul proporcionou a Claire uma vida de princesa. Após a morte de seus pais, o rapaz teve que se dedicar muito para construir a fortuna e o império que comandava. A vida milionária não é para todos, mas certamente era para Paul e Claire. Eles eram perfeitos juntos. Um cara extremamente organizado, que sempre estava satisfeito com a esposa, fazia de tudo para agradá-la, e não media esforços para lhe fazer feliz. Claire havia casado com um homem perfeito, não muito bonito, mas com todos os outros atributos que ele tinha, exigir um galã seria demais. O único que enxergava Claire pelo que ela realmente era. O único que enxergava além da sua beleza. O único que foi capaz de ampará-la em um momento tão doloroso de sua vida. Quando começaram a namorar havia 5 anos desde o desaparecimento de Julia. Ele a amparou quando seu pai decidiu tirar a própria vida e não deixou com que Claire desmoronasse. Quando as acusações de estupro vieram, ele se manteve firme, e fez Claire enxergar que ele era o mundo dela, e que a irmã era uma drogada sem coração que queria destruir a felicidade dos dois. 

Precisava dele. Ele era a âncora que a impedia de ficar à deriva. 

Em uma noite, após saírem de um bar, os dois foram assaltados e Paul foi assassinado. No dia de seu velório, ao chegar em casa, Claire encontra agentes do FBI fazendo uma investigação sobre uma tentativa de roubo dentro da casa. E a partir daí, o que parecia ser só uma ocorrência sem importância, levou Claire a descobertas que ela jamais poderia imaginar. Quem era o homem com quem ela estava casada a tanto tempo? Poderia uma pessoa se enganar tanto a respeito de alguém? Será que Lydia sempre esteve certa sobre Paul? 

Depois de mais essa tragédia na vida de Claire, ela e Lydia acabam se encontrando novamente, e as duas são arrastadas para um mundo sombrio de descobertas das quais elas nunca poderão apagar de suas memórias. A partir daqui, qualquer coisa que eu falar pode ser spoiler

Eu nem sei como começar a falar desse livro. Karin escreve de forma magistral uma história com detalhes assustadores, palpáveis, e traz à tona assuntos sérios que são de extrema importância para nossa sociedade, como: feminismo, estupro, snuff porn e posicionamento político dos jovens. Apesar de ser uma escrita extremamente descritiva, não tem como se cansar de ler, são quase 400 páginas muito bem amarradas e explicadas, e para cada movimento dos personagens existe uma motivação por trás. 

Quando comecei a ler o livro eu não sabia nada sobre a história, não queria criar expectativas, mas tenho certeza que se eu criasse as mais altas que fossem, ainda ficariam abaixo do que a autora construiu nessa história. A forma como a narrativa em terceira pessoa nos apresenta os fatos, nos dá uma dimensão maior do que se passa com os vários personagens. Apesar da trama se concentrar em Claire e Lydia, muitos personagens secundários são essenciais para que tudo tenha uma ligação no final. Eles não ficam avulsos, todos tem um motivo para estarem ali, mesmo que no inicio achemos que eles são desnecessários. 

Karin, ao longo de todo o livro, constrói muito bem o perfil de cada um, e a cada capítulo você consegue se surpreender ainda mais com o que essa autora é capaz de fazer. Quando você acha que já descobriu tudo, desvendou todo o mistério, aparecem mais coisas escondidas que em uma frase, uma vírgula deixamos passar. E isso tudo torna o livro um prato cheio para fãs de um bom mistério, com muito suspense, thriller psicológico e muito drama familiar. 

Tenho certeza que muito estudo foi necessário para elaborar essa trama, e todos os assuntos foram tão bem desenvolvidos na história que eu só consigo parabenizar a autora pelo excelente trabalho que fez. Nada passou em branco, até os assuntos que eram mais desconhecidos pra mim, como a indústria de snuff porn, sua distribuição na deep web, ficaram claros e entendidos. 

Enfim, Karin Slaughter entrou para minha lista de autoras favoritas com apenas uma história. São 395 páginas que valem cada segundo e que com certeza vai te deixar muito ansioso para conhecer as outras obras dela. Nota máxima para esse livro que faz o leitor sair na zona de conforto, se remexer na cadeira, soltar suspiros de susto, de alívio, torcer, formar teorias, pra no final ver que só é a ponta do iceberg e que muito mais o espera pela frente. 

Leiam Flores Partidas e adentrem em um mundo feito para torná-lo inesquecível para o leitor. 

OBS: O conto A garota dos olhos azuis está disponível gratuitamente em e-book e se trata da vida de Julia antes do desaparecimento. Não precisa lê-lo antes de Flores Partidas, mas é interessante termos um vislumbre do perfil de Julia antes da tragédia. Não contém spoilers. Baixe aqui.

MELHOR LIVRO DO ANO!!!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
© Garota Pai D'égua - Todos os direitos reservados.
Criado por: Bianne Souza.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo