Eu Li: Na corda bamba - Kiley Reid

Título:
Na corda bamba
Autora:
Kiley Reid
Editora:
Arqueiro
Ano:
2020



Certa noite, num supermercado de um bairro rico, Emira Tucker, uma jovem negra que trabalha como babá, é abordada por um segurança que a acusa de ter sequestrado Briar, a garotinha branca que está com ela. Uma pequena multidão se reúne, alguém faz um vídeo da situação e a comoção só termina quando o pai da criança aparece. Alix, a mãe de Briar, fica chocada com o ocorrido. Bem-sucedida e dona de uma marca envolvida na luta pelo empoderamento feminino, ela decide que Emira merece justiça e resolve fazer de tudo para que isso aconteça.
A própria Emira, porém, só quer deixar a história para trás. Aos 25 anos, trabalhando sem carteira assinada e prestes a perder o seguro-saúde, ela está às voltas com os desafios da vida adulta e a última coisa que quer é ser exposta pela divulgação dessas imagens.
Mas, quando uma parte do passado de Alix vem à tona, ela e Emira são confrontadas com verdades que podem mudar para sempre o que elas pensam uma sobre a outra e sobre si mesmas.
Um romance essencial para os tempos atuais, Na corda bamba fala sobre como o racismo e o privilégio afetam as relações interpessoais no dia a dia. Com uma narrativa vibrante e provocativa, é também uma reflexão sobre como a necessidade de “fazer a coisa certa” pode nos colocar, às vezes irreversivelmente, no caminho errado.


Olá, leitores!
É interessante ver como movimentos positivos em prol de representatividade dão bons frutos. Atualmente, diversas editoras tem apostado em livros de pessoas negras ou não-brancas em seus catálogos e, além de trazer a diversidade que tanto queremos no mercado editorial, essas ações são importantes para dar amplitude à vozes das pessoas de grupos socialmente ignorados e marginalizados. Agora, cabe à nós, leitores, consumirmos esses produtos, ler essas obras e falarmos sobre esses livros.
"Na corda bamba" foi um dos lançamentos da editora Arqueiro do finalzinho de outubro e hoje irei apresentar essa história que tem nuances interessantíssimos e é bastante realista. 
Por Fernanda Karen

Eu li: Um Convite no Fim - Guilherme Romão

Título:
Um Convite no Fim
Autor:
Guilherme Romão
Editora:
Voe (Flyve)
Ano:
2020



Vito quase perde a vida, mas recebe a oferta de continuar na morte. Dentre seus devaneios ele encontra quem poderia ser a mulher dos seus sonhos, caso ainda os tivesse. Uma decisão precisa ser tomada. Seguir os humanos que limpam o mundo ou a garota.
Intrigas além vida deixam Vito em situações inusitadas e transformam o caminho de qualquer leitor em uma empolgante e jovial aventura. Encontros surpreendentes, reviravoltas e o poder do passado sobre um falecido que está vivo. Uma junção de sentimentos e sensações que apenas “Um Convite no Fim” pode proporcionar.

Recebi o Um Convite no Fim como uma grata surpresa. Inicialmente estava esperando algo mais terror (meio que pela sinopse mesmo) mas no final o que acabei tendo foi um ótimo livro que consegue mesclar um pouco de fantasia com horror começando até muito pé no chão, mas que soube soltar o freio de um jeito que eu tomei até um susto. Mas vamos com calma e começar do início…
Por Victor Rogério

Eu Li: Selva Concreta - Edyr Augusto

Título:
Selva Concreta
Autor:
Edyr Augusto
Editora:
Boitempo
Ano:
2012



Ambientado em Belém, o romance traz incômodas semelhanças com a experiência urbana de qualquer cidade na periferia do capitalismo. Explorando as patologias e os vícios do submundo próprios às metrópoles brasileiras, marcadas pela má distribuição de renda e pelo abuso de poder, Edyr compõe um retrato inusitado e desconfortante do Brasil contemporâneo. O fluxo intenso da narrativa submerge as múltiplas fisionomias da obra na cadência fragmentada da cidade: o policial corrupto, o playboy, o apresentador de TV picareta, o radialista ávido por um furo de reportagem, o cagueta, o assassino de moças, a cantora queridinha, a mulher do malandro, o boa-praça e outros tipos compõem o universo urbano de quem vive em uma “selva concreta” marcada pela violência que vemos nas manchetes policiais e pela sujeira que está por trás delas.

Durante a quarentena dei giros e giros entre gêneros literários e as indicações que tenho dado no blog servem de testemunha. Comecei "Selva concreta" no dia das bruxas, bem no final de outubro, pois queria uma história da vibe do terror. 
E, nesse caso, um terror que perpassa a realidade de forma brutal. 
Edyr Augusto tem o perfil de apresentar em ficção algo que não está só em nosso imaginário. Basta dar uma olhadinha no jornal que conseguimos visualizar traços de suas histórias. 
Identifiquei essa questão em Pssica e Moscow e com "Selva concreta" não foi diferente. 
Por Fernanda Karen

Eu Li: Sexo sem amor? - Vi Keeland

Título:
Sexo sem amor?
Autora:
Vi Keeland 
Editora:
Universos dos Livros
Ano:
2019



Hunter e Nat se conheceram em uma festa de casamento – ele entre os convidados do noivo, e ela, da noiva. A atração era intensa e mútua, mas Nat, depois de seu último e desastroso relacionamento, havia prometido não mais se interessar por homens charmosos, convencidos e lindos de morrer.
Até que, certa noite, Hunter aparece na casa da mãe dela durante uma reunião familiar. Ele iria trabalhar durante oito semanas na cidade em que Natalia morava e, então, propôs que passassem esse período transando até não poder mais.
Oito semanas de sexo maravilhoso sem compromisso? O que ela teria a perder?
“Nada”, pensou. “É só sexo, não amor.”
Mas será que isso vai dar certo?

Olar, leitores pai d'égua! 
Cá estou com uma surpresa muito positiva para indicar para vocês mas é importante contextualizar essa informação.
Por conta da maravilhosa promoção do Kindle Unlimited por 1,99$, me propus a ler o máximo de livros sacaninhas que eu pudesse nesses 3 meses pois costumam ser histórias rápidas que adoro ler para espairecer. 
Quem não gosta de um romancinho caliente, né? 
No início da leitura de "Sexo sem amor?" achei que receberia o clássico "sequência de toma-toma, sequencia de vapo-vapo" que a capa e o título insinuam, PORÉM, o que ganhei foi uma história muito interessante sobre família e seus dramas, uma mulher com muita vontade de dar a volta por cima e, sim, o amado romancinho que eu buscava também consta!
Sim, queridas leitoras, "Sexo sem amor?" vai muito além de sexo sem amor. 
Por Fernanda Karen

Eu Li: 4 homens em 44 capítulos - BB Easton

Título:
4 homens em 44 capítulos
Autora:
BB Easton
Editora:
Paralela
Ano:
2020



4 homens em 44 capítulos é um irreverente e espirituoso livro de memórias que resultou de experiências malucas, recheado de episódios divertidos e cenas muito, muito quentes,
Depois de anos tentando apimentar minha vida sexual, resolvi me contentar com um diário sobre aventuras do passado. Talvez meu marido, um nerd lindo e frio, só não fosse capaz de sentir a paixão que eu esperava, já que era totalmente diferente dos meus ex-namorados supertatuados e tarados. Bom, se eu não podia ter o amor que desejava na vida real, pelo menos podia escrever sobre ele no diário. Seria meu segredinho. Mas adivinha? Meu marido leu tudo. E sabe o que mais? Depois disso, ele foi tomado pela paixão, se é que você me entende.
A partir daí, resolvi seguir o conselho da minha melhor amiga e usar o diário para manipular o comportamento dele. Eu só queria convencê-lo a: me dar um apelido fofo; me elogiar mais; fazer sexo selvagem e apaixonado; e fazer uma tatuagem completamente amadora do meu nome e/ou rosto em uma parte do corpo bem visível!
Não é pedir demais, é? O que poderia dar errado?

Atenção, leitores! Aviso desde já que esse livro tem conteúdo adulto. 
No entanto, se vocês estão em busca de uma história engraçada, com uma ótima narrativa e, ainda por cima, com cenas calientes, "4 homens em 44 capítulos" é para vocês!
Por Fernanda Karen