quinta-feira, fevereiro 15, 2018

Pipoca da semana: Pantera Negra



















Título:
Black Panther
Pantera Negra
Ano:
2018
Direção:
Ryan Coogler
Produção:
Marvel Studios
Duração:
2 horas e 15 minutos.

"Após os eventos de Capitão América: Guerra Civil, T'Challa retorna para casa, na nação reclusa e tecnologicamente avançada de Wakanda, para servir como o novo líder. Entretanto, T'Challa logo descobre que é seu trono é desafiado por facções dentro de seu próprio país. Quando dois inimigos conspiram para destruir Wakanda, o herói conhecido como Pantera Negra precisa se unir ao agente da CIA Everett K. Ross e membros do Dora Milaje, as forças especiais de Wakanda, para prevenir que o país seja levado a uma guerra mundial." (fonte: Omelete) 

Oi, gente, tudo bem? 
Vocês podem estar estranhando um pouco por eu estar escrevendo nesta coluna hoje. É que fiquei muito empolgada com o filme e inspirada para escrever e vou tentar dar o meu melhor sobre as impressões do filme Pantera Negra que foi lançado ontem. 

Antes de começar a minha empolgante narrativa sobre o filme, vale lembrar que vou falar um pouco da minha experiência com a pré-estreia levando em consideração a proposta do filme em si e não a dos quadrinhos, ok?

Por anos e anos a preocupação de fãs vem se mantendo firme sobre adaptações dos quadrinhos, livros e diversos às telas do cinema. Será que meu personagem favorito vai ser valorizado e adaptado fielmente? Que fã não se preocuparia em ver seus universos paralelos representado de forma fiel? Mas a impressão que tive ao conversar com amigos que estavam tão ansiosos como eu para ver o filme foi diferente. Eles me passaram a empolgação de se sentirem representados. Eis mais uma vez a questão da representatividade em questão.

De certo sabemos que nos filmes da franquia dos Vingadores outros personagens negros - e até mesmo heróis negros - já estiveram presentes desde o início, como o imbatível e muito sagaz Nick Fury, o Maquina de Combate - Rhodes e o nosso engraçado Sam Wilson, mas estes dois incríveis heróis estavam em situação de coadjuvantes. Tá certo que eles vivem roubando a cena... mas ainda assim estavam como personagens secundários e não tivemos a oportunidade de ter um filme deles, ou mais cenas aprofundando a complexidade desses personagens.

Eis que hoje alguns colunistas do blog tiveram a oportunidade de presenciar a pré-estreia de Pantera Negra. Personagem da Marvel Studios que roubou um pouco o ar como coadjuvante (lindo de morrer) e a presença no último filme dos vingadores. E agora tivemos a honra de ter um filme explanando um pouco mais da história por trás do personagem e do universo de Wakanda.

Nessa nova produção da Marvel, um dos pontos que mais me marcou foi o fato de poder dizer que cultura, tradição e tecnologia nunca caíram tão bem em uma produção. Sim, pois achei sublime a forma que o filme começa te apresentando a mitologia por trás da criação de Wakanda.

Fonte: http://www.frrrkguys.com.br

Ouvi muito comentários de amigos que valorizaram, com razão, o fato do filme ter pilares sobre a discussão e valorização da representatividade. E não digo apenas por ser um filme com um cast memorável de atores predominantemente negros, mas por ver mulheres guerreiras em ação em luta pelo que acreditam, e por terem fé nas tradições e no seu povo. Mas também é abordado um tema muito real para nós que é a discussão sobre consciência social global. 

Pantera Negra não é apenas mais um filme sobre super-heróis que vem te mostrar que estão dispostos a salvar o mundo e fazerem sacrifícios em prol de ideias firmes ou contra alienígenas. Também é um filme que aborda a importância que nossas escolhas podem ter em vidas futuras.

Fiquei bastante impressionada com a adaptação apesar de desconhecer o universo do Pantera Negra nos quadrinhos. E apesar de gostar muitíssimo dos filmes anteriores e estar morrendo para ver Guerra Infinita, ainda assim o filme do Pantera Negra mexeu comigo de uma forma mais íntima. Tanto que estou assistindo as duas cenas pós-créditos e entre elas comecei a digitar este texto. 

Mas se todo esse meu carinho pelo filme não te convenceu a assistir, eis então 7 bons motivos para ver o filme:
  •  O universo de Wakanda é muito rico. E no narrar da história vamos descobrindo bem mais sobre o que é de fato o Vibranium e como ele pode ser utilizado. 
  • Gente, fiquei chocada e muito feliz em como as mulheres de Wakanda são BadAss. Elas são incríveis tanto em personalidade fortes, em estilo único e são boas de porrada. 
  • T'Challa se torna um rei muito humilde e sábio a ponto de não se deixar influenciar completamente pelas tradições e hábitos meio que comodistas de seu povo. 
  • Apesar de ter um romancezinho, sua importância não é central. É legal ver os dois se alfinetando e tudo, no entanto, a união deles nas lutas são bem mais interessantes. 
  • O filme tem um vilão super bem preparado para a guerra, mas ainda assim cheio de dores emocionais e conflitos internos, e a forma que o rei T'Challa achou para cuidar dele no final foi muito honrado entre guerreiros. 
  • Apesar da última música ter destoado um pouco do filme, na minha opinião humilde, a soundtrack do filme está muito show. 
  • Ok, talvez alguns achem que houve um desperdício de vilão no filme mas tem que levar em consideração que um deles era só a ponte entre Wakanda e o vilão eleito para a história. 

Com certeza verei o filme novamente. E isso me faz relembrar o porque de segundas oportunidades serem bens tão preciosos e que não devemos deixar de viver, sejam elas de armadura ou sem. 

Fica a dica e espero que todos gostem do filme tanto quanto eu!
.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Quer fazer um blogueira feliz? Então deixa um comentário neste post! Você vai fazer todo o trabalho valer a pena rsrs
Mas tem um porém: Comentários ofensivos serão deletados.

Muito Obrigada por comentar! Volte sempre!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
© Garota Pai D'égua - Todos os direitos reservados.
Criado por: Bianne Souza.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo