sábado, janeiro 09, 2016

Eu Li: Uma Noite Para Se Entregar - Tessa Dare

Título:
Uma Noite Para Se Entregar
Autora:
Tessa Dare
Editora:
Gutenberg
Onde Comprar:
Saraiva | Fnac | Subamrino

Spindle Cove é o destino de certos tipos de jovens-mulheres: bem-nascidas, delicadas, tímidas, que não se adaptaram ao casamento ou que se desencantaram com ele, ou então as que se encantaram demais com o homem errado. Susanna Finch, a linda e extremamente inteligente filha única do Conselheiro Real, Sir Lewis Finch, é a anfitriã da vila. Ela lidera as jovens que lá vivem, defendendo-as com unhas e dentes, pois tem o compromisso de transformá-las em grandes mulheres descobrindo e desenvolvendo seus talentos.
O lugar é bastante pacato, até o dia em que chega o tenente-coronel do Exército Britânico, Victor Bramwell. O forte homem viu sua vida despedaçar-se quando uma bala de chumbo atravessou seu joelho enquanto defendia a Inglaterra na guerra contra Napoleão. Como sabe que Sir Lewis Finch é o único que pode devolver seu comando, vai pedir sua ajuda. Porém, em vez disso, ganha um título não solicitado de lorde, um castelo que não queria, e a missão de reunir doze homens da região, equipá-los, armá-los e treiná-los para estabelecer uma milícia respeitável.
Susanna não quer aquele homem invadindo sua tranquila vida, mas Bramwell não está disposto a desistir de conseguir o que deseja. Então os dois se preparam para se enfrentar e iniciar uma intensa batalha! O que ambos não imaginam é que a mesma força que os repele pode se transformar em uma atração incontrolável.

Oi gente...Volteiiiiiiiiiiiiiiii!

A resenha de hoje eu agradeço a nossa queridinha escritora Roberta Spindler, que super me indicou o livro, em uma das nossas voltas pela Bienal do Rio do ano passado. Pois, quem me conhece sabe que adoro esses romances de época apimentadinhos, e esse ainda tem um bônus, ele é super engraçado.

Ainda não conhecia a autora Tessa, mas acredito que não haveria forma mais ilustre de conhece-la do que através desse livro. Após tantas leituras ótimas como Julia Quinn, Madelaine Hunter, Mary Balongh e Lisa Kleypas, é sempre bem vinda alguma novidade desse sentido para viciar a todos nós mais um pouco.

Para quem não gosta de livros em séries longas já aviso que esse, acredito eu, vai ser o caso, pois o nome da série é Spindle Cove e essa é a resenha do primeiro livro. Já tenho o segundo #Grazadeu e espero ansiosa o terceiro. E pelo que percebi na bienal passada a fofa da editora Gutenberg vai cair matando com romances de época.

O livro é ambientado em uma comunidade litorânea chamada Spindle Cove, muito pacata e conhecida na sociedade urbana como a terra das solteironas ou quase isso. Há quem diga que parece a ilha de Lesbos da mitologia grega...aff..despeitados!

Todo o verão a cidadezinha turística recebe inumeras jovens ladies para que elas desfrutem de tranquilidade. As fofocas dizem que as jovens que tiveram alguma situação chocante na sociedade são mandadas para lá até a poeira baixar. Moças escandalosas, perdidas ou inteligentes demais são mandadas aos cuidados da Senhorita Suzanna Finch, uma lady de respeito e filha única do conselheiro real de armas e guerra mais renomado.

Nossa história começa durante a apresentação da comunidade às recém chegadas moças, quando de repente ocorre uma explosão e Suzanna após ter rolado para longe, se descobre em uma posição indecorosa mas nem um pouco desconfortável.

A última coisa que o tenente coronel Victor Bramwell queria era se encantar por alguma moça, colocando em risco sua amada carreira militar. Mas ele acabou caindo de boca em Suzanna, com a explosão provocada pelo seu primo idiota, que resolveu explodir a estrada para afastar as ovelhas que atrapalhavam o caminho deles.

Victor é um soldado em recuperação, e se recusa a acreditar no fim de sua carreira militar só porque levou um tiro no joelho.

Suzanna se recusa a colocar a sua vida para orbitar ao redor da vida de um homem. E ensina sobre a força que as mulheres podem ter quando sabem se defender e param de se subestimar. Esse curso de empoderamento é ministrado por ela, que orgamiza a cidade e todos os seus habitantes (que não são muitos) para atender a todas as necessidadea das moças.

O que Victor não esperava era encontrar uma cidade praticamente sem homens, sim porque segundo ele os poucos que havia tinham suas bolas atrofiadaa por Suzanna Finch.

E Suzanna nunca tinha parado para notar que a cidade realmente carecia de homens, até ter que responder a todos os insultos de Victor.

Então, aqui temos uma(s) história(s) de superação, amorzinho, lascividade e comédia, em que ambos vão ter que unir forças para provar que a cidade existe e pode se defender sozinha, apesar do que as pessoas dizem.

Victor quer provar que apesar do joelho machucado ainda pode comandar um exercito. E Suzanna tem que ajudar  Victor a conseguir organizar o forte e os soldados, para que ele possa ir embora sem provocar muitos estragos e alvoroços, principalmente no coração dela.

É uma romance cômico, cheio de reviravoltas, e achei impossível não se identificar com alguma mocinha de Spindle Cove.

Fica a dica...até a próxima.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Quer fazer um blogueira feliz? Então deixa um comentário neste post! Você vai fazer todo o trabalho valer a pena rsrs
Mas tem um porém: Comentários ofensivos serão deletados.

Muito Obrigada por comentar! Volte sempre!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
© Garota Pai D'égua - Todos os direitos reservados.
Criado por: Bianne Souza.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo