quarta-feira, maio 06, 2015

Eu Li: O Príncipe dos Canalhas - Loretta Chase


 Título:
O Príncipe dos Canalhas
Autora:
Loretta Chase
Editora:
Arqueiro
Onde Comprar:
Saraiva | FNAC | Submarino


Sebastian Ballister é o grande e perigoso marquês de Dain, conhecido como lorde Belzebu: um homem com quem nenhuma dama respeitável deseja qualquer tipo de compromisso. Rejeitado pelo pai e humilhado pelos colegas de escola, ele nunca fez sucesso com as mulheres. E, a bem da verdade, está determinado a continuar desfrutando de sua vida depravada e pecadora, livre dos olhares traiçoeiros da conservadora sociedade parisiense. Até que um dia ele conhece Jessica Trent...
Acostumado à repulsa das pessoas, Dain fica confuso ao deparar com aquela mulher tão independente e segura de si. Recém-chegada a Paris, sua única intenção é resgatar o irmão Bertie da má influência do arrogante lorde Belzebu.
Liberal para sua época, Jessica não se deixa abater por escândalos e pelos tabus impostos pela sociedade – muito menos pela ameaça do diabo em pessoa. O que nenhum dos dois poderia imaginar é que esse encontro seria capaz de despertar em Dain sentimentos há muito esquecidos. Tampouco que a inteligência e a virilidade dele pudessem desviar Jessica de seu caminho.
Agora, com ambas as reputações na boca dos fofoqueiros e nas mãos dos apostadores, os dois começam um jogo de gato e rato recheado de intrigas, equívocos, armadilhas, paixões e desejos ardentes.


Hello amados! Como estamos? Já estão fazendo suas booklists para a Feira Pan Amazônica do Livro deste ano? Como assim não? É no fim do mês que vem. Sempre faço a minha listinha, mas também sempre acabo comprando outros livros que não estavam na listinha. Aff...fazer o quê! TT.TT
Bom...falando, ou nesse caso escrevendo sobre livros que não estavam na lista, temos o livro de hoje. Há alguns dias atrás...a nossa magnânima chefa Bianne veio me fazer invejinha via inbox sobre um romance de época que ela recebeu a prova (sim, o livro ainda nem saiu e ela já tinha...aff) da nossa querida editora Arqueiro. O que mais eu podia fazer, além de chorar e fazer mimimi na conversa até ela me dar o livro? Amigos, feliz estou em dizer que eu DE FATO consegui o livro.

Alguém aqui já ouviu falar de uma romancista americana chamada Loretta Chase? Égua...não creio que só eu não conhecia! Então...tive essa oportunidade (conquistada a muito custo no inbox) de saborear seu tipo de escrita, e fico feliz em afirmar que é muito diferente dos livros do mesmo gênero que andei lendo nos últimos tempos. Segurem as perucas que lá vem a intriga e as conversas desafiadoramente inteligentes…Muahhhhhhaa.

As diferenças começam que o livro não pode ser considerado de todo HOT, apesar do romance estar intrínseco na história, não chega bemmmmmmm a ser o nosso ponto forte aquelas cenas altamente descritivas no calor do momento do casal principal. É diferente do tipo de HOT que estamos acostumadas em sagas anteriores, lançadas pela mesma editora, tais como Os Hathaways, Os Rothwells e nosso queridinho clã Os Bridgerstons.

Primeiro acho que o livro em questão não se trata de uma saga. A autora pontualizou o final de tal forma, e não deixou muita brecha para outro personagem para um segundo livro, quem sabe? Isso já deve ser uma boa notícia para os leitores que não querem embarcar em uma saga longa, e ainda assim gostariam de ler um romancezinho épico de leve. Ou pelo menos nada encontrei sobre essa possibilidade até o presente momento.

Um dos pontos bem legais do livro é que o personagem principal masculino não é o estereótipo galante de heróis épico que a gente vê por aí. A começar pelo ´´apelido`` dele na alta e na baixa sociedade. Para os íntimos ´´Belz`` e para os não tão íntimos, Belzebu a seu dispor. Sim, o cara é altamente aterrorizante, mas a autora vai fazer questão de te explicar o porquê do comportamento dele, e meio que é justificado. O Marquês de Dain, além de intimidador, é um dos homens mais ricos da sociedade, e carrega nas costas corcundas uma infinidade de títulos e propriedades.

A autora construiu um tipo simples de anti-herói tão bem construído que ela te dá o motivo do comportamento dele logo no início do livro contando a história do pai dele e em seguida da mãe dele. Posteriormente a um desastre envolvendo os 3, ele é enviado para uma escola bem longe de casa e de todos. Considerado um verme pelos pequenos companheiros de colégio, e uma abominação por ele mesmo, ele aprende a se defender e ser magnânimo assim digamos.

Eis um ponto que quero ressaltar: a imagem que ele tem dele mesmo é de que ele é um cara grandalhão, desengonçado, corcunda e com um nariz de bruxa. O que é uma imagem totalmente reversa da que a Jessica (personagem feminina principal) tem dele. Para ela, ele é um daqueles personagens robustos e masculinos dos romances feitos para moças, e o nariz dele é um grande charme, sendo que para ela não há nenhuma corcunda em lugar nenhum.

Antes de passarmos as descrições sobre a Jessica Trent, outra coisa legal do livro, é que ele é inicialmente ambientado na França, ou seja, para um livro épico ele tem bem menos regras de etiquetas taxativas do que as londrinas. Depois ele passa a ser ambientado na Inglaterra, o que é bem legal, pois você não enjoa do cenário.

Durante uma bela tarde em que o Lorde Belzebu estava apreciando os artefatos diversificados em uma lojinha local, ele é surpreendido quando o irritante Sr. Trent, que sempre faz com que o Lorde Belzebu queira enforca-lo por dizer tantas asneiras, entra na mesma loja acompanhado de uma jovem mulher, a quem o Lorde logo associa a uma meretriz, o que ele não esperava era ser desafiado pela mulher em questão assim que ela abre a boca, ou que ela olhasse logo para o rosto dele (coisa que a maioria das mulheres parisienses não fazia) e elogiasse os seus olhos, sem o comum tom coquete das mulheres.

O fato de ela ajudar a avacalhar com o Sr. Trent de forma sagaz e inteligente também foi um charme a mais. Então ele resolveu REALMENTE olhar para a mulher em questão, e se descobriu fascinado. E pasmado quando ele descobriu que a beleza em questão era a irmã do irritante Sr. Trent, que veio a Paris justamente para pedir que o Lord Belzebu deixe o irmão dela em paz.


Bem o livro a partir desse encontro é cheio de confrontações entre eles, e quando o Belzebu descobre que ela é considerada pela sociedade como uma espécie de Femme Fatale indomável, mais atiçado ele fica em desafia-la.

Jess tem umas conversas bem ´´liberais`` com a avó dela, que também é uma famosa Femme Fatalle, então aqui temos uma personagem sem muitos pudores tolos sobre "não apreciar o vinho, antes de compra-lo". Essa personagem é totalmente diferente de tudo que já tinha visto por aí. Tipo #SPOILER depois de ele aprontar uma com ela, ela invade o clube em que ele se encontra e atira nele. FIQUEI PASSADA NESSA CENA!!!!! E adorei toda ela. Depois disso ele resolveu casar com ela. Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk....

Depois de alguns acontecimentos Jess vai descobrir por que Belzebu é assim, e ele vai descobrir que é possível encontrar o amor do outro lado de uma arma apontada para ele. Assim, como vai entender que o amor construído pode se apresentar de várias formas, e que o passado não foi escrito em rocha.

Então, espero que vocês tenham gostado dessa palhinha sobre a história, altamente recomendado para quem está procurando algum romance de época diferente.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Quer fazer um blogueira feliz? Então deixa um comentário neste post! Você vai fazer todo o trabalho valer a pena rsrs
Mas tem um porém: Comentários ofensivos serão deletados.

Muito Obrigada por comentar! Volte sempre!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
© Garota Pai D'égua - Todos os direitos reservados.
Criado por: Bianne Souza.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo