segunda-feira, julho 29, 2013

Eu Li: Como Dizer Adeus em Robô - Natalie Standiford


Título:
Como Dizer Adeus em Robô
Autora:
Natalie Standiford
Editora:
Galera
Onde Comprar:
Submarino | Saraiva | FNAC

Com um toque melancólico, o livro conta a singular ligação entre Bea e Jonah. Eles ajudam um ao outro. E magoam um ao outro. Se rejeitam e se aproximam. Não é romance, exatamente mas é definitivamente amor. E significa mais para eles do que qualquer um dos dois consegue compreender... Uma amizade que vem de conversas comprometidas com a verdade, segredos partilhados, jogadas ousadas e telefonemas furtivos para o mesmo programa noturno de rádio, fértil em teorias de conspiração. Para todos que algum dia entraram no maravilhoso, traiçoeiro, ardente e significativo mundo de uma amizade verdadeira, do amor visceral, Como dizer adeus em robô vai ressoar profunda e duradouramente.



Ser robô é uma metáfora. Ser robô é não deixar os sentimentos invadirem o coração e o tornarem mais frágil, mas fácil de ser quebrado. Bea já não era muito a favor de sentimentos antes de se mudar para Baltimore, mas desde então a situação só se agravou. E sua mãe faz questão de chamá-la de robô sempre que Bea tem seus ataques ‘não sentimentais’. Ela realmente parece feita de lata. 

Jonah é conhecido como Garoto Fantasma desde que seu irmão gêmeo Matthew, que nasceu com danos cerebrais, morreu alguns anos antes junto com sua mãe em um acidente de carro. Ele está lá, mas parece não estar sabe? É apagado, irônico, com um olhar triste, quase invisível perante os outros. Ele é o que chamaríamos de esquisito em nível master.

Os dois juntos... é totalmente....hum..estranho? A relação deles não é nada parecida com algo que eu já tenha visto antes. Não é uma questão de romance, mas é que com ele Bea deixou de ser tão robô e com ela Jonah deixa de ser tão fantasma. Eles se amam de uma forma pura e nova para ambos. Mas Jonah tem questões mal resolvidas com seu pai e isso vai atrapalhar sua relação com Bea.

Eu gostei da estória, mas não me identifiquei com os personagens. E olha que eu já desejei várias vezes ser um pouco robô, só para não me deixar afetar muito pelas decepções, mas não consegui, e não consegui me identificar com ela. Nem com Jonah. A obsessão dele com Matthew é muito grande, ele fantasia muito, sei lá. 

A história é triste, e eu me emocionei muito em algumas partes, já em outras eu sentia vontade de desistir por causa de tanta tristeza. Natalie escreve bem, e apesar das reflexões que o livro traz realmente não me encantou tanto quanto outros livros que eu li. Não me identifiquei com os personagens, e acho que a tristeza foi demais pra mim. Apesar disso tudo, eu acho que muita gente vai gostar. É aquele livro que foge do comum, do que está sendo publicado em grande escala atualmente. Não é um grande romance, uma distopia, um livro sobrenatural. É diferente do que está sendo publicado, e isso já é muita coisa.

(3,5)

2 comentários:

  1. Definitivamente, gosto de histórias que saiam do comum. rsrs
    Assim que vi este livro fiquei curiosa. O título chamou, realmente, minha atenção e esta é a primeira resenha que leio.
    Parece ser uma história com muitas idas e vindas, né?! Apesar de ser triste, como você disse, gostaria de ter a oportunidade de lê-lo.

    Beeijo
    @BrinaSophie

    ResponderExcluir
  2. Livros assim me chamam atenção eu gosto do novos lançamentos mas quando vem um livro totalmente diferente é bem legal e o titulo do livro é muito fofa a capa também eu acho que leria esse livro sim !

    ResponderExcluir

Quer fazer um blogueira feliz? Então deixa um comentário neste post! Você vai fazer todo o trabalho valer a pena rsrs
Mas tem um porém: Comentários ofensivos serão deletados.

Muito Obrigada por comentar! Volte sempre!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
© Garota Pai D'égua - Todos os direitos reservados.
Criado por: Bianne Souza.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo