quarta-feira, novembro 22, 2017

Eu li: Mulher-Maravilha - Sementes da Guerra - Lendas da DC #1 - Leigh Bardugo



Mulher-Maravilha: Sementes da Guerra
Título: 
Mulher-Maravilha: Sementes da Guerra
Autora
Leigh Bardugo
Série: 
Lendas da DC
Editora: 
Arqueiro


Antes de se tornar a Mulher-Maravilha, ela era apenas Diana.
Filha da deusa Hipólita, Diana deseja apenas se provar entre suas irmãs guerreiras. Mas quando a oportunidade finalmente chega, ela joga fora sua chance de glória ao quebrar uma lei das amazonas e salvar Alia Keralis, uma simples mortal.
No entanto, Alia está longe de ser uma garota comum. Ela é uma semente da guerra, descendente da infame Helena de Troia, destinada a trazer uma era de derramamento de sangue e miséria. Agora cabe a Diana salvar todos e dar seu primeiro passo como a maior heroína que o mundo já conheceu.

Resultado de imagem para wonder woman gif
Diva é diva né queridos? 

Com o lançamento do filme da liga da justiça semana passada, esse momento é muito oportuno para falar do livro Mulher-Maravilha: Sementes de guerra, da maravilhosa Leigh Bardugo (a autora da trilogia Grisha). 

Esse é o primeiro livro de uma saga chamada Lendas da DC, que vai recontar a história de alguns heróis pelo olhar de autores maravilhosos. 

O livro conta uma história muito diferente do filme e com uma narrativa bem típica da Leigh Bardugo, ou seja, cheia de humor, entusiasmo, empoderamento feminino e ação. 

Tudo começa quando Diana, princesa de Temiscira, avista destroços de um barco perto da ilha e resolve nadar até o local para ver se tem sobreviventes. Ela acaba resgatando Alia, uma humana com descendência grega/africana que possui em sua linhagem um segrego que põe em risco toda Temiscira e as Amazonas. 

Alia é uma Semente de Guerra, pessoas com o poder de trazer a discórdia e o caos ao mundo. Determinada a salvar Alia e suas irmãs, Diana parte em busca louca para terminar uma linhagem que vem desde de Helena de Troia e só pode acabar no lugar de descanso da mesma.

Com aliados como o irmão de Alia, Jason e dois amigos, Theo e Nim, eles lutam contra exércitos humanos e não-humanos, viajando de Temiscira, para Nova Iorque e Grécia. 

Eu adorei o fato do livro ser divertido, Diana tem um senso de humor ótimo e espontâneo, tanto que sua amizade com Nim (a personagem mais cheia de personalidade do livro) é fácil e verdadeira. 

Acredito que se eu resumir um ponto forte de tudo é o fato da amizade feminina ser tão sincera e claramente Bardugo queria alcançar o nível em que as garotas defendem umas às outras e criam um laço muito poderoso. 

Resultado de imagem para wonder woman gif
:D
Alia e Diana são duas personagens fortes, com mentes próprias, divergências e problemas que acabam sendo bem similares e as duas criam uma amizade e companheirismo memorável. 

A autora conseguiu unir todos os personagens lindamente. Diana seria supostamente a “heroína” da história, mas todos tiveram seu momento de glória, todos bem construídos e em perfeita harmonia, mostrando que é possível criar personagens importantes, com emoção, interessantes e para quem a gente possa torcer igualmente. 

Mulher-maravilha é um livro de amizade, sem individualismo, com ação, romance, dinâmicas engraçadas e tocantes e super-heróis da vida real. 





terça-feira, novembro 21, 2017

Nerdice Pai D'égua #21: Fugitivos

Hoje estreia no Hulu (um concorrente do Netflix nas gringa) mais uma série do universo Marvel, os Runaways, Fugitivos em português. EU TO MORRENDO DE EMPOLGAÇÃO.

cada dia uma Britney diferente me representando
 Vamos começar com a minha saga. Há mais de dez anos atrás (sério mesmo, 10 fucking anos), eu era uma jovem inocente que pegou um quadrinho na banca porque a revista tinha um formato estranho: era do tamanho de um mangá; me prometia X-Mens e estava repleta de adolescentes. Foi uma felicidade e uma frustração. Eu consegui comprar o número 1 da revista que era excelente, mas nunca consegui o número seguinte. Depois, por sempre ir em bancas de revistas, consegui comprar outras histórias da mesma galerinha. E mesmo fora de ordem, sem as vezes entender porque teve gente que sumiu e outras pessoas estavam lá do nada. Enfim, felicidades porque aquelas histórias eram MUITO boas e frustração porque demorou anos para eu enfim ir na internet e ler tudo on-line. Essa saga (rs, eu tentei me controlar) demorou anos até chegarmos em 2017.

Esse ano Fugitivos voltou a me assombrar por duas razões: primeiro ia virar série, e dois a revista ia voltar nas mãos de ninguém mais do que a minha musa Rainbow Rowell. Foi um sinal. Finalmente eu ia ler essa história direito para acompanhar tanto a série quantos os quadrinhos novos. Mas vamos ao que interessa, afinal essa série tem anos e muita coisa e aqui está o que vale a pena ler.
Vamos ao que interessa, juro que vou parar de narrar as minhas tristezas
Para quem se interessa nessa dor de cabeça, aqui está a lista de lançamentos desa série no Brasil. E para as pessoas que são virginianas como eu aqui está a ordem completa de leitura. Nos últimos meses eu segui essa ordem e aqui está as melhores coisas com as minhas crianças:

A história que vai virar série se foca nos primeiros volumes de Runaways, escrito pelo Brian K. Vaughan, escritor ganhador de vários prêmios Eisner, o Oscar dos quadrinhos, inclusive por esse quadrinho. 
"Era para ser apensa mais uma das entediantes reuniões anuais promovidas pelos pais de Alex, Nico, Gert, Karolina, Chase e Molly. O que os adolescentes não sabiam é que seus familiares escondem um terrível segredo: eles são supervilões, membros de uma sociedade secreta conhecida apenas como 'O Orgulho', que domina totalmente o submundo de Los Angeles. Agora, os seis precisam fazer algo para impedir os planos malignos de seus pais, fugir da perseguição da polícia e sobreviver nas ruas como... Fugitivos." - Coleção Pocket Panini vol. 3 - Fugitivos

A premissa da série é genial, todos esses adolescentes se reúnem pois os seus pais são amigos e fazem parte de um grupo de filantropos. Acontece que em uma dessas reuniões eles resolvem pela primeira vez espionar nos pais, o que os leva a descobrir que eles são supervilões. Superviolões em Los Angeles, longe da Nova Yorque populada de super-heróis e os Vingadores. Então os garotos se únem não só para fugir, mas para embarcar na missão de acabar com os seus pais. E cada um deles possui uma habilidade única.

Corre atrás de Avengers Arena, é fenomenal 10/10
As nossas crianças são: Alex, o estrategista e líder do grupo. Gert, filha de viajantes do tempo que conta com a conexão mental com um dinossauro chamado de Old Lace (uma princesa maravilhosa, por sinal). Chase, filhos de gênios do mal, mas que não passa de uma atleta meio sem cabeça com um bom desconfiômetro e excelente em fugas. Karolina, que descobre ser filha de alienígenas. Nico, filha de feiticeiros e dona do Cajado do Absoluto. E por último, e não menos importante, a nossa caçulinha Molly, que descobre ser mutante. 

olha como essa capa é linda!! *-*
gente eu não tenho emocional
pra Rainbow escrever Runaways.
Os primeiros dois volumes da série escritos pelo Brian K. Vaughan e depois pelo Joss Whedon são nada mais do que brilhantes. Personagens vão e novos chegam, mas os garotos continuam juntos. Até que as histórias da Marvel os separam.
Nico e Chase estrelam a série Avengers Arena, a Arena Vingadoes. Uma história fenomenal a estilo Jogos Vorazes com vários jovens heróis do universo Marvel. Mesmo que me doa ver as minhas crianças separadas, essa história foi fenomenal. Outra aparição memorável foi a Nico sendo uma das estrelas da revista A Force, uma equipe composta somente por super-heroínas no meio do Battleworld (alguma cagada do universo Marvel que deu preguiça descobrir qual era o papo). A Force teve dois volumes e além da Nico, tivemos a She-Hulk, Captã Marvel, Dazzler e Medusa. 

E agora desde 2009 (sinta essa dor), Runways não só voltou mas como voltou com todo o elenco original. E para quem é fã da Rainbow e não quer ler tudo que eu indiquei antes, dá pra começar pela história da Rainbow sim. Mas é claro vai pegar uns spoilers do que se passou.
O nosso anjo chamdo Rainbow Rowell não só reuniu a banda mas como trouxe de volta gente dos mortos. Um anjo. Uma princesa. Não sei o que o mundo fez para merecer ela. (fangirl, quem eu?!).

Hoje a série estréia no Hulu lá nos EUA, já no Brasil vai sair pelo canal pago Sony mas ainda sem previsão. Os produtores são a dupla Josh Schwartz e Stephanie Savage, os criadores de que nada mais, nada menos, que Gossip Girl. O que significa que essa dupla é mais do que especialista em fazer séries de drama adolescente (adoro!).  E enquanto não estréia no Brasil, confiram o trailer:


segunda-feira, novembro 20, 2017

Eu Li: Casada até quarta - Catherine Bybee

Título:
Casada até quarta
Autora:
Catherine Bybee
Editora:
Verus
Série:
Noivas da semana #1
Ano:
2017

Adicione ao Skoob


O contrato de casamento deles previa tudo.. menos se apaixonar.
O primeiro livro da série Noivas da Semana.
Blake Harrison: rico, nobre, charmoso... e precisando de uma esposa até quarta-feira. Para isso, Blake recorre a Sam Elliot, que não é o homem de negócios que ele esperava. Em vez disso, ele encontra Samantha Elliot, linda e exuberante, com a voz mais sexy que ele já ouviu.
Samantha Elliot: dona da agência de casamentos Alliance, ela não está no menu de pretendentes... até Blake lhe oferecer milhões de dólares por um contrato de um ano. Não há nada de indecente na proposta dele, e além disso o dinheiro vai ser muito útil para quitar as contas médicas da família dela. Samantha só precisa disfarçar a atração que sente por seu novo marido e evitar a todo custo a cama dele. 
Mas os beijos ardentes de Blake e seu charme inegável se provam muito difíceis de resistir. Era um contrato de casamento que previa tudo... menos se apaixonar. Agora só resta a Samantha proteger seu coração até que o contrato chegue ao fim.
Editora Verus, minha querida... você já pode continuar publicando séries assim, leves e descontraídas, para acalmar a tempestade do meu coração e mente bookaholic! Esse livro eu li em setembro em questão de 5 horas... e só levou tudo isso porque eu estava em meio a uma viagem para Gramado e a galera que estava comigo queria passear e não me deixavam muito tempo para ler livros... então eu lia de noite!

Ok, vamos a resenha...

O que um jovem rico pode querer ainda mais? Mais dinheiro, poder e de quebra um título! Sim, Blake Harrison, já possuía um pedaço do mundo em suas mãos... Pois gerencia uma das maiores esquadras de navios do pais.  Ele mora nos Estados Unidos mais é nascido na Inglaterra eis porque ele teria herdado o espaço a câmara dos lordes. As pessoas que o conheciam sabiam que ele detinha muito poder... mas imaginar que ele poderia herdar um título na câmara dos lordes? Quem poderia imaginar... e anda por cima poderia contrariar as vontades do pai, mesmo depois de morto... porque não?

A verdade  é que o pai dele era o detentor do título... mas eles não se davam bem. O falecido lorde era um homem horrível e sem vínculos afetivos com os filhos. Então quando Blake ficou sabendo que para receber o título, posses e o dinheiro o pai mesmo depois de morto queria ferrar a sua vida, não surpreendeu Black! O pai de deixou no testamento que para Blake receber o título, este teria que se casar... até aí de boas... não fosse o prazo apertadíssimo de tempo que restava a Black para executar a vontade do pai!

Procurar uma esposa poderia ser um atarefa até fácil... só que Black não está disposto a empregar nenhum mínimo esforço nisso. E precisa de uma mulher que não vá dar de toda melosa para o lado dele e tals... ele está precisando de uma parceira que entenda sua vida e consiga transitar naturalmente por ela. E pensando nisso ele resolver contratar uma agência especializada nisso: Alliance.

Ele já tinha em mente fixamente o que queria, mas tudo foi por água abaixo quando ele, que estava esperando um homem para sua reunião, acaba se deparando com a linda e deslumbrante ruiva Samantha Elliot. O que fez a mente dele entrar em "blackout"!

Samantha foi preparadíssima para sua reunião, como sempre! Ela sabia tudo sobre Black... e até mesmo o tipo de mulher que ele estava procurando. A reunião com ele se trata apenas de formalidades e ter certeza que ele não vai fazer nenhum mal a suas clientes. Por que a satisfação dos negócios estão em duas vias neste ramo. E o fato dele ser descaradamente lindo nas fotos... não preparou Samantha para o impacto de ver ele pessoalmente. Ainda assim, ela conseguiu manter a cabeça nos negócios!

Black não precisou de uma terceira reunião para resolver seu problema de casamento às pressas... bastou ele ouvir Samantha falar para saber que ela seria a parceira ideal para os seus planos. Pois ela sabe como esse tipo de situação acontece... e ele ficou impressionado em como ela conseguiu cavar sua vida pessoal como uma detetive profissional!

Samantha estava preparada para tudo, menos para receber uma proposta de casamento/negócios em sua segunda reunião com Black. Ele consegue atingir o ponto fraco de Sam... Elliot, sua irmã com uma triste história e que se encontra internada em uma clínica super cara que leva todo o dinheiro da Sam embora todos os meses. Então pensando em sua irmã ela traça um plano com Black e eles se casam...isso não é spoiler!

Spoiler é eu dizer como transcorre a vida deles de casados!

E bomba mesmo é quando Black descobre que seu pai colocou uma observação pequenina em seu testamento que ele deve cumprir também antes de conseguir o título!

As desventuras e interações de Black e Sam são divertidíssimas... é uma ótima dica de leitura para viagens que exigem de você poucas horas dentro de um avião ou mesmo de um ônibus! Nem preciso dizer que depois saí desesperada atrás do segundo livro... que me surpreendeu ainda mais com uma trama de filme de ação... mas isso já é papo para outra resenha!

Enfim... espero que tenham gostado... e até o próximo post!


quarta-feira, novembro 15, 2017

Eu Li: Jogo de Sedução - Nora Roberts

Título:
Jogo de Sedução
Autora:
Nora Roberts
Editora:
Harlequin
Série:
MacGregors #1
Ano:
2017

Adicione ao Skoob

Uma mulher forte, inteligente e audaciosa. Um homem cínico, intenso e cativante. Esta é receita ideal para um romance explosivo e inesquecível. Justin Blade sabia exatamente o que queria quando sentou na mesa de blackjack comandada por Serena MacGregor… e não era vencer o jogo. Dona de olhos hipnotizantes, ela penetrou sua mente como nenhuma outra mulher já havia conseguido. Mas será que esse relacionamento irá resistir quando todas as cartas forem colocadas na mesa?

Normalmente prefiro reservar minha humilde opinião sobre os livros para ao final da resenha, porém este livro aqui merece uma resenha diferenciada, então comecemos pela minha impressão! Ele é sem dúvida um dos livros que entrou para o meu top #10 de melhores livros deste ano... e que vale muito a pena recomendar. Poxa... são só 191 páginas. Isso é uma tarde em que nos encontramos entediados na vida ou no ônibus... e ainda por cima é escrito pela máquina de best sellers Nora Roberts!

Mas você deve estar se perguntando: Por que a Anne está tão empenhada em fazer a gente ler este livro? A resposta é bem simples e se resume em três pontos bem distintos: O mocinho é um latino que subiu na vida depois de levar muita porrada da vida; há varias inversões de papeis clichês nos romances e por fim mais não menos importante: foi o livro com o final mais divertidamente desconcertante que eu já vi esse ano!

Mas... ainda assim, eis aqui a resenha para você ver como estou sendo bem sincera!

O livro conta a história de Serena MacGregor uma linda jovem adulta que após passar anos e anos estudando para graduações, mestrados e doutorados resolveu tirar um ano como "licença sabática" assim digamos, e ela pegou a mochila dela e zarpou a bordo de um navio de luxo para cruzeiros. Mas calma aí que, apesar dela ter um nome forte e uma família super rica... ela foi com outro proposito! Ela foi como a mais nova crupie do casino do navio. E tudo ia bem... ela era a melhor no que fazia, pois aprendeu como ler as pessoas e consequentemente a como trabalhar com todas elas. 

Um belo dia, em sua última viagem como parte da equipe do cruzeiro, um homem taciturno e de olhar cativante sentou em sua mesa de trabalho para uma rodada de cartas. Até aí tudo bem... não fosse o caso de ela não conseguir ler ele! E ele está ganhando todos as rodadas... seria ele um contator de cartas?

A última coisa que Justin queria era problemas, ainda mais do tipo loira, linda, inteligente e magnetizante como a crupie da mesa. Mas foi mais forte que ele, e ele sempre segue seus instintos, afinal ele conseguiu o que conseguiu devido a eles. Mas o olhar inteligente dela é muito desafiador... e como ele está acostumado a conseguir o que quer e também como foi meio que obrigado a estar neste cruzeiro estupido ele tinha que arrumar algo para se distrair, então porque não? Ela parecia ser um desafio ótimo.

Se Justin tivesse se mantido somente presente na vida de Selena nos momentos em que ela é uma crupie, tudo estaria bem... mas quando ele começa a invadir seus momentos de folga... ela precisa colocar ele para correr! E é o que faz, mas ele consegue se mostrar sendo um mistério que instiga a mente astuta dela... então porque não? Se ambos querem algo informal... que seja.

E tudo ia bem quando eles alinharam o que queriam um do outro... só que algo sempre acontecia quando as coisas ficavam mais quentes... então o que você deve estar imaginando agora... sinto em te informar que durante o período deles no navio não aconteceu nada... eles só foram se conhecendo. E tudo ia bem até o fim da viagem onde algo chocante acontece...

O relacionamento deles desmorona quando eles respondem duas perguntas básicas:
1 - Qual é o sobrenome dela?
2 - Quem obrigou Justin a ir no cruzeiro?
E um tempo passa... quando eles têm suas vidas atadas novamente as cartas do jogo são outras!

Será que eles vão querer apostar alto?

Selena é a heroína que eu estava esperando encontrar em alguns livros... e o final dela foi perfeito!

Espero que tenham gostado da resenha... e espero que vocês também desfrutem de Selena e Justin como eu desfrutei... Mais uma vez obrigada Harlequin por ter me enviado esse livro lindo!


terça-feira, novembro 14, 2017

Eu li: Flores partidas - Karin Slaughter

Título:
Flores partidas

Autora: 
Karin Slaughter

Editora:
Harper Collins

Ano: 
2017

Adicione ao Skoob

Irmãs. Estranhas. Sobreviventes. 

Quando Lydia contou para a irmã que o cunhado havia tentado estuprá-la, Claire não acreditou. Dezoito anos depois, porém, tudo o que Claire achava saber sobre o marido se prova uma mentira. Quando vídeos escondidos no computador de Paul mostram uma face terrível do homem que ela julgava conhecer, Claire percebe que o drama de sua família tem muitas camadas, que precisarão ser descobertas antes que a assustadora verdade por fim venha à tona.


Quando eu penso que já li de tudo, vem a Karin Slaughter e diz: nananinanão!  Flores Partidas acabou com as minhas estruturas e por dias eu só vivi pra ele, pra tentar desvendar todo o mistério e tragédia que envolve essa família. 

Sam e Helen eram os pais apaixonados de três filhas: Julia, Lydia e Claire. Julia, a mais velha, estava na faculdade e era super envolvida com o movimento estudantil. Lydia, a do meio, era a rebelde que adorava uma farra e começava a ter seus primeiros problemas com drogas. Claire, a mais nova, era uma adolescente muito observadora, mas nunca gostava de chamar a atenção pra si. E esse é o perfil da família Delgado. Todos muito diferentes um do outro, mas se amavam e se apoiavam incondicionalmente, até que o pior pesadelo deles começou.

O livro começa com uma carta de Sam à sua filha desaparecida Julia. As cartas do pai eram uma tentativa de se convencer que a filha voltaria, mesmo que já tivesse se passado anos de seu desaparecimento. Um caso que nunca foi solucionado, até então. Muitos especulavam que a garota, na época com 19 anos, tinha ido morar com alguma comunidade hippie. Outros especulavam que tinha fugido com algum namorado da faculdade. Mas nada de concreto.  


Quando Julia desapareceu, todo mundo dizia que era muito trágico algo tão ruim acontecer com uma garota tão bacana. Então, quando o delegado revelou a teoria de que ela havia fugido de casa - para se reunir a uma comunidade hippie ou ficar com um rapaz -, o tom mudou, passando de simpatia para acusação.

Era março de 1991. A paz que pairava nesse lar mudou. Julia desapareceu. Lydia sucumbiu às drogas. Claire não entendia por que os pais se concentravam em procurar uma filha que talvez nunca voltaria, ao invés de olhar pra ela. Anos depois Sam e Helen se separaram e o pai não aguentou  a dor de viver os dias sem sua filha mais velha, e se matou. A família se dividiu mais ainda quando Lydia acusou o namorado de Claire de ter tentado estuprá-la, mas a irmã não acreditou. 

Claire abandonou a irmã e levou consigo sua mãe, o então namorado Paul, e um futuro brilhante que ele lhe proporcionaria. Já Lydia... Bem, em algum momento da vida ela largou as drogas e conseguiu encontrar motivação suficiente na vida para não acabar em um beco escuro morta por overdose. 

Paul proporcionou a Claire uma vida de princesa. Após a morte de seus pais, o rapaz teve que se dedicar muito para construir a fortuna e o império que comandava. A vida milionária não é para todos, mas certamente era para Paul e Claire. Eles eram perfeitos juntos. Um cara extremamente organizado, que sempre estava satisfeito com a esposa, fazia de tudo para agradá-la, e não media esforços para lhe fazer feliz. Claire havia casado com um homem perfeito, não muito bonito, mas com todos os outros atributos que ele tinha, exigir um galã seria demais. O único que enxergava Claire pelo que ela realmente era. O único que enxergava além da sua beleza. O único que foi capaz de ampará-la em um momento tão doloroso de sua vida. Quando começaram a namorar havia 5 anos desde o desaparecimento de Julia. Ele a amparou quando seu pai decidiu tirar a própria vida e não deixou com que Claire desmoronasse. Quando as acusações de estupro vieram, ele se manteve firme, e fez Claire enxergar que ele era o mundo dela, e que a irmã era uma drogada sem coração que queria destruir a felicidade dos dois. 

Precisava dele. Ele era a âncora que a impedia de ficar à deriva. 

Em uma noite, após saírem de um bar, os dois foram assaltados e Paul foi assassinado. No dia de seu velório, ao chegar em casa, Claire encontra agentes do FBI fazendo uma investigação sobre uma tentativa de roubo dentro da casa. E a partir daí, o que parecia ser só uma ocorrência sem importância, levou Claire a descobertas que ela jamais poderia imaginar. Quem era o homem com quem ela estava casada a tanto tempo? Poderia uma pessoa se enganar tanto a respeito de alguém? Será que Lydia sempre esteve certa sobre Paul? 

Depois de mais essa tragédia na vida de Claire, ela e Lydia acabam se encontrando novamente, e as duas são arrastadas para um mundo sombrio de descobertas das quais elas nunca poderão apagar de suas memórias. A partir daqui, qualquer coisa que eu falar pode ser spoiler

Eu nem sei como começar a falar desse livro. Karin escreve de forma magistral uma história com detalhes assustadores, palpáveis, e traz à tona assuntos sérios que são de extrema importância para nossa sociedade, como: feminismo, estupro, snuff porn e posicionamento político dos jovens. Apesar de ser uma escrita extremamente descritiva, não tem como se cansar de ler, são quase 400 páginas muito bem amarradas e explicadas, e para cada movimento dos personagens existe uma motivação por trás. 

Quando comecei a ler o livro eu não sabia nada sobre a história, não queria criar expectativas, mas tenho certeza que se eu criasse as mais altas que fossem, ainda ficariam abaixo do que a autora construiu nessa história. A forma como a narrativa em terceira pessoa nos apresenta os fatos, nos dá uma dimensão maior do que se passa com os vários personagens. Apesar da trama se concentrar em Claire e Lydia, muitos personagens secundários são essenciais para que tudo tenha uma ligação no final. Eles não ficam avulsos, todos tem um motivo para estarem ali, mesmo que no inicio achemos que eles são desnecessários. 

Karin, ao longo de todo o livro, constrói muito bem o perfil de cada um, e a cada capítulo você consegue se surpreender ainda mais com o que essa autora é capaz de fazer. Quando você acha que já descobriu tudo, desvendou todo o mistério, aparecem mais coisas escondidas que em uma frase, uma vírgula deixamos passar. E isso tudo torna o livro um prato cheio para fãs de um bom mistério, com muito suspense, thriller psicológico e muito drama familiar. 

Tenho certeza que muito estudo foi necessário para elaborar essa trama, e todos os assuntos foram tão bem desenvolvidos na história que eu só consigo parabenizar a autora pelo excelente trabalho que fez. Nada passou em branco, até os assuntos que eram mais desconhecidos pra mim, como a indústria de snuff porn, sua distribuição na deep web, ficaram claros e entendidos. 

Enfim, Karin Slaughter entrou para minha lista de autoras favoritas com apenas uma história. São 395 páginas que valem cada segundo e que com certeza vai te deixar muito ansioso para conhecer as outras obras dela. Nota máxima para esse livro que faz o leitor sair na zona de conforto, se remexer na cadeira, soltar suspiros de susto, de alívio, torcer, formar teorias, pra no final ver que só é a ponta do iceberg e que muito mais o espera pela frente. 

Leiam Flores Partidas e adentrem em um mundo feito para torná-lo inesquecível para o leitor. 

OBS: O conto A garota dos olhos azuis está disponível gratuitamente em e-book e se trata da vida de Julia antes do desaparecimento. Não precisa lê-lo antes de Flores Partidas, mas é interessante termos um vislumbre do perfil de Julia antes da tragédia. Não contém spoilers. Baixe aqui.

MELHOR LIVRO DO ANO!!!

segunda-feira, novembro 13, 2017

Eu Li: Uma Noite Inesquecível - Lisa Kleypas

Título:
Uma Noite Inesquecível
Autora:
Lisa Kleypas
Editora:
Arqueiro
Ano:
2017
Série:
As Quatro Estações Do Amor #4.5

Adicione Ao Skoob

O Natal está se aproximando e Rafe Bowman acaba de chegar a Londres para uma união arranjada com Natalie Blandford. Com sua beleza estonteante e o físico imponente, ele tem certeza de que a linda aristocrata logo cairá a seus pés. No entanto, seus terríveis modos americanos e sua péssima reputação de farrista deixam Hannah, a prima da moça, chocada. Determinada a proteger Natalie, ela vai tornar a tarefa de cortejar a jovem muito mais difícil do que Rafe esperava. Hannah, porém, logo começa a se importar mais do que gostaria com o rude pretendente da prima. Rafe, por sua vez, passa a apreciar um pouco demais a companhia de Hannah, uma mulher forte e pragmática com um coração doce e gentil. E quando Daisy, Lillian, Annabelle e Evie, quatro amigas inseparáveis que já conseguiram encontrar o homem de seus sonhos, decidem agir como cupidos, quem sabe o que pode acontecer? Uma noite inesquecível é uma viagem mágica pela Londres vitoriana, com os diálogos espirituosos e personagens memoráveis que consagraram Lisa Kleypas como uma das autoras de romances de época mais aclamadas pelo público. Nesta continuação da série As Quatro Estações do Amor, os mais cínicos se tornam românticos e até os mais tímidos suspiram, arrebatados de paixão.
Oi gente... que tal já começarmos a esboçar a nossa lista "Livros para ler no natal"? Claro que nessa lista não poderia faltar ao menos um título de romance de época. E pensando em dezembro vamos falar hoje do livro "Uma Noite Inesquecível". 

Essa autora e essa série de livros não são novidades aqui... acho que todos os livros dessa autora, ou pelo menos os publicados pela Arqueiro, tem resenhas no blog! Mas o que temos para hoje é uma história super curtinha, com cerca de 143 páginas sobre como Rafe Bowmam, o irmão das nossas protagonistas Lilian e Dayse, acabou indo para a Inglaterra a mando do pai para casar com uma dama. 

É importante lembrar que o pai dos Irmãos Bowmam é um homem pouco afetivo e que só se importa com o seu patrimônio e a expansão do mesmo. E este mesmo homem deixa bem claro inúmeras vezes o quanto é insatisfeito com o filho, que possivelmente vai herdar toda a sua fábrica. Nem preciso dizer que Rafe não tem nada haver com o pai! Ele conseguiu construir um império significativo para que não precisasse depender do pai, e se herda ou não as empresas não afeta a vida cômoda que conseguiu criar para sí. Mas ainda assim ele vai para Londres atrás da herdeira inglesa que o pai tanto quer juntar a sua família. Pois no final das contas Rafe ainda nutre aquela esperança ínfima de que o pai em algum momento se sinta orgulhoso dele.

Mas tudo vai por água a baixo quando em um encontro organizado por suas irmãs ele acaba conhecendo a prima de sua pretendente e ela não é nada do que ele esperava... e isso desestabiliza as pretensões dele sobre o porque ir para a Inglaterra.

Hannah sempre foi ofuscada pela prima, pois Natalie é uma flor delicada sempre foi cobiçada pela sociedade... e desde pequena Hannah foi doutrinada a proteger a prima, mesmo quando esta as vezes meio que destratava "a moda Inglesa" Hannah. E assim elas foram crescendo tendo muito carinho e consideração pela outra. E quando Hannah foi convidada por Lilian e Dayse para chá ela já sabia o porque. Então não se surpreendeu com a presença de Rafe no chá.

O que a surpreendeu foram os modos obtusos, desconcertantes e ousados de Rafe para com ela. Claro, que ela não iria deixar nenhum desafio sem resposta, mas o que ela poderia fazer se a boca dizia uma resposta afiada, mas o corpo respondia de modo efervescente.

E assim temos um jovem americano que está acostumado a correr riscos para conseguir o que quer... e uma jovem lady inglesa que vê no americano qualquer coisa, menos um marido ideal para a prima.

Os diálogos desses dois são divertidíssimos. O livro todo é muito descontraído e uma ótima pedida para aqueles que estão procurando um livro leve para curar aquela ressaca literária nossa de cada mês, e também para já ir entrando no clima do natal!

Espero que tenham gostado do post... até o próximo!


quinta-feira, novembro 09, 2017

Quinta em Outra Língua #61 - Vicious - The Villains #1 - V. E. Schwab


Título: 
Vicious

Autora: 
V. E. Schwab

Editora: 
Tor


Victor e Eli começaram como colegas de quarto na faculdade - jovens brilhantes, arrogantes, e solitários que reconheceram a mesma perspicácia e ambição um no outro. No seu último ano, um interesse compartilhado numa pesquisa de adrenalina, experiências de quase-morte, e eventos aparentemente supernaturais revelam uma intrigante possibilidade: que sob a certas condições, alguém poderia desenvolver habilidades extraordinárias. Mas quando a tésis sai do papel para o experimental, coisas dão terrivelmente errado.
Dez anos depois, Victor sai da prisão, determinado a apanhar seu velho amigo (agora inimigo), auxiliado por uma jovem cuja natureza reservada obscurece uma habilidade deslumbrante. Enquanto isso, Eli está em missão de erradicar todas as outras pessoas com superpoderes que ele pode encontrar - menos a sua ajudante, uma mulher enigmática com uma vontade inquebrável. Ambos os lados armados com terríveis poderes, impulsionados pela memória da traição e da perda, os arqui-inimigos estabeleceram um caminho para vingança - mas quem ficará vivo no final?


Nesta Quinta em Outra Língua vamos mudar um pouco o ritmo das coisas. Aqui estão oito razões para por que você PRECISA ler essa belezura de livro:

Você é inteligente demais para o seu próprio bem. Alguém já te disse isso?
Sim

1. Melhores amigos que viram inimigos

Victor e Eli são dois lados da mesma moeda, a mesma ambição, mesma fome por conhecimento e poder (duas crianças sonserinas). Enquanto Eli consegue tudo o que quer com seu charme, Victor consegue tudo com as suas mentiras. Eli é melhor em esconder o seu lado mais sombrio do mundo, mas Victor consegue ver através dos sorrisos. É isso que o atrai em Eli. Victor não é muito bom em esconder as suas tendências antisociais. É justamente a pesquisa em pessoas super-poderosas que leva a tona toda a obsessão do Eli. Os dois podem ser melhores amigos, arqui inimigos (e o meu ship errado), mas não conseguem ficar longe um do outro.

Eu serei a atriz estrelado os seus pesadelos.
(Uma imagem real de Victor Vale saindo da cadeia)


2. Super poderes - Qual é a diferença entre vilões e super-herois?


Em vez de se focar nos heróis altruístas da linha “com grandes poderes, vem grandes responsabilidades”, Vicious humaniza os seus personagens, deixando a linha entre heróis e vilões bem tênue. Eli se auto proclama um herói, mas as suas ações são bem questionáveis. E Victor, bem, só se importa com a vingança. Vicious nos faz nos perguntar o que torna alguém um herói ou um vilão. 
“Muitos humanos são monstruosos, e muitos monstros sabem se fazer de humanos.” Victor Vale
Personagens femininas bad-ass - Muito mais que sidekicks
As manas fazem as paradas acontecerem!

3. Personagens femininas badass

Se você pensa que esse livro só fala de meninos com super poderes e seus egos frágeis, pense de novo. Metade da graça da história são duas garotas, uma aliada ao Eli e outra parte do Squad do Victor, que simplesmente mandam na porra toda (literalmente, no caso da Serena). 
Serena e Sydney são irmãs que acabam em lados opostos nessa luta entre psicopatas rancorosos. São personagens incríveis, com histórias e motivações próprias (e com super poderes, claro) que não necessariamente tem relação com Victor ou Eli e, muitas vezes, elas são as únicas razões pelas quais os planos desses dois dão certo.

Eu tenho uma lista de nomes e o seu está em vermelho,
sublinhado
Eu checo uma vez, então eu chego duas vezes

4. Um rancor que durou 10 anos

Para as pessoas rancorosas como o Victor (e todos os cancerianos do planeta), ser traído pelo melhor amigo só pode significar uma coisa: caçar e destruir o elemento, no caso, o Eli.
Nosso psicopatinha favorito devota dez anos da sua vida só pensando no ex melhor amigo (que fofo) e em todas as formas de tortura conhecidas pelo homem que ele vai querer testar no dito amigo (talvez não tão fofo). 
E a gente sabe que existem poucas coisas melhores na vida que personagens sem jesus no coração dando uma de Beatrix Kiddo (vulgo A Noiva, vulgo Mamba Negra) atrás do Bill.
"Se Eli realmente era um herói, e Victor pretendia para-lo, isso o tornava um vilão?
Ele tomou um longo gole de sua bebida, inclinou a cabeça para trás contra o sofá e decidiu que poderia viver com isso."
UM PÔNEI?!

5. Um cachorro do tamanho de um pônei

Um cachorro do tamanho de um pônei! O que mais você precisa saber?


6. Mitch

Todo super vilão tem o seu Igor. No caso de Victor é Mitch, todo tatuado e com quase dois metros de altura Mitch também é mais do que parece. Junto com Sydney faz parte do squad do Victor. Colega de cela do Victor na prisão confia no Victor, ao mesmo tempo tenta proteger Victor de si mesmo e o mundo do Victor. Cota humano normal que você passa o livro rezando para não morrer.

Meu deus, olha que horas são. Hora dos feels ;-;

7. Feels, feels everywhere...

Bem, como todo livro da Victoria Schwab você vai ter vários ataques cardíacos. O ritmo é cinematográfico. Na primeira parte temos ao mesmo tempo o Victor saindo da cadeia indo atrás do seu ex, ex melhor amigo Eli; e também mostra 10 anos atrás, os dois ainda amigos com futuros promissores na faculdade e como tudo deu tão errado. A segunda parte é o jogo entre o Eli e o VIctor de vingança e acerto de contas. E eu não sei se eu torcia para eles se encontrarem logo ou ficar longe um do outro. 
Isso sem contar que é preciso de experiências de quase morte para garantir os superpoderes, o que nem acabou comigo. Não mesmo. 


8. Victoria Schwab, um chuchu que não tem pena de nós, pobres leitores

Victoria Schwab: um chuchu que não tem pena de nós, pobre leitores.
Ela é um docinho de pessoa que escreve as MELHORES histórias, sempre se preocupa com os leitores, faz questão de que o primeiro livro das suas séries possam ser lidos como um stand alone, cria personagens com dilemas e motivações reais (e com os melhores ships) e acaba com o nosso psicológico. Veio recentemente ao Brasil, na Bienal do Rio e respondeu perguntas dos fãs, autografou TODOS os livros de cada um (mesmo quando a pessoa tinha mais livros que os três permitidos) e foi, em geral, uma bolinha de açúcar. 
Como vários dos fãs naquele dia mencionaram amar Vicious (como não amar, não é mesmo?), que ainda não foi publicado no Brasil, os dois editores que representam ela no Brasil começaram a cogitar uma possível publicação por aqui...seria nosso sonho?

E é isso pessoal!
(eu nunca vou me cansar desse gif!)
Uma última informação nesse post que está só um pouquinho gigante, a Victoria Schwab está escrevendo uma continuação de Vicious. Segundo as poucas informações já liberadas, a história vai focar em novos personagens mas algumas pessoas desse livro também vão aparecer.
Cinco desfibriladores!


terça-feira, novembro 07, 2017

Eu Li: Os livros que devoraram meu pai - Afonso Cruz

Título:
Os livros que devoraram meu pai

Autor:
Afonso Cruz

Editora:
Leya

Ano:
2011

Adicione ao Skoob

Vivaldo Bonfim é um escriturário entediado que, escondido de seu chefe, lê romances e clássicos da literatura durante o expediente, na repartição de finanças onde está empregado. Um dia, enquanto finge trabalhar, perde-se nas páginas de um livro e desaparece deste mundo. Esta é a sua história - contada em primeira pessoa por Elias Bonfim, seu filho, que recebe como herança a biblioteca de Vivaldo e, então, inicia uma aventura pelos grandes clássicos em busca de seu pai, percorrendo obras repletas de assassinos, paixões devastadoras, feras e outros perigos feitos de letras.

Pode um livro que, supostamente, foi escrito para crianças falar tanto à um leitor adulto?
Bem, temos exemplos fantásticos na literatura, classificada como infantil, que aos olhos adultos são verdadeiras obras de arte. “O pequeno príncipe”, de Antoine de Saint-Exupéry, “Alice no País das Maravilhas”, de Lewis Carroll, entre outros, são livros clássicos infantis porém está na cabeceira de vários adultos no mundo. (Na minha, inclusive.)
“Os livros que devoraram meu pai” é um livro que pode passar despercebido, caso o leitor não se atente nele. O livro é pequeno, fino, e cheio de ilustrações, porém de uma grandeza incrível. 

Elias Bonfim achava que seu pai tinha morrido de enfarte, antes mesmo dele nascer. Mas quando fez 12 anos, sua avó contou a verdadeira história. Seu pai, Vivaldo Bonfim, amava a literatura e um dia ele entrou em um livro e nunca mais voltou. Sua avó, juntamente com a verdade, deu a chave da biblioteca para Elias e ele se firmou a achar seu pai pelo mundo literário. Literalmente. 

“Naquele sótão, eu encontraria todos os livros de meu pai, inclusive A Ilha do Dr. Moreau, aquele que ele usou para adentrar o mundo da literatura. Muito nervoso, recebi aquele presente. Ia finalmente conhecer meu pai, iria atrás dele, percorreria todas as palavras que ele percorreu, haveria de encontrá-lo por trás de uma frase, entre personagens de um romance. Ou assim acreditava. (...)”

Elias Bonfim faz uma verdadeira viagem literária. (Isso mesmo! Ele realizou o sonho dos bookarolics.) Dentre os livros que lê, ele procura pistas do seu pai. Elias interage com personagens de clássicos como “O médico e o mostro”, “O estranho caso do Dr. Jekyll e do Sr. Hyde”, “Crime e Castigo” e outros, e os reinventa. É interessante vê-los por um contexto diferente. Elias vai tentar encontrar seu pai, mas não sem antes deliciar o leitor com outras histórias.
Paralelo as suas aventuras literárias, está sua vida real. Família, amigos e escola não são esquecidos e é fascinante ver sua perspectiva de mundo. 

“Os livros que devoraram meu pai” é um livro fascinante, repleto de citações maravilhosas e carregado de fantasia e realidade. É um livro fácil, pois é narrado do ponto de vista de uma criança, mas é cheio de riqueza e significados. Os livros que nos são apresentados nas viagens de Elias são expostos de maneira que nos faz querer conhecê-los.
Aquela história de livros que indicam outros livros faz muito sentindo aqui. 

“Uma biblioteca é um labirinto. Não é a primeira vez que me perco em uma. Eu e meu pai temos isto em comum. Penso que foi o que lhe aconteceu. Ficou perdido no meio das letras, dos títulos, perdido no meio de todas as histórias que lhe habitavam a cabeça. Porque nós somos feitos de histórias, não é de DNA e códigos genéticos, nem de carne e músculos ou de pele e cérebro. E sim de histórias. Meu pai, tenho certeza, perdeu-se nesse mundo, e agora ninguém consegue interromper sua leitura.”

“Os livros que devoraram meu pai” ganhou o Prêmio Literário Maria Rosa Colaço de 2009. O autor, Afonso Cruz, foi perspicaz ao nos mostrar uma gama de grandezas literárias de forma simples e fácil em sua própria grandeza literária. 
Vale a pena ser devorado por este livro.

Leiam ♥

segunda-feira, novembro 06, 2017

Eu Li: Raptada Por Um Conde - Stephanie Laurens

Título:
Raptada Por Um Conde
Autora:
Stephanie Laurens
Editora:
Harper Collins
Ano:
2017
Série:
Irmãs Cynter #3

Adicione ao Skoob


Londres, 1829. Angélica Cynster decidiu comparecer ao sarau na casa de lady Cavendish como parte da estratégia para encontrar o seu herói e futuro marido. Ela sabia que o reconheceria à primeira vista. Por isso, quando notou a presença de um nobre misterioso, ela soube que era o seu escolhido. Apesar do aparente interesse, ele não fazia nenhum movimento para se aproximar, e paciência nunca foi o forte de Angélica. Confiando no seu instinto e na sorte que o amuleto da Senhora lhe dava, decidiu dar o primeiro passo e se aproximar daquele homem enigmático. Tudo ia bem no seu primeiro encontro, até que uma atitude do seu herói a faz questionar as intenções dele: Angélica acabara de ser sequestrada! Fechando a trilogia das irmãs Cynster, Raptada por um Conde revela a verdade sobre os sequestros das Cynsters. O desfecho dessa intriga depende da ajuda que Angélica pode oferecer a Dominic. Um enredo com personagens audaciosos e uma trama misteriosa e cheia de aventuras que vai conquistar o público.
Oi gente... sabe o que combina bem com o dia de hoje? Uma resenha de romance de época!

Quem acompanha as resenhas e matérias do blog bem sabe que sou "louca por romances de época" e sempre procuro dar dicas cativantes desta parte tão importante do gênero romance, então trago a dica de hoje para colocar você em "parafuso" como a editora Harper Collins colocou a mim, pois desde que eu li as "crônicas vampirescas" que eu não encontro um personagem tão intermitente entre vilão e mocinho como o nosso Dominic neste livro!

Mas antes de te apresentar este personagem masculino tão paradoxal, tenho que te apresentar a mocinha da história. Angélica Cynter nunca foi conhecida pela sociedade ou mesmo pela sua família e amigos mais próximos como "bela, recatada e do lar" ela sempre foi a mais destemida das irmãs. E por ser assim, e gostar de ser assim... é que se encontra em crise, pois devido as ameaças de sequestro inexplicáveis contra as irmãs Cynters ela anda sempre escoltada e não pode viver livremente como deseja.

Mas aparentemente seus problemas com isso estão chegando ao fim, pois segundo as notícias que conseguiu escutar na surdina, o misterioso mandante dos sequestros está morto. O que permite que Angélica possa curtir mais livremente o próximo baile da sociedade. E assim colocar em prática seu plano quase encantador!

Ela recebeu da irmã o colar da sua prima que é bruxa... e segundo consta: a pessoa portadora dele em breve vai encontrar seu verdadeiro amor. Só que Angélica não pretende deixar tudo nas mãos ardilosas do "Sr. Destino". Ela mesma pretende agarrar seu verdadeiro amor, custe o que custar. E é usando essa lógica que durante o baile ela faz "A" varredura do local atrás de bons pretendentes e em meio a essa busca, ela encontra um rosto novo e muito sedutor assim como um olhar inteligente de um jovem lorde que está conversando com seus primos. E aproveitando que o dono deste olhar é próximo aos seus primos... que ela vai e pede para ser apresentada ao misterioso Lorde Dabenham! 

Angélica ficou tão encantada por ele que decidiu que este Lorde seria seu e pronto! E para isso ela começa a se utilizar de todos os truques que sua mente diabólica poderia lembrar... até mesmo se utilizar da desculpa de que precisava de ar para ir ao terraço com ele, tendo em vista compromete-lo!

Mas a última coisa que poderia ocorrer a Angélica, de fato ocorre! Ela é sequestrada por Lorde Dabenham. Não que ela não tenha gostado e tals... mas ainda assim foi estranho. E assim Angélica descobre que na verdade Lorde Dabenham é responsável pelo sequestro de suas irmãs, e que na verdade ele não é só Lorde Dabenham... ele é algo mais!

E assim Angélica passa a ir conhecendo quem é Dominic e porque ele teve que sequestrar suas irmãs, assim como ela descobre que Dominic é mais ligado à sua família do que se esperava de um "quase" completo desconhecido. E isso só desperta ainda mias o interesse dela!

Dominic não é aparentemente o que se espera de um Lorde Inglês... ele não é esguio como a maioria, ele está mais para um pugilista, alto e forte, como olhos claros e sagazes, e cabelos negros como a noite! Também é mais inteligente que a maioria dos lordes, sem falsa modéstia. Mas a sagacidade e inteligência de Dominic não poderiam deixar ele preparado para o furacão Angélica Cynter, pois além da beleza ruiva incomparável, ela é muito mais voraz do que ele imaginaria e a inteligência dela está sempre ali presente para somar a dele e surpreende-lo. Pois afinal, o que poderia ter preparado Dominic para estas palavras de Angelica: " Vou ajudar você com o seu plano"?

E assim o casal foge para Gretna Greem e posteriormente seguem para as terras de Dominic. Só que entre estes dois fatos muita coisa vai rolar entre eles, pois além de se comprometer em ajudar Dominic, nossa nada doce Angélica também se comprometeu em agarrar ele para si. E de forma muito astuta ela vai seguindo os dois planos. Pois no final ela quer tudo, e isso quer dizer: as respostas para os sequestros, a segurança de sua família e ter o Dominic para sí. 

A pergunta que devemos fazer ao ler esse livro é: quem está mais em risco? Angélica ou Dominic?

Esse livro é INCRÍVEL!!!!!

Amei ler ele, e com toda a certeza do mundo entrou na minha lista top #10 do ano de 2017. E entrar na minha lista como o segundo melhor livro que li no ano, não é pouca coisa não... porque esse ano temos muitíssimos livros de romances de época para amar! Espero que vocês tenham curtido a resenha... e por favor, leiam o livro! Ele vale muito a pena... e se te ajudar a decidir dar uma chance para o livro: O Dominic é uma delícia de se ler!

Então até o próximo post... beijos!


sexta-feira, novembro 03, 2017

Eu Li: Um Encontro de Sombras - Um Tom Mais Escuro de Magia #2 - V. E. Schwab


Título:
Um Encontro de Sombras

Autora:
V. E. Schwab

Série:
Um Tom Mais Escuro de Magia

Editora:
Record


Kell e Lila estão de volta nesta sequência de Um tom mais escuro de magia Quatro meses se passaram desde que a pedra sombria caíra nas mãos de Kell. Quatro meses desde que seu caminho cruzara com o de Delilah Bard. Quatro meses desde que Rhy fora ferido, que os gêmeos Dane foram derrotados e que a pedra fora enviada com o corpo moribundo de Holland, pelo portal, de volta para a Londres Preta. Em diversos aspectos, as coisas quase voltaram ao normal, apesar de Rhy ficar mais tempo sóbrio e de Kell estar sempre assolado pela própria culpa. Inquieto e tendo desistido dos contrabandos, Kell é frequentemente visitado por sonhos sobre acontecimentos mágicos de mau agouro, acordando apenas para pensar em Lila, que desapareceu no píer como sempre desejara fazer. Conforme a Londres Vermelha finaliza as preparações para os Jogos Elementais (uma competição de magia internacional e extravagante com o intuito de entreter e manter saudáveis os laços entre os países vizinhos), certo navio pirata se aproxima, trazendo velhos amigos de volta ao porto da capital. Mas, enquanto a Londres Vermelha está absorta em bajulações e nas emoções dos Jogos, outra Londres está gradualmente voltando à vida, e aqueles que se pensava estarem perdidos para sempre retornaram. Afinal, uma sombra que se esvai no meio da noite reaparece pela manhã, e tudo indica que a Londres Preta se ergueu novamente. Sendo assim, para manter o equilíbrio da magia, outra Londres deve perecer.
Rainha Victoria Schwab está de volta no segundo livro dessa série maravilhosa. Essa mulher realmente não tem pena de nada e nem ninguém, e eu nem consigo fica com ódio dela. Ela esteve no Brasil no dia do meu aniversário e infelizmente não pude ir.



Esse segundo livro tem um clima bem diferente do que o primeiro. O anterior é aquela introdução que não explica muito mas vem com um BANG. Aqui vamos ter a expansão do mundo e o desenvolvimento dos personagens, assim como a apresentação de novos personagens. Nós nos reunimos com a Lila, o Kell e o Rhy quatro meses depois. Muita coisa aconteceu e eles ainda estão vivendo as consequências dos fatos do primeiro livro. Ao mesmo tempo, coisas estão acontecendo e a tensão que está sendo acumulada explode no final, deixando uma grande deixa puta cliffhanger para o próximo livro.

Nosso Kell está cada vez mais um poço de ansiedades e energia que precisa ser liberada. Lutar pela sua vida deixou marcas literalmente na sua alma. Algo mudou nele e Kell tem medo que nada possa voltar a ser como era antes. Sem os seus passatempos ilícitos ele se sente cada vez mais prisoneiro do seu dever. E fica pensado todo santo tempo na Lila. A titia Vic quer me matar com esse ship. É isso. É a única explicação plausível.

Já a Lila, a encarnação do emoji fight me (ง'̀-'́)ง, finalmente conseguiu o que queria e até um pouco mais. A bordo do navio do capitão Alucard ela está vivendo a vida no mar que sempre sonhou. Mas algo está a incomodando. Lila não está acostumada a ficar muito tempo no mesmo lugar. E tem também a pergunta que está a incomodando, o que exatamente ela é? Será que ela finalmente vai parar de procurar encrenca? (lol, não né?!)

A Lila até tem a cançãozinha de pirata dela. #orgulho

O nosso príncipe encantado Rhy tem mais espaço nesse livro. Assim como Kell as consequências de Um Tom Mais Escuro de Magia estão pesado nele. O que não o impede de ser o Rhy, o que significa fazer tudo da forma mais dramática possível e dessa vez vai ser a organização dos os Jogos Elementais. Assim como Kell ele está preso entre o dever com a coroa e o dever dele como irmão; o que não impede de inventar um plano mirabolante para tentar remediar as coisas.

Um novo persongem que já chega chegando é o capitão do navio que a Lila embarca, o Alucard. Cheio de segredos e "máscaras" Alucard é um homem de várias facetas e muitos charmes. Ele é a alma gêmea do Rhy em ser extremamente dramático e ter nenhuma vergonha por causa disso. O capitão dos nossos corações tem as melhores conversas com a Lila e ainda um passado com o Rhy. Qundo finalmente os quatro se reúnem no mesmo lugar é muito bom.

Alucard é o Howl, sim ou com certeza?
Esse livro foi a calmaria antes da tempestade. Ao mesmo tempo, é possível ver como a cagada (não tem palavra melhor pra isso, gentee) vai ser grande no próximo livro. Estou bem feliz que o A Conjuring of Light vai ser ainda maior que esse, a edição em inglês tem 600 páginas (aquela bíblia *-*). Principalmente não a nada pior do que último livro de série apressado que não consegue fechar a história direito. Espero que o meu coração aguente.

Cinco máscaras de demônio pra esse livro lol


quarta-feira, novembro 01, 2017

Eu Li: Sol e Tormenta - Trilogia Grisha #2 - Leigh Bardugo

Título:
Sol e Tormenta

Autora: 
Leigh Bardugo

Editora:
Gutenberg

Série: 
Trilogia Grisha

Ano:
2014


Perseguida ao longo do Mar Real e aterrorizada pela memória dos que se foram, Alina Starkov tenta levar uma vida normal com Maly em uma terra desconhecida, enquanto mantém em segredo sua identidade como Conjuradora do Sol. Mas ela não pode ocultar seu passado e nem evitar seu destino por muito mais tempo. Ressurgido de dentro da Dobra das Sombras, o Darkling retorna com um aterrorizante e novo poder e um plano que irá testar todos os limites da natureza.
Contando com a ajuda e com os ardis de um admirável e excêntrico corsário, Alina retorna ao país que abandonou, determinada a combater as forças que se reúnem contra Ravka. Mas enquanto seus poderes aumentam, ela se deixa envolver pelas artimanhas do Darkling e sua magia proibida, e se distancia cada vez mais de Maly. Ela será então obrigada a fazer a escolha mais difícil de sua vida: ter sua pátria, seu poder e o amor que ela sempre pensou ser seu porto-seguro ou arriscar perder tudo na tormenta que se aproxima.

"Sol e Tormenta" é o segundo volume da trilogia Grisha e conseguiu descabelar inteira. Todos os eventos que se passam neste livro estão intrinsecamente ligados ao livro um, "Sombra e Ossos", portanto, talvez apareçam alguns detalhes triviais considerados por muito de vocês como spoilers. De qualquer forma, quem não ainda não conhece a trilogia, tem resenha do livro um aqui no blog.

Depois de toda a confusão, mentiras e vingança no final de "Sombra e Ossos", o livro dois começa com Alina e Maly fugitivos em outra cidade para além do Mar Real. Desde que Alina conseguiu controlar o poder do amplificador de Marozova, deixando Darkling e seus grishas na Dobra das Sombras, ela tenta levar uma vida normal. Mas para aparentar uma normalidade, ela precisa esconder seus dons e isso a enfraquece. Alina quer acreditar que conseguirá fugir do Darkling, mas sente que é impossível se desvencilhar do elo que os une.

"Somos parecidos, disse ele, como ninguém mais é, como ninguém mais será.
A verdade daquilo ecoou dentro de mim. Os similares se atraem."

A Alina que conhecemos em "Sombra e Ossos" está mudada. Ser a Conjuradora do Sol exige muito dela e, claro, atrai muitos olhares cobiçosos para seu poder. Quando Darkling consegue alcançá-la (porque ele é badass e pode tudo, bj), descobrimos que ele foi atingido de uma forma assustadora pela Dobra. Nichevoya, monstros de sombras altamente destrutivos, estão sob seu poder e Alina não sabe lidar com essa realidade. A pequena ciência é usada por grishas que conseguem manipular matéria, mas o poder de Darkling ultrapassa qualquer tipo poder conhecido. É feitiçaria. É maldição.

Fica claro que os planos de Darkling para Alina ainda não acabaram. O amplificador de Marovoza acaba se mostrando apenas um elemento de um conjunto que, se combinados, pode se transformar em uma fonte de poder insuperável. Junto com a tripulação de Sturmhond, um corsário cheio de mistérios, Alina alcançará mais um elemento para o amplificador, porém, a que preço? 
Depois de uma série de revira-voltas, Alina se vê novamente em Os Altas, a cidade real de Ravka, tentando dar um basta no poderio do Darkling com a ajuda de Nikolai, um príncipe com qualidades (e defeitos) interessantes e que almeja pelo trono. 
Paralelo a esses eventos, há o fato que Alina é considerada uma santa por uma multidão de peregrinos que a seguem. Muito engenhoso, querida autora. Muito engenhoso. 
Obviamente que a política falará muito alto, mas a fé que move o povo é de arrepiar verdadeiramente. Alina não sabe lidar com nada disso com a placidez que o Darkling lidava, porém a necessidade de ela aprender a fazer isso o mais rápido possível é imprescindível. 

Esse livro é interessante por vários motivos. No começo acontece muita coisa de uma vez só, porém quando Alina chega em Os Altas, a autora parece mudar o foco da aventura para a estratégia. Entendam, Alina se vê no meio de uma competição política na monarquia em um tempo de guerra. É inteligente como Leith Bardugo insere o leitor de forma sutil nos assuntos internos do primeiro e segundo exercito. Estávamos fugindo numa maquina voadora e de repente somos enredados por esses conflitos. O livro fica até em um ritmo mais lento, porém achei necessário para o leitor entender a complexidade política. Alina, que era apenas uma cartógrafa há menos de 1 ano, agora é uma das grishas mais poderosas que se tem noticiais e o preço a pagar pode ser alto.

Repito: a autora foi extremamente inteligente ao dar essa amplitude dos fatos para o leitor; os conflitos políticos, a manipulação da fé do povo e a dificuldade de lidar com uma monarquia incompetente são elementos tão importantes como a guerra com o Darkling e seus Nichevoya.
Se a metade do livro é lentamente estratégico, Leigh Bardugo dá um giro em 180° na sua conclusão. Sério, terminei o livro sem ar!

Sol e Tormenta é um ótimo intermediário para a conclusão desse universo. O que acho realmente incrível nessa trilogia é que o bem e o mal não andam separados. Ao contrário, eles se confundem em verdades e equívocos intrínsecos. As razões para a guerra, se analisadas friamente, podem ser justas de ambos os lados, porém não se enganem: o poder é a maior justificativa para alcançar esse domínio.

"O medo é um aliado poderoso, ele disse. E leal."
Mapa do universo de Leigh Bardugo no interior do livro. Adoro mapas! 

Os personagens continuam muito bem trabalhados. Nikolai se mostrou um potencial concorrente para Darkling em meu coração, então ainda não consigo entender a obsessão de Alina por Maly, mas ok. A relação dos dois fica até um pouco piegas em algumas partes, mas nada que me incomodasse ao ponto de largar o livro. Também somos apresentados a Tamar e Tolya, dois grishas rebeldes que nunca fizeram parte do segundo exercito, porém que sabem se defender como ninguém. Fora alguns personagens já conhecidos como David, Zoya e Genya, que nos surpreenderão de formas confusas nesse livro. Alguns nomes e termos apontam que a forte inspiração russa na história também continua presente. 

Quero abraçar para sempre a Editora Gutenberg pelo trabalho na tradução brasileira. Os livros são visualmente lindos (como se a história já não fosse fabulosa). A capa é maravilhosa (na minha humilde opinião), o interior do livro super é bonito, a diagramação é ótima, as páginas são amareladas e grossas, enfim... é um ótimo trabalho.
Eu, como leitora, agradeço.

A trilogia já está completa aqui no Brasil e em breve darei meu parecer sobre a conclusão dessa história incrível. A editora já publicou outros livros da autora, inclusive, no mesmo universo grisha. A Vivian escreveu sobre "Six of Crows" na coluna Quinta em outra língua aqui no blog e vocês podem dar uma olhadinha.

Leiam aaah ♥

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
© Garota Pai D'égua - Todos os direitos reservados.
Criado por: Bianne Souza.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo