terça-feira, outubro 31, 2017

Eu li: Como Agarrar uma Herdeira - Agentes da Coroa #1 - Julia Quinn

  Título: 
Como Agarrar uma Herdeira 
Autora: 
Julia Quinn
Série: 
Agentes da Coroa
Editora: 
Arqueiro


Quando Caroline Trent é sequestrada por engano por Blake Ravenscroft, não faz o menor esforço para se libertar das garras do agente perigosamente sedutor. Afinal, está mesmo querendo escapar do casamento forçado com um homem que só se interessa pela fortuna que ela herdou.
Blake a confundiu com a famosa espiã espanhola Carlotta De Leon, e Caroline não vai se preocupar em esclarecer nada até completar 21 anos, dali a seis semanas, quando passará a controlar a própria herança milionária. Enquanto isso, é muito mais conveniente ficar escondida ao lado desse sequestrador misterioso.
A missão de Blake era levar “Carlotta” à justiça, e não se apaixonar por ela. Depois de anos de intriga e espionagem a serviço da Coroa, o coração dele ficou frio e insensível, mas essa prisioneira se prova uma verdadeira tentação, que o desarma completamente.

Resultado de imagem para julia quinn gif
Romance de época é tudooo :D

Hoje eu começo com uma pergunta muito importante: Julia Quinn é rainha, sim ou claro? 

Não há dúvidas de que quando se trata de romances de época ela sabe mesmo unir um casal maravilhoso e consegue ainda adicionar comédia e aventura na mistura, pra tudo sair um primor. 

Sou seguidora da Julia faz tempo e sempre tiro tempo pra ler livros novos dela. Como agarrar uma herdeira já inicia apresentando uma mocinha nada convencional para época dela e que me fez rir o livro inteiro. 

Caroline Trent é órfã e com uma grande fortuna da qual ela só pode ter acesso quando completar 21 anos. Isso fez com que ela sofresse muito nas mãos dos seus tutores, sendo Oliver Prewitt, o quarto e atual tutor, o pior deles. 

É por causa das condições nada respeitáveis que Oliver a coloca que Caroline decide fugir e voltar apenas quando puder pegar sua fortuna e sumir do mapa. 

É nessa escapada que ela é sequestrada por Blake. Esse é um espião da corte atrás de uma espiã espanhola e ele acaba fazendo uma grande confusão achando que Caroline é essa espiã. Vocês conseguem imaginar essa situação? 

Quando eu digo que eu gargalhei com esse livro, eu estou falando sério. Caroline é super tranquila com toda a situação, para ela é até melhor ter sido sequestrada por Blake, já que pelo menos pode ficar longe de Oliver. Ela faz da vida do nosso herói o verdadeiro inferno, reorganizando a casa do cara, falando pelos cotovelos, conquistando os empregados e conquistando devagar Blake também. 

Resultado de imagem para julia quinn gif
Basicamente Caroline. 

Blake é muito mais sério (por motivos pessoais) e muito difícil de se abrir pra um novo amor, mas se ele é perigoso, cara fechada e vive resmungando pelos cantos, Caroline é o completo oposto e faz questão de botar um sorriso na cara dele (o próprio raio de sol). 

Eu adorei a interações com o melhor amigo de Blake (personagem principal do próximo livro), ele botou muita corda na relação e adorava ver os dois brigando. Outros personagens que roubaram a cena foram os empregados (a cozinheira e o mordomo) que firmaram uma frente unida para Caroline ficar permanentemente na casa. 

Enfim, senti falta de um pouco mais de romance, mas no geral é um livro rápido, leve e divertido para ler e Julia Quinn é sempre recomendadíssima por mim.

Resultado de imagem para julia quinn gif
Até a próxima :)


segunda-feira, outubro 30, 2017

Eu li: A melodia feroz - Monstros da violência #1 - Victoria Schwab


Título:
A melodia feroz
Autora:
Victoria Schwab
Editora:
Seguinte
Duologia:
Monstros da violência
Ano:
2017

Adicione ao Skoob

Kate Harker e August Flynn vivem em lados opostos de uma cidade dividida entre Norte e Sul, onde a violência começou a gerar monstros de verdade. Eles são filhos dos líderes desses territórios inimigos e seus objetivos não poderiam ser mais diferentes. Kate sonha em ser tão cruel e impiedosa quanto o pai, que deixa os monstros livres e vende proteção aos humanos. August também quer ser como seu pai: um homem bondoso que defende os inocentes. O problema é que ele é um dos monstros, capaz de roubar a alma das vítimas com apenas uma nota musical. Quando Kate volta à cidade depois de um longo período, August recebe a missão de ficar de olho nela, disfarçado de um garoto comum. Não vai ser fácil para ele esconder sua verdadeira identidade, ainda mais quando uma revolução entre os monstros está prestes a eclodir, obrigando os dois a se unir para conseguir sobreviver.

Seeeeeeeeeenta, que lá vem história! Eu ACABEI de terminar esse livro e já vim correndo escrever, enquanto a euforia está tomando conta de mim!!!


Venham surtar junto comigo!

Em A melodia feroz somos apresentados a um cenário onde a fantasia contemporânea está inserida em um futuro distópico em que a violência cria monstros cruéis e reais. Nunca a frase " violência gera violência" fez tanto sentido, como nesse livro. 
Veracidade é um dos principais territórios que restaram de um Estados Unidos pós-guerra, que foi devastado depois de algo que eles chamam de "Fenômeno". Alguns anos depois, por causa das ondas de violência quase incontroláveis, uma trégua a restaurou, mas o que antes era uma cidade se tornou duas. Os conflitos de interesse entre os lideres do território os forçaram a criar um limite, uma espécie de fronteira entre Cidade Norte, comandada por Callum Harker, e Cidade Sul comandada por Henry Flynn.

Doze anos desde o Fenômeno, quando a violência começou a tomar forma e a Cidade V desmoronou.
Seis anos desde a trégua que a restaurou, não como uma cidade, mas como duas.

Nessa sociedade somos apresentados a monstros que nascem a partir de atos violentos: os Corsais que são sombras disformes, vivem na escuridão, se alimentam de carne e osso e nascem a partir de crimes não fatais; os Malchais, apesar de terem silhueta humana, tem a pele transparente revelando seus ossos pretos, vivem na Cidade Norte onde são escravos de Harker, se alimentam de sangue e nascem a partir de assassinatos; por último, os mais raros são os Sunais, existem apenas três e todos vivem na Cidade Sul protegidos por Flynn, que os tem como filhos. São os mais próximos da forma humana, nascem a partir de tragédias em massa e se alimentam das almas de pecadores. 

Monstros grandes e pequenos, cadê?
Eles virão para comer você.
Corsais, corsais, dentes e garras,
sombra e ossos abrirão as bocarras.
Malchais, malchais, cadavéricos e sagazes,
bebem seu sangue com mordidas vorazes.
Sunais, sunais, olhos de carvão,
com uma melodia sua alma sugarão.
August é um desses monstros, o mais novo dentre os sunais e super protegido pela família. Em um cenário onde a trégua entre as cidades está prestes a ruir, os filhos de Flynn são quem ele mais quer proteger, mas ao mesmo tempo, são como armas capazes de causar muita destruição. Ilsa é doce, amorosa, é o coração dos três; Leo é a bravura, a justiça, e a razão; August é o equilíbrio, um personagem que você cria simpatia logo de cara, e se vê muito angustiado com os questionamentos que o garoto faz sobre a sua existência. Quem são os monstros afinal? Pessoas que cometem atos monstruosos Harker por exemplo, ou aqueles que foram formados por causa desses atos?



Enquanto August é o equilíbrio, Kate é a rebeldia, só quer chamar atenção do pai e provar que é uma verdadeira Harker, alguém sem piedade e que tem coragem para enfrentar seus monstros. Enquanto August, no fundo, gostaria de ser humano, Kate acha que precisa tomar atitudes monstruosas pra sobreviver.

Na escola, quando ela e August se conhecem, ela nem imagina que ele foi enviado para vigiá-la, assim como o garoto nem imagina que por trás de uma paternidade cruel, existe uma garota com feridas deixadas por causa da perda de sua mãe.
Os dois fazem uma bela dupla, e uma série de decisões arriscadas faz com que eles acabem trabalhando juntos para defender suas vidas e o que eles acham que é justo.

Comecei a ler esse livro depois de uma ressaca literária de QUATRO meses. Quatro meses sem ler absolutamente nada, e A melodia feroz me tirou desse castigo!
O que eu mais gostei nesse livro é como a autora trata o conceito de violência, ela faz uma metáfora mais do que apropriada ao que atos cruéis podem causar na sociedade: mais atos cruéis. Para cada crime uma personificação diferente, algo muito crível, e que poderia ser muito bem o contexto da nossa sociedade.

Victoria consegue passar para o leitores exatamente o que imaginou para esse universo, e não tem como não pensarmos que poderíamos viver essa realidade. Um elemento que é fundamental no livro é a música, e pelo título já dava pra imaginar, mas não esperava que fosse da forma como é. Outra metáfora incrível de como a música pode transcender o corpo, a alma e a mente. Outro ponto que achei super positivo, é que a história não cai no clichê do romance, pelo menos não nesse volume. Nesse livro a relação dos dois se trata de construção de confiança e amizade, eles tem suas diferenças óbvias, e é por causa delas que irão aprender um com o outro.

O final foi inesperado e cheio de ação, não previa muitas coisas que aconteceram, o que me deixou muito ansiosa para o segundo e último volume chamado Our Dark Duet (Nosso dueto sombrio, em tradução livre). Foi lançado na gringa em Junho desse ano, ainda sem previsão de lançamento no Brasil. Enquanto isso vou me aventurar em outras obras da Victoria, porque amei real esse livro e acredito que os seus outros sejam tão bons quanto.

Leiam A melodia feroz e mergulhem nesse universo criado pra prender o leitor do começo ao fim.
Espero que tenham gostado, e até a próxima!

Muitos humanos são monstruosos, e muitos monstros sabem se fazer de humanos. - V. A. VALE

Beijos!

Precisam ler!!!

sábado, outubro 28, 2017

[Resultado] - Promoção Semana Especial de Terror



E vamos ao resultado!!!!
A semana de terror também trouxe novamente um prêmio duplo: A HQ O Despertar do Cthulhu (resenha aqui) e um Funko POP do próprio.
A ganahdora foi:

Amanda Luíza

O resultado pode ser visto AQUI

Amanda, por favor, entre em contato conosco pelo email garotapaidegua@hotmail.com, pelo nosso Instagram ou pelo facebook até a próxima sexta feira, 03/11.




E é isso, pessoal. Não percam nossos eventos domingo:
 


Acompanhem para saber sobre nossas próximas promoções.

sexta-feira, outubro 27, 2017

Na Tela: 10 dicas trevosinhas para assistir no Halloween!

Oi Gente... nesta sexta-feira o que temos de bom? Temos ícones do Halloween baby! Já dá para começar aquela sua lista de filmes para ver no Halloween! Posso tentar invadir sua lista com 10 dicas espertas?

Temos uma singela lista de 10 filmes e séries que indico para assistirem neste Halloween. Afinal, nesta época do ano, podemos alternar entre os filmes e séries com muito sangue e mortes... com essas dicas trevosinhas diferenciadas e que também possuem a cara e o ´´espirito`` do halloween! Vamos a lista? 

Susto #10 - A Família Addams 

Para você que curte essa época do ano tanto quanto eu, desde criança... acho que é inevitável não começar com ´´A família Addams``.

Essa família tão freak que há muito tempo vem roubando nossos corações, são uma boa pedida para assistir, seja as versões de filmes, séries e desenhos... pois o mundo que a engloba é muito vasto para agradar todos os públicos!


Susto #9 - Os Fantasmas Se Divertem

Tá... se eu pudesse colocaria aqui todos os filmes do Tim Burton! #Fato. Mas estou me segurando para não fazer isso, ou pelo menos me ater a 3.

Mas pergunto aqui, as pessoas que já viram esse filme: Quem nunca cantou junto na cena clássica do jantar? E digo mais... quem nunca se remexeu na cadeira tentando fazer a coreografia? Imagino que vocês provavelmente devem ter feito isso... porque eu mesma fiz... vamos ao teste: Consegue ler as seguintes frases sem entrar no ritmo?
"Day-o, day-ay-ay-o.Daylight come and he wan' go home.Day, he say day, he say day, he say day, he say day, he say day-ay-ay-o.Daylight come and he wan' go home."
Susto #8 - O Estranho Mundo De Jack


A meu ver esse filme tem muito mais a ver com o natal do que com o Halloween, porém... acredito que podemos começar a nos encantar com a busca de Jack desde já!

Afinal... ele vem da terra do Halloween.

Susto #7 - A Noiva Cadaver

Tim Burton... é Tim Burton, e acho que ele consegue ganhar nossos corações de cada nova maneira excêntrica que é encantador. 

Nesta dica o que mais me chama a atenção, após valorizar todo o trabalho que deve ter dado na produção da animação, são as músicas... que são assustadoramente marcantes.

Susto #6 - Coraline


Esse filme consta na minha lista de filmes ´´para assistir mais ainda não rolou``. Todas as vezes que ensaio para assistir, vejo imagens dessa garotinha e outros personagens com os olhos de botões e isso meio que me deixa meio pilhada. 

Mas assim como Tim Burton é chave quando falamos de animações trevosinhas... Eu tinha que colocar o filme baseado na obra do autor Britânico Neil Gaiman na mesma lista, né? 

Susto #5 - A Lenda Do Cavaleiro Sem Cabeça

É sério que eu tentei não fazer uma lista SÓ DE FILMES COM SELO BURTON mas esse aqui também é uma dica legal e tals...

Gosto muito do clima e cenário desse filme... apesar de achar ele  de certo modo leve no quesito terror, curto muito o desenrolar da lenda do cavaleiro e o final mais que merecido da bruxa!
Susto #4 - Amorteamo

Nem só de dicas estrangeiras está composta nossa lista... essa série da Globo totalmente me arrancou noites de sono em um bom sentido!

Não por ela ser assustadora e tal... mas porque eu achei a proposta, cenário e história tão lindinhas e cativantes. Me fez lembrar um pouco da Noiva Cadáver! Então eu tinha que deixar aqui essa dica bem estilo ´´Gótica Suave``!

Susto #3 - Entrevista Com o Vampiro

E já que estamos entrando na onda das góticas... Temos em terceiro lugar este filme que recentemente voltou as rodas de conversa pois é suposto que as crônicas vampirescas vão virar série de tv!

E não teria como eu fazer uma lista de filmes para o Halloween sem colocar nela a representação da diva Anne Rice.#TEAMLESTAT

Susto #2 - Drácula

E já que estramos no quesito vampiros que amamos... claro que não podia faltar nosso estimado Conde Drácula.

Todos sabemos que esse nome "Drácula" agrega uma lista quase infinita de adaptações, sejam elas boas ou ruins, mas essa do gif ao lado é a minha adaptação favorita (#SorryButNoSorry) ou a que chega mais perto de representar bem a forma epistolar de escrever do Bram Stoker.

Susto #1 - Penny Dreadful

Das pessoas que viram esta OBRA PRIMA em forma de série... levante a mão as pessoas que, assim como eu, ainda estão inconformadas com: O fim sem pé nem cabeça da série? O destino da Vanessa Ives? E essa cena que acabou como meu coração quando eu descobri do que se tratava!

Mas a pergunta que ainda coroe meu cérebro é: mas que p@##$ aconteceu com o Drácula? 

Ufa... consegui fazer esta lista sem chorar (muito)!

Espero que todos tenham gostado. Inicialmente era para ser um Top #5, mas o que uma viagem de ônibus não faz com a gente? Foi surgindo outros 5 nomes que não poderiam faltar nesta lista. E aí... ficou assim...rsrsrsr

Beijos... e até o próximo post!

quinta-feira, outubro 26, 2017

Quinta em Outra Língua #60 - There's Someone Inside Your House - Stephanie Perkins



Título: 
There's Someone Inside Your House

Autora:
Stephanie Perkins

Editora:
Dutton Books for Young Readers


Pânico encontra o YA neste novo e aguardo romance da autora do best-seller Anna e o Beijo Francês.
Um por um, os alunos de Osborne High estão morrendo em uma série de assassinatos horríveis, cada um com crescente e grotesco requinte. A medida que o terror se aproxima e a caçada pelo assassino de intensifica, os segredos obscuros entre eles finalmente devem ser confrontados.
A autora best-seller internacional, Stephanie Perkins, retorna com uma nova pegada na clássica história de terror slasher adolescente que é divertida, rápida e completamente impossível de largar.
Stephanie Perkins está de volta, uma das melhores autoras do gênero YA contemporâneo, conhecida por livros fofinhos que são ótima propagandas de turismo em cidades europeias. Os personagens dela são únicos e cativantes, e a gente tem vontade de ser amigos deles. E dessa vez não foi diferente.

Já faz 84 3 anos que a titia Steph falou no twitter que o seu próximo livro seria uma mistura de um YA contemporâneo e o horror slasher. Para quem não sabe, slasher é um gênero de filmes de terror com serial killers que matam aleatoriamente, normalmente adolescentes, com muito sangue e gritos histéricos; muitas vezes são de baixo orçamento e considerado "terror b". Exemplos clássicos são Psicose, Pânico, e Hora do Pesadelo.

De boa, relaxando. Assassinando...
Makani é a nossa final girl, a Sidney da vez. É pelos olhos dela que vemos o desenrolar dos assasinatos na pacata Osborne. Todavia, Makani tem um segredo e eu quase esperei alguém dizer "Eu sei o que você fez no verão passado". Seus amigos Alex e Derby a adotaram logo quando ela chegou na escola, o que não impede Makani de se sentir solitária. Numa cidade pequena onde todos se conhecem há gerações é difícil ter segredos, e esse é o maior medo de Makani; ter seu passado revelado e perder todo o seu senso de normalidade. De novo.

Stephanie é ótima em fazer dream boys, quem não se lembra do Etiènne ou do Cricket? Ollie é o crush da vez. De cabelo rosa, cheio de problemas familiares e com praticamente nenhum amigo Ollie é uma gracinha e eu amei ele no momento que ele pintou o cabelo (isso foi no cap 2 lol) (pink hair people UNITE!).

A proposta de misturar YA e slasher funcionou em partes. O romance foi realmente o protagonista da história. Bem escrito e cativante, a titia Steph não perdeu a mão. Mas o horror em si não foi forte. É difícil traduzir um gênero tão cinematográfico como o horror slasher para as páginas. Os sustos tão comuns realmente não se traduzem. Mas com o desenvolver do livro há uma tensão quando se percebe que ninguém está a salvo (menos a Sidney, essa nunca morre). 

"Isso não é um filme" Chora Sidey, a Imortal
A história clássica de jovens sendo mortos um atrás do outro, de formas cada vez mais cruéis e não é nova. A diferença desse livro que se propôs a colocar nas páginas algo tão cinematográfico é a habilidade da autora de criar personagens carismáticos e realistas. Só demorou 40 páginas para eu estar completamente envolvida pela nossa protagonista Makani, os seus amigos, e o crush dela Ollie.

Highlight para o fato que eles EVITAM AO MÁXIMO se separarem. Depois de anos gritando com os adolescentes em Teen Wolf para ficarem juntos porque é assim que personagens secundários morrem eu fiquei muito feliz.

Então para quem está procurando um livro de jovens adultos com uma pegada diferentona e com romance fofo aqui está a indicação. Só não esperem aquele terrorzão.

P: Qual é o seu filme de terror favorito?
R: Bambi
Ps; Como qualquer outro livro da Stephanie Perkins temos menção a outros personagens do Perkinsverse. Dessa vez é mencionado um certo embuste músico que acabou na capa da Rolling Stones. Alguém consegue adivinhar quem é?

Quatro faquinhas ensaguentadas


quarta-feira, outubro 25, 2017

[Lista] - Mangás de Terror

Fragmentos de Horror: saiu recentemente no Brasil pela Darkside
O Horror Japonês é considerado um gênero de terror a parte no cinemas por causa da forma diferente como lida com coisas assustadoras e/ou bizarras. Nos quadrinhos não é muito diferente. Até existem HQ's clássicas ocidentais que envolvem o gênero do terror como Hellboy, The Walking Dead, Cripta do terror e outros, mas poucas coisas são tão psicológicas e perturbadoras quanto alguns mangás. Vai aí então uma lista com alguns mangás de terror que foram lançados no Brasil e valem muito a pena ser  conhecidos:

1 - Fragmentos de Horror - Junji Ito


Um dos primeiros quadrinhos lançados pelo selo de Graphic Novels da Darkside, Fragmentos de Horror trás um clássico autor do gênero: Junji Ito. O Mangaka é conhecido por misturar o terror psicológico, com gore, grotesco, bizarro e, as vezes, o escatológico. São nove contos de horror passados no Japão e que conseguem chocar quem não está lá muito acostumado a esse tipo de leitura. A arte bem detalhada de Junji, garante horror extra. 





2 - O cão de caça e outras Histórias - Gou Tanabe

H. P. Lovecraft é, sem dúvida, um dos autores de terror mais cultuados e um gênio. Os mitos do Cthulhu são uma das obras de terror mais referenciadas por outros autores (ontem mesmo eu resenhei uma adaptação em HQ brasileira). Eis que o Mangaka Gou Tanabe propôs uma releitura de alguns contos do autor e criou o mangá O Cão de Caça e outras histórias. Lançado no Brasil pela editora JBC, a edição reúne três histórias relacionadas ao universo de Lovercraft adaptadas em quadrinhos. A arte é muito boa e alguns trechos são perturbadores.



3 - Nijigahara Holograh - Inio Asano


É até meio complicado falar desse mangá aqui. Resumir a trama sem dar spoilers é praticamente impossível, mas dá para destacar que esse é diferente dos outros. O terror aqui mistura um pouco de coisas bizarras com um toque de conto de fadas e o horror completamente humano e real. O mangá foi lançado no Brasil também pela editora JBC e vale um destaque para a genialidade da trama. O roteiro não é linear e é narrado em vários fragmentos. A medida que a leitura avança, você pensa não estar entendendo nada, mas no final, tudo fará sentido.



4 - Hideout - Masasumi Kakizaki

Lançado no Brasil pela Panini, Hideout trás uma história altamente psicológica e, não sei se era a intenção do autor, mas me lembrou muito os toques que o Stephen King dá nas suas obras. O mangá narra a história de um autor que após muito sucesso, encontra-se quebrado e fracassado. Encaminhando-se para a loucura, ele resolve viajar com a esposa para uma ilha paradisíaca, mas nem tudo é o que parece. A genialidade está na mistura do terror psicológico, com monstros, mas sempre deixando aquela dúvida sobre se o que está sendo narrado é real ou uma alucinação de um personagem.


5- Parasyte - Hitoshi Iwaaki
Esse aqui eu não consegui ir muito longe. Primeiro, os mangás anteriores são todos one shot. Esse aqui é uma série de 10 edições (saiu no Brasil pela JBC). Segundo, eu realmente não sou a pessoa mais forte do mundo e não vou negar que o conceito desse mangá realmente me agrediu. A ideia aqui é que ocorreu um ataque alienígena (os aliens são parecidos com vermes) e várias pessoas acabaram sendo parasitadas por eles. O conceito é que eles entram nos corpos humanos pelo nariz ou orelhas e passam a controlar os cérebros. O personagem principal da trama quase passou pelo processo, mas seu parasita ficou limitado apenas à sua mão e ambos passam a viver um relação um tanto simbiótica. Ao longo da trama outros parasitas surgem e tentam matá-los por não gostar da relação. Esse aqui nem é o mais bizarro da lista, mas esse conceito do corpo sendo alterado bizarramente, pra mim é bem difícil de processar.


Ufa... Aqui tem terror para todos os gostos, é só escolher um. E aí? Curtiram a lista? Gostariam de indicar algum mangás que não foi listado? Até a próxima!

terça-feira, outubro 24, 2017

Eu Li: O Despertar do Cthulhu em Quadrinhos



Título:O Despertar do Cthulhu em Quadrinhos 
Organizador:
Raphael Fernandes
Ilustradores/Roteiristas:Vários 
Editora
Draco
Adicione ao Skoob

O desespero é verde
A cultuada obra de H. P. Lovecraft é a principal inspiração dessa coletânea com oito HQs que transportarão a imaginação para o lado mais obscuro da mente humana, um horror cósmico em preto, branco e verde.

São 168 páginas desesperadoras onde criaturas tão antigas quanto o universo são capazes de corromper a alma humana apenas com sua presença. Onde a doença, a loucura e a perversão são pano de fundo para histórias que vão testar os limites de sua sanidade.

A organização do álbum envolveu Raphael Fernandes, que maculou a alma do time de quadrinistas formado por Dudu Torres, Antonio Tadeu, LuCas Chewie, Airton Marinho, Fabrício Bohrer, Caiuã Araújo, Marcio de Castro, Lucas Pereira, Samuel Bono, Jun Sugiyama, Daniel Bretas, Hilton P. Rocha, Bárbara Garcia e Elias Aquino. Todos perdidos em uma enigmática capa de João Pirolla.

O despertar de Cthulhu em Quadrinhos é o horror que não pode ser pronunciado, perca-se em imagens e histórias que não deveriam ter sido concebidas. Agora não há mais volta para os envolvidos pelos tentáculos do desespero, é hora de acordar para uma realidade decadente e tingida em apenas duas cores.


A editora Draco de tempos em tempos lança coletâneas de contos ou de quadrinhos. Vários livros de contos deles estão disponíveis a venda (todos bem interessantes). O Despertar do Cthulhu foi a segunda coletânea de uma série de quadrinhos lançada seguindo uma linha de terror. A primeira delas foi inspirada em O Rei de Amarelo e a terceira está para sair e é intitulada Demônios da Goetia. A ideia das três foi reunir HQ's inspiradas em obras de terror, roterizadas e ilustradas por artistas nacionais e deixar você perturbado. Cada uma delas também segue uma cor específica: O Rei de Amarelo em tons de amarelo, O Despertar do Cthulhu em tons de verde e Demônios da Goetia em tons de vermelho. A cor aliás é um ponto de destaque da arte dos desenhos: sempre em tons de cinza com os detalhes em verde revelando ou dando destaque a algo.

O Despertar do Cthulhu reúne oito histórias, todas com exatas vinte páginas e todas insanas. Mais interessante é que, quando se pensa nos mitos do Cthulhu, sempre se vem à cabeça um terror mais psicológico. Nessa HQ, o psicológico é bem presente, mas vem acompanhado de perto de várias outras inspirações, principalmente do gore e do visceral.


Tudo isso misturado a oito roteiros muito interessantes e todos passados em cenários que lembram muito a realidade brasileira: desde uma cidadezinha de interior sendo perturbada por uma moléstia até uma religião muito misteriosa que ganha adeptos através de shows de cura pela televisão. É realmente bem diferente ler algo que é claramente inspirado na obra de H. P. Lovrecraft, mas em um cenário completamente diferente do Norte Americano ou da Inglês.



Das oito histórias, destaco aqui quatro:

O Salmo do Sangue Antigo: o que você faz após receber a visita e um pedido de um amigo que se suicidou?

Os Tambores de Azathoth: esse é provavelmente o mais leve (ou menos pesado) dos contos. O único com um cenário que não tem aparência de ser brasileiro, conta sobre como a explosão da bomba atômica, o final da Segunda Guerra e um monstro bizarro estão interligados.

Macio: o final que me deixou mais chocado (HQ da imagem acima). Uma cidade está tendo problema com uma moléstia. O final (que é quando você entende o título) é muito insano.

O Caso da Truta Salmonada: o mais "What the hell?!" de todos. Depois de ler, tenho certeza que você vai pensar duas vezes antes de pedir um polvo no almoço.



Enfim, O Despertar do Cthulhu é uma das melhores HQ's de terror da atualidade e é espetacular saber que temos um produto nacional com tanto qualidade.

Ah, quer ganhar uma edição? Não percam a promoção que tá rolando no nosso facebook:

E tem funko!!!



segunda-feira, outubro 23, 2017

#Pensando Bem: Crônicas Vampirescas

Sejam todos bem-vindos a nossa semana temática de aniversário destinada ao Terror. Esperamos que todos estejam gostando das nossas semanas temáticas até agora...

Por dias pensei: O que poderia trazer ao Garota Pai D'égua referente a Anne Rice que outros blogs ainda não tenham trazido? Então resolvi começar atendendo ao pedido feito no Halloween do ano passado pelo Victor Rogério (nosso colunista) e vou fazer um post sobre as ´´AS CRÔNICAS VAMPIRESCAS`` e sua ordem de leitura.

Não sabe o que são? Bem, são um conjunto de livros criados pela autora Anne Rice em que vampiros caminham entre a humanidade até os dias de hoje. A autora compartilha conosco um pouco sua vivência com eles. Sim, porque não tem como não acreditar que eles não vivam com ela devido a forma como as narrativas deles é palpável demais para ser taxada como uma mera ficção. Eles estão vivos no coração e mente dela!

Então vamos ao que interessa:

"— Lembro-me inteiramente dele; apesar de achar que não me lembro de nenhuma alvorada anterior. Lembro-me que a luz atingiu, primeiro, o alto das janelas, uma sombra por trás das cortinas de renda, e até então, um brilho crescente cada vez mais e mais claro, se recortando por entre as folhas das árvores. Finalmente, o sol atravessou as próprias janelas e a renda se estendeu em sombras sobre o chão de pedra, derramando-se sobre minha irmã, que ainda dormia, sombras de renda sobre o xale que cobria sua cabeça e seus ombros. Assim que sentiu calor, ela empurrou o xale sem acordar, e então o sol brilhou com toda força sobre seus olhos e ela apertou as pálpebras. Depois reluziu sobre a mesa onde ela apoiava a cabeça e os braços, e cintilou sobre a água da bacia. E pude senti-lo em minhas mãos, sobre a colcha e, finalmente, em meu rosto. Permaneci na cama, pensando em todas as coisas que o vampiro havia me dito, e foi então que me despedi do nascer do sol e parti, para me tornar um vampiro. Foi... o último alvorecer." (Entrevista com o Vampiro - Anne Rice - 1976)


"Claro que o odiava pelas mentiras que contara sobre mim. Mas o amor era muito maior que o ódio. Ele havia compartilhado comigo os anos sombrios e românticos do século XIX, fora meu companheiro como nenhum outro mortal já havia sido.

E eu ansiava por escrever minha história para ele, não como uma resposta a sua maliciosa Entrevista com o vampiro, mas sim para contar todas as coisas que vi e aprendi antes de encontrá-lo, a história que não pude contar-lhe antes.

Velhas regras já não me importavam mais, tampouco." ( O Vampiro Lestat - Anne Rice - 1985)


"Meu livro permanece, juntamente com a Entrevista com O Vampiro — prudentemente disfarçado de ficção -, e talvez seja melhor assim. Já causei problemas demais, como verão. Desastre, era isso que eu causava com meus joguinhos. O vampiro que teria sido herói e finalmente mártir por um único instante de pura relevância. Imagina-se que eu tenha aprendido alguma coisa com tudo isso, não é? Bem, aprendi mesmo. Mas é que é tão doloroso encolher-me novamente na sombra — Lestat, o bandido vampiro, rápido e anônimo, novamente atacando os pobres mortais que nada sabem de coisas como eu! Tão doloroso ser novamente o forasteiro, eternamente na periferia, lutando com o mal e o bem do imemorial inferno particular do corpo e alma..." (A Rainha dos Condenados - Anne Rice - 1988)


Eis os livros seguintes da ordem:
A História do Ladrão de Corpos - Anne Rice - 1992
Mennoch - Anne Rice - 1995
O Vampiro Armand - Anne Rice - 1998
Pandora - Anne Rice - 1998
Merrick - Anne Rice - 2000
Normalmente as primeiras três leituras são o suficiente para fazer você se apaixonar pela forma que a Anne Rice escreve. Achei válido deixar você acessar pequenas citações dos livros que ganham corações até hoje. 

A partir do livro "A História do Ladrão de Corpos" somos inseridos na mente de um vampiro que tem uma busca filosófica fora da armadura de todo poderoso, o que ele não deixa de ser, levando em consideração toda a sua história. No primeiro livro dessa imagem, o Lestat tem o seu corpo trocado com um humano e precisa aprender a viver como mortal e toda a sua complexidade até voltar para o seu corpo. E em Mennoch o mesmo vampiro senta no divã com o 'diabo'. E as coisas só ficam melhor... Armand ganha um livro só para ele, assim como a Pandora. E em Merrick os vampiros invadem o território das bruxas, pois um certo vampiro emo (Loui) quer sua infanto amada de volta da terra dos mortos e acha que pode recorrer ao Voodu! 

Com o universo das crônicas vampirescas já desenhado para você nos três primeiros livros, os cinco livros seguintes são histórias em que o vampiro Lestat perpassa e protagoniza, sempre lembrando que ele não vira um herói romântico e redentor, que algumas pessoas podem esperar quando romantizam a figura: Vampiro.



















Na sequência temos:
Sangue e Ouro - Anne Magno - 2001A Fazenda Blackwood - Anne Rice - 2002Cântico de Sangue - Anne Rice - 2003
Para quem, no decorrer da história, curtiu saber mais sobre os vampiros da primeira geração, filhos derivados da Akasha, vai gostar de saber que em Sangue e Ouro temos Marius e Thorne protagonizando um livro em que estão a discernem sobre as razões e reflexões da vida eterna.

Na fazenda Blackwood vemos o mortal Tarquinn se tornar vampiro e ainda assim manter sua família, e em sua ansiedade por respostas invade o território do Vampiro Lestat e coloca seu pescoço em risco. Assim como também temos um grande vinculo nesse livro com o universo da outra serie da autora "O Clã Mayfair".

Em Cântico de Sangue temos os espíritos protetores do Clã Mayfair vindo acertar contas com o Vampiro Lestat por certas atividades que ultrapassam os limites pré-estabelecidos entre vampiros e bruxas. E desta forma voltamos a fazenda Blackwood!

E quando pensamos que Anne Rice não pode mais maltratar nossos apaixonados corações, um belo dia, acho que depois de tanto escutar e ler reclamações dos fãs pois as crônicas tinham acabado em 2003, eis que nossa diva vai ler novamente seus livros vampirescos.

E o que acontece?

Ela nos presenteia com a volta das crônicas vampirescas. Mas não é só isso não! Ela além de trazer nossos queridos personagens de volta, ainda consegue amarrar todas as pontas soltas da história, as mesmas que nem você tinha conhecimento. E os tiros ainda não acabam por aí.... Ela ainda nos apresenta a personagens novos que sempre estiveram nas crônicas vampirescas mas a gente não conseguia ver!

- pausa para respirar - Sim, essa mulher é incrível!

Ao ler "Príncipe Lestat" em 2014, fui comedida por uma emoção sem tamanha, nem orgulho e preconceito conseguiu mexer tanto comigo no sentido plots perfeitos. Ler o "Principe Lestat" mesmo depois 11 anos das crônicas paradas, é como se você tivesse sendo inserido no contexto logo após terminar o livro "Cântico de Sangue". 

E sabe o que é ainda melhor? Saber que ainda temos mais livros para esperar! 

Estamos todos aguardando "Prince Lestat and the Realms of Atlantis" para saber o que mais a Anne Rice pode ensinar para nós, meros mortais, sobre a arte de fazer livros maravilhoso.

Novamente, desculpem o post gigante... mas como me empolgar com uma autora tão única?

Espero que tenham gostado do post, e até o próximo!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
© Garota Pai D'égua - Todos os direitos reservados.
Criado por: Bianne Souza.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo